Tsunami mata pelo menos 222 pessoas na Indonésia
Corpos de vítimas do Tsunami são recolhidos na Indonésia

Foto: Antara Foto/Asep Fathulrahman / via Reuters

Pelo menos 222 pessoas morreram e 843 ficaram feridas após um tsunami atingir a Indonésia, informam neste domingo (23/12) equipes de emergência locais. O número de mortos ainda pode aumentar.  Uma onda atingiu com força uma festa realizada na praia de Tanjung Lesung, na ilha de Java. Alguns integrantes da banda Seventeen, que se apresentava num palco, e parte dos espectadores morreram com a chegada da onda. O vocalista Riefian “Ifan” Fajarsyah publicou na manhã deste domingo um vídeo confirmando, visivelmente emocionado, a morte do baixista e do produtor da banda, além do desaparecimento de outros integrantes do conjunto. “Quando o incidente aconteceu muitos turistas estavam nas praias ao longo de (a cidade) Pandeglang, em Java”, disse o porta-voz da Agência Nacional de Gestão de Desastres (BNPB), Sutopo Purwo Nugroho, em comunicado. Em um vídeo, publicado por Sutopo no seu perfil do Twitter, pode-se ver a destruição de várias estruturas próximas ao litoral afetado, onde a potência das ondas arrastou vários veículos para o litoral.

Sutopo admitiu que inicialmente as autoridades indonésias confundiram o tsunami com uma maré crescente e chegaram a apelar à população para não entrar em pânico. “Foi um erro, sentimos muito”, escreveu. O porta-voz da BNPB disse que a causa do tsunami vai ser verificada, embora tenha afirmado que o mais provável é que tenha sido causado por um deslizamento de terra submarino produzido pela erupção do vulcão Anak Krakatau e ressacas devido à lua cheia.  A Indonésia é o quarto país mais populoso do mundo e também um dos mais castigados por desastres naturais. A localização geográfica da Indonésia, no Anel de Fogo do Pacífico, e os mais de 100 vulcões ativos no país tornam a nação propensa a grande atividade sísmica, a maioria moderada, que habitualmente passa despercebida à população. Só este ano, a Indonésia registou 11 terremotos com vítimas mortais. Com informações do Deutsche Welle

Comente pelo Facebook
COMPARTILHE