Bahia: Pedreiro preso após estuprar mulher e sobrinha de 13 anos é encontrado morto em cela
O corpo do pedreiro foi encontrado por um policial civil que distribuía o café aos presos.

O corpo do pedreiro foi encontrado por um policial civil que distribuía o café aos presos.

O pedreiro Edigron Nunes de Araújo, 39 anos, acusado de estuprar uma menina de 13 anos e a sua própria esposa, foi encontrado morto dentro da sua cela na delegacia do município de Luís Eduardo Magalhães, nesta terça-feira (29). Edigron, que era casado com a tia da menina que teria violentado, havia filmado alguns dos estupros, que começaram há cerca de dois anos. O corpo do pedreiro foi encontrado por um policial civil que distribuía o café da manhã aos presos da unidade, enforcado com cordas feitas com o lençol de cama. Ainda segundo a Polícia Civil da região, ele estava sozinho na cela, e a suspeita principal é de que Edigron tenha se matado. O companheiro de carceragem dele tinha sido transferido para Barreiras nesta manhã, por volta das 7h30. Na ocasião, o pedreiro foi visto com vida, afirmou a polícia. O corpo de Edigron foi encaminhado para o Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Barreiras. O sepultamento deve acontecer na região de Irecê, de onde ele tinha origem.  Edigron Nunes de Araújo foi preso na noite de sábado (26) em Luís Eduardo Magalhães, acusado de estuprar a sobrinha e a esposa. Segundo o delegado Leonardo de Almeida Mendes, titular da delegacia de Luís Eduardo Magalhães, os estupros começaram quando a vítima tinha ainda 11 anos. Edigron era casado com a tia da menina e havia filmado alguns dos estupros. Conhecido como Digimon, o pedreiro foi preso cerca de 40 minutos após ser denunciado por um familiar da vítima, que tomaram conhecimento do caso após a irmã da menina ver os prints das fotos e vídeos que o suspeito fazia dos estupros.  Conforme o delegado, Edigron já tinha três passagens pela polícia por violência doméstica, mas foi liberado após pagar fiança. Ele iria responder pelos crimes de estupro de vulnerável, ameaça de morte e lesão corporal. (Correio da Bahia).

COMPARTILHE