“Bomba relógio”: Paulo Souto nega acusação de Jaques Wagner

paulosouto

Se o ano terminou turbulento na Assembleia Legislativa da Bahia, a partir desta quinta-feira (2), o clima começa tenso com a discussão e votação a PEC 134 e o projeto que permite a antecipação dos royalties do petróleo até 2018 para cobrir o déficit da previdência. Encaminhada pelo governador Jaques Wagner, a proposta serve para desarmar a “bomba relógio” deixada pela gestão anterior, de Paulo Souto (DEM).

O rombo na previdência em 2013 é de R$ 1,6 bilhão e deve chegar a R$ 2,3 bilhões este ano. O petista ironizou a situação. “Falei para cair a ficha na cabeça de alguns que já governaram a Bahia de que essas conta não é de quatro ou de sete anos. É da história política da Bahia”.

Indignado com a declaração, Souto respondeu às críticas em entrevista ao jornal A Tarde. Segundo o democrata, quando ele deixou o Palácio de Ondina, havia no caixa do Fundo da Previdência do Servidor da Bahia (Fundprev) um saldo positivo de R$ 400 milhões.

“Esses recursos ficaram absolutamente íntegros ao final do meu governo, o que se considerava ser o início de um processo contínuo de capitalização para redução do já gigantesco déficit atuarial do sistema”. Souto ainda completa que no seu primeiro governo, de 1995 a 1999, o sistema previdenciário estadual passou por um processo de modernização. E que a situação atual da previdência é resultado de um “descontrole orçamentário e financeiros do estado do que propriamente da elevação das despesas previdenciárias, perfeitamente previsíveis”.

Após a votação desta quinta-feira (2), os deputados voltam a se reunir no dia 7 para a possível votação da proposta orçamentária do estado para 2014.(Bocão News).

COMPARTILHE