CASO MARLEIDE – FUNCIONÁRIO DO EXÉRCITO CONFESSA PARTICIPAÇÃO NO CRIME

Os restos mortais que seriam dela foram encontrados ontem à tarde pela polícia, em Mar Grande, na Ilha de Itaparica

A poucos dias de completar um ano, as buscas pela engenheira ambiental Marleide de Oliveira Junqueira, 37 anos, desaparecida desde agosto do ano passado, têm todos os indícios de que chegaram ao fim. Os restos mortais que seriam dela foram encontrados ontem à tarde pela polícia, em Mar Grande, na Ilha de Itaparica.

Um funcionário do Exército, que admitiu ter participado da ocultação do cadáver, levou os agentes da 11ª Delegacia, em Tancredo Neves, ao local – uma área de Mata Atlântica, onde encontraram uma ossada humana. Os ossos foram distribuídos em três caixas, sinal de que a vítima fora esquartejada. A confirmação de que o corpo é de Marleide só acontecerá após a realização de  exame de DNA.

Quando foi preso, Antônio se disse um dom-juan

De acordo com fontes da Secretaria da Segurança Pública, o funcionário do Exército declarou que o ex-namorado da vítima, Antônio Luís Santos, 42 anos, matou Marleide após desferir um soco. Com o impacto, a engenheira caiu e bateu a cabeça, morrendo no apartamento dele no Doron – local preferido do casal para namorar. Informações do Correio.



Comente pelo Facebook
COMPARTILHE