José Rainha alerta para possível conflito em caso de impeachment: ‘ruas serão tomadas’
j.r-mst

José Rainha – ex-líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

Ex-líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e atual militante da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) – movimento social que ajudou a fundar -, José Rainha alerta para a possibilidade de um conflito social caso o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) se concretize. “Se passar [o impeachment], o Brasil caminha para um conservadorismo de direita. Se passar, as ruas vão ser tomadas. O conflito está colocado, a revolta vai acontecer”, indicou, em visita feita ao Bahia Notícias nesta quinta-feira (14), junto com o deputado estadual Marcelino Galo (PT). Ainda de acordo com Rainha, as manifestações desta sexta (15), em favor da democracia, alertam para “a volta da direita e o respeito à Constituição”. “Estamos alertando para a volta da direita, o respeito da Constituição. É esse processo que está em curso. Se o povo do PT errou, que pague. Agora por qual motivo pune um e não pune outro? O direito não é igual? O Lula é conduzido coercitivamente, que crime ele cometeu? E o Temer, e o Cunha, e o Renan Calheiros? O que está se colocando é a defesa dos direitos democráticos”, afirmou. Apesar da defesa do mandato da presidente Dilma, o líder da FNL reconhece que, na gestão da petista, a reforma agrária – uma das principais bandeiras do movimento – foi deixada de lado. A culpa, segundo ele, não foi da presidente, mas sim da conjuntura.

php04cE8N

José Rainha veio à Bahia para participar da sessão que rememorou o Massacre de Eldorado dos Carajás, que irá completar 20 anos no próximo domingo (17). À época, dezenove sem-terra foram mortos pela Polícia Militar do Estado do Pará. O confronto ocorreu quando 1.500 sem-terra que estavam acampados na região decidiram fazer uma marcha em protesto contra a demora da desapropriação de terras, principalmente as da Fazenda Macaxeira. A Polícia Militar foi encarregada de tirá-los do local, porque estariam obstruindo a rodovia BR-155, que liga a capital do estado Belém ao sul do estado. “Discutimos, na sessão, as consequências do massacre de Eldorado e fizemos uma análise do que acontece hoje. As coincidências e diferenças. Aos trabalhadores não interessa um golpe. Não podemos retroceder. Temos que lutar contra o retrocesso da reforma agrária, destravar a pauta”, afirmou o deputado estadual Marcelino Galo.

 

COMPARTILHE