ITABUNA: INDÍGENAS PROTESTAM APÓS MORTE DE BEBÊ NO HOSPITAL MANOEL NOVAES
A criança morreu após esperar 40 minutos por atendimento no Manoel Novaes.

A criança morreu após esperar 40 minutos por atendimento no Manoel Novaes.

Indígenas protestaram na tarde deste sábado (30), em Itabuna, por causa da morte do bebê de 9 meses, que esperou 40 minutos para ser atendido no Hospital Manoel Novaes. Com cartazes, os manifestantes se concentraram na Praça Adami e depois foram para frente do Hospital Manoel Novaes. Equipes da Secretaria de Segurança Transporte e Trânsito (Sesttran) e da Polícia Militar acompanharam o ato. Levi Messias Nonato Alves morreu no início da manhã da última segunda-feira (25). De acordo com a família, o bebê começou a passar mal no domingo (24). Ele foi atendido inicialmente no Hospital Arlete Magalhães, que fica em Pau Brasil. Os familiares dizem que a criança chegou na unidade de saúde com quadro de pneumonia.

O sepultamento do bebê foi realizado na aldeia indígena Caramuru Paraguassu, na cidade de Pau Brasil, onde a família da criança mora. O enterro foi marcado pela comoção dos familiares do bebê. Segundo a mãe dele, Bisma Nonato Alves, de 21 anos, o hospital tentou liberação para o atendimento em Itabuna, mas não conseguiu. O bebê, então, foi levado para a Maternidade Ester Gomes, mas também não pôde ser atendido lá. A família levou a criança o Hospital Manoel Novaes, onde ela faleceu. Em nota, a Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, que administra o Hospital Manoel Novaes, lamentou a morte de Levi e se solidarizou com a família da criança. (Informações: G1)

Comente pelo Facebook
COMPARTILHE