MBL defende tramitação lenta do impeachment no Congresso para desgastar imagem de Dilma
xIMAGEM_NOTICIA_5.jpg.pagespeed.ic.2FQpFyI_rP

Foto: David Shalom/ iG São Paulo

O Movimento Brasil Livre (MBL) quer que o impeachment tenha ritmo lento no Congresso Nacional. A ideia do grupo que pede a saída da presidente Dilma Rousseff (PT) é desgastar a imagem do governo. De acordo com a Folha, os integrantes do MBL defenderam nesta sexta-feira (4) que os parlamentares entrem em recesso no dia 23 de dezembro, conforme previsto. O MBL justifica que, com a suspensão das atividades, haverá mais tempo para realização de manifestações de rua e amadurecimento da tese do impeachment. “A população tem que ter esse tempo para compreender o crime fiscal [de que o governo é acusad] e, ao mesmo tempo, sentir as consequências da crise gerada pela própria presidente. E tem mais os desdobramentos da Operação Lava Jato, com novas delações”, disse Kim Kataguiri, um dos líderes do MBL. O movimento acredita também que o período será importante para as bases eleitorais pressionarem os deputados em seus respectivos estados e a população poderá sentir com mais intensidade os efeitos da crise. O MBL já convocou protestos pró-impeachment para o próximo dia 13, um domingo, em parceria com o movimento Vem Pra Rua. De acordo com a Folha de S. Paulo, os atos devem se realizados em São Paulo e em outras 50 cidades. Na próxima semana deve ser anunciada a data de um “grande protesto”, semelhante aos três promovidos ao longo deste ano.

COMPARTILHE