Enterrado menino encontrado morto em freezer de casa em São Paulo
xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.NOYVsVdRyC

Foto: Paula Paiva/ G1

O garoto Ezra Lian Joshua Finck, de 7 anos, nascido na África, foi enterrado nesta terça-feira (29), apenas com uma coroa de flores com a frase “Descanse em paz”. A homenagem foi do Instituto Médico Legal (IML), onde o menino ficou por 25 dias após ser encontrado no freeze da casa onde morava, no Centro de São Paulo. As investigações apontam que sua mãe e seu padrasto são os autores do crime. Ezra foi enterrado no cemitério da Vila Formosa e seu túmulo estava sem identificação até a manhã desta quarta-feira, de acordo com o G1. O Serviço Funerário informou que a sepultura do garoto receberá uma placa e um jardim ainda nesta quarta e uma lápíde com seu nome deve ser instalada na próxima semana, conforme informou a Secretaria da Segurança Pública. O corpo do garoto ficou 25 dias no necrotério do IML, enquanto aguardava a liberação por parte de algum parente próximo. Tais familiares, no entanto, vivem na África do Sul e o Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) em Brasília precisou encaminhar um pedido à embaixada daquele país para ajudar na localização desses familiares. O vice-cônsul sul-africano Thabo Sedibana informou, que as buscas não tiveram êxito e liberou o enterro do garoto. A SSP informou, por meio de nota, que depois da autorização do consulado decidiu tomar a iniciativa, já que “nenhum parente se comprometeu a se responsabilizar pelo corpo”. A Secretaria Municipal dos Direitos Humanos de São Paulo, a Arquidiocese e parentes distantes de Ezra constestam a versão da SSP e afirmam que pretendiam cuidar do sepultamento. Segundo eles, os ritos foram feitos sem o consentimento dos familiares. A Pastoral do Menor prometeu investigar a possível ilegalidade por parte do IML. “Fomos surpreendidos com a notícia. Queremos saber quem acompanhou o sepultamento. Ninguém foi avisado, nem mesmo a família. Mas isso não vai passar em branco”, disse Sueli Camargo, advogada da Arquidiocese de São Paulo e coordenadora da pastoral.

COMPARTILHE