Saúde







Saúde: Antibiótico Benzetacil é temporariamente suspenso no país

A penicilina benzatina, conhecida pelo nome comercial Benzetacil, está temporariamente suspensa no Brasil, desde o início de julho. Segundo a revista Veja, a farmacêutica Eurofarma, detentora da marca oficial de comercialização do antibiótico no país, anunciou que a suspensão na produção é temporária por conta de “melhorias relacionadas aos testes de validação do produto”. A Eurofarma informou que o medicamento que já foi distribuído em todo o país poderá ser consumido normalmente até a data de validade informada na embalagem. A empresa afirmou à publicação que a retomada de produção deve acontecer em meados de outubro. Quatro empresas no Brasil podem produzir a penicilina benzatina, segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa): a Eurofarma, que produz o remédio com nome comercial Benzetacil, a Fundação para o Remédio Popular (Furp), o Laboratório Teuto Brasileiro S/A e a Novafarma Indústria Farmacêutica LTDA. O medicamento costuma ser temido por usuários pela dor que provoca no momento da aplicação e pode durar até 24 horas depois. Em 2015, o Ministério da Saúde alertou o risco de falta de abastecimento do medicamento no Brasil por conta da escassez de matéria-prima do antibiótico.

COMPARTILHE

Autoteste de HIV estará disponível nacionalmente até o fim de julho em farmácias

Foto: Reprodução/Google

O autoteste para detectar a presença do vírus HIV no organismo deve estar disponível em farmácias de todo o país até o fim do mês. Nesta semana, o primeiro teste desse tipo a ser vendido no Brasil começou a chegar às farmácias do Rio de Janeiro. O produto, que custa entre R$ 60 e R$ 70, pode ser comprado sem receita médica, e a testagem produz resultado 10 minutos após o sangue entrar em contato com o reagente. O Brasil é o primeiro país da América Latina e Caribe a disponibilizar o autoteste em farmácias. Para a diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, Adele Benzaken, o produto é uma ferramenta importante para aumentar a capacidade de diagnóstico do vírus. Identificar a presença do HIV em 90% das pessoas infectadas é uma das metas da Organização das Nações Unidas (ONU) para 2020. “Advogamos tanto com relação ao autoteste porque acreditamos que ele amplia e muito a cobertura diagnóstica. Têm pessoas que não querem ir à unidade de saúde para fazer o teste do HIV”, pondera ela, que alerta que o resultado positivo no autoteste não é um diagnóstico. Para tal, é preciso confirmação de outros exames e acompanhamento de profissionais de saúde. “O teste da farmácia não é confirmatório. Com o autoteste positivo, deve-se buscar imediatamente a unidade de saúde para fazer novos testes confirmatórios”, explica. Com informações da Agência Brasil

COMPARTILHE

Psicóloga Millena Mendonça fala sobre ‘obstáculos’

por Millena Mendonça/Psicóloga

A pedra no meio do caminho, é um obstáculo que convoca o indivíduo à uma superação. Esta metáfora retirada da poesia de Drummond, está posta nos enredos de filmes, séries, novelas, nas biografias e nos contos infantis, tal qual podemos observar em Chapeuzinho Vermelho, quando esta empenhou-se para salvar-se do lobo com a ajuda de um lenhador, ou em Alice no País das Maravilhas, que com o apoio do Chapeleiro Maluco, conseguiu vencer a Rainha de Copas. O caminhar por entre as pedras, retirando-as do meio do caminho, requer um investimento de viver, de fazer “a coisa viva” acontecer, ainda que outras pedras surjam lá na frente, porque viver é pulsação contínua, é caminhar para uma construção individual. Trazendo a ideia de construção para o assunto psicoterapia, “fazer a coisa viva” acontecer, seria construir as beiradas do impalpável, daquilo que está no inconsciente e que incide sobre o Eu. Nesse caso, a contribuição de um psicoterapeuta no processo de construção, é a ferramenta subjetiva exata, sobretudo para que o próprio indivíduo se reconheça enquanto protagonista de sua história, dando novas direções ao enredo de sua vida, permitindo com sensatez as correlações entre o eu, tu, eles e elas. Digo isso, porque é pela palavra que se pressupõe um dizer do eu endereçado ao tu, eles e elas. E isso funciona em um movimento dialético, o supra sumo das elaborações individuais. Lembremos que, para retirada da pedra no meio do caminho, Chapeuzinho Vermelho teve ajuda do lenhador e a Alice, do Chapeleiro Maluco. Aprendemos muito através dos contos.

COMPARTILHE

Saúde: Menor consumo de sal evitaria milhões de mortes, aponta estudo

Diminuir em 10% o consumo de sal poderia salvar milhões de vidas, afirma um estudo publicado nesta quarta-feira (11) pela revista médica britânica The British Medical Journal. O sal aumenta os riscos de hipertensão e de doenças cardiovasculares. As informações são da Rádio França Internacional. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a maioria dos adultos consome mais do que a quantidade recomendada de 2 gramas de sal por dia, no máximo. O excesso de sal, presente principalmente em alimentos industrializados, está na origem de cerca de 1,65 milhão de mortes provocadas por doenças cardíacas em todo o mundo, de acordo com a OMS. Apesar de poucos países até agora terem adotado políticas públicas para tentar diminuir o consumo de sal, pesquisadores, atuando conjuntamente com a indústria alimentícia, avaliaram o impacto de estratégias públicas de prevenção em 183 países. E concluíram que investir o equivalente a apenas 10 centavos de dólar por pessoa (cerca de R$ 0,32), contribuiria grandemente para frear a mortalidade.

RESULTADOS IMPRESSIONAM

Os cientistas também estimaram, baseados no índice de Esperança de Vida Corrigida, o número de anos perdidos pela população mundial por conta do excesso de sal. Segundo o estudo, uma alimentação menos salgada durante um período 10 anos evitaria uma perda anual equivalente a 5,8 milhões de anos de boa saúde. O custo dos anos ganhos seria equivalente ao que se gasta atualmente em remédios para tratamento de doenças cardiovasculares, apontam os pesquisadores

COMPARTILHE

07 de Abril é o Dia Mundial da saúde: 15 dicas para ser uma pessoa mais saudável

dia-mundial-da-saúde-interação-feminina

Dia 07 de abril é o dia mundial da saúde! Mas você sabe o que é saúde? Segundo a organização mundial de saúde, “a saúde é o completo bem estar físico, mental e social”. Isso significa dizer que não é apenas estar isento de doenças, mas sim quando todos esses fatores se correlacionam. A saúde é um direito fundamental de qualquer pessoa, garantido por lei (pela constituição federal e pela lei 8080/90) no Brasil. Assim, temos o sistema único de saúde que proporciona atendimento médico tanto às pessoas que já se encontram doentes, quanto para as que querem prevenir doenças, além da opção particular e planos de saúde. Mas listamos abaixo 15 dicas simples de cuidados diários para você seguir e se tornar uma pessoa mais saudável, aumentando a expectativa de vida:

  1. Alimente-se corretamente. Inclua frutas e vegetais na sua dieta e diminua o consumo de gorduras trans e saturadas, açúcares, refrigerantes, sódio, etc.
  2. Beba bastante água, principalmente em dias quentes. Especialistas indicam que é necessário ingerir em média 2 litros de água por dia.
  3. Exercite-se regularmente com atividades aeróbicas que você goste. O exercício físico libera endorfinas, que é conhecida como substancia do prazer, diminui o estresse, auxilia no emagrecimento, diminui a hiperinsulinemia ou resistência à insulina, melhora a função renal, entre outros inúmeros benefícios.
  4. Controle seu peso corporal. A obesidade pode levar a problemas sérios de saúde como diabetes, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares. Em contrapartida, manter uma dieta restritiva e emagrecer demais também configura doença, como anemia, desnutrição, entre outros. O IMC (peso/altura²) considerado normal é de 18,5 a 24,9. Clique em leia mais
COMPARTILHE

Saúde: Primeiros testes mostram que ‘pílula do câncer’ não é eficaz, diz governo

saúde_pilula_cancer

Primeiros testes mostram que ‘pílula do câncer’ não é eficaz (Foto: Divulgação/USP)

Os primeiros testes com a fosfoetanolamina sintética, conhecida como “pílula do câncer”, realizados pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) mostraram que a substância não é pura, como afirmavam seus criadores, e que ela não apresenta eficácia contra células cancerígenas em testes in vitro. Os cinco primeiros relatórios foram divulgados pelo ministério no último dia 18. “A informação era de que a fosfoetanolamina era pura, mas há cinco componentes na cápsula. Os resultados preliminares mostram que a fosfoetanolamina não tem atividade contra o câncer”, diz Luiz Carlos Dias, professor titular do Instituto de Química da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), que atuou na pesquisa do MCTI na etapa de caracterização e síntese dos componentes da cápsula. A substância, criada pelo professor aposentado Gilberto Chierice, do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (USP São Carlos), é distribuída há mais de 20 anos e não tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária para ser usada como medicamento. Segundo Dias, a quantidade de fosfoetanolamina é de 32,2% e que outra substância presente na fórmula, chamada monoetanolamina, apresentou capacidade de reduzir a proliferação de células com câncer. “Um dos componentes tem uma pequena atividade, mas é muito marginal, menor do que a apresentada por tratamentos convencionais.” Em nota, o ministério informou que os resultados são preliminares e que “não existe ainda um laudo conclusivo sobre a substância.” Dias explica que ainda serão realizados testes in vivo, que devem incluir animais de pequeno porte, cujos resultados devem sair em um mês. Outro ponto preocupante, segundo o pesquisador, foi o fato de as cápsulas não apresentarem a mesma quantidade de substância em cada uma delas. “Cada uma tinha uma quantidade diferente. Indica um processo artesanal de colocar o conteúdo na cápsula.” A reportagem entrou em contato com os responsáveis pela fórmula por e-mail, mas não teve resposta.

COMPARTILHE