Família de técnico do Inema morto em Itapuã quer sair da Bahia: ‘perigoso’
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A família do técnico em Meio Ambiente e Recursos Hídricos mineiro Maceluan Dantas Magalhães, 40 anos, decidiu sair da Bahia após a morte dele, na última sexta-feira (4), durante uma tentativa de assalto a cerca de 50 metros de sua casa, em Itapuã. Maceluan trabalhava há dois anos no Instituto de Meio Ambiente e Recursos Hídricos do Estado (Inema). “Quero levar minha mãe de volta pra Belo Horizonte.

Aqui está muito perigoso. Minhas filhas já foram assaltadas aqui na porta, uma vez o bandido entrou na garagem”, afirma a irmã da vítima, Ivane Dantas, 51. “Sempre nos sentimos bem aqui. Mas a violência está horrível”, completou o pai de Maceluan, Geraldo Magalhães. “Aqueles 45 minutos foram os piores da minha vida”, completou, em menção ao tempo que seu filho, que foi baleado nas nádegas, levou para ser atendido pelo Serviço de Atendimento Médico de Urgência.

Em entrevista ao Correio, o coordenador do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), Ivan Paiva, explicou que há um protocolo para casos decorrentes de violência. “Normalmente em casos de lesão por arma de fogo, a gente só se faz presente com acompanhamento da PM, que é acionada por meio de ligação ao 190 e ao grupo no Whatapp de Gerenciamento de Crise”, explica.

Paiva informou que não teve acesso à ocorrência, mas destacou que o procedimento visa garantir a segurança da equipe socorrista. “Já houve situações de nossos profissionais serem baleados dentro da ambulância. Em outras em que os socorristas chegaram e encontraram homens armados. É uma situação de risco”, acrescentou.

COMPARTILHE