KELLY CYCLONE É ASSASSINADA NO MUNICÍPIO DE LAURO DE FREITAS

Depois da festa do pó, Kelly Doçura ainda acusou os policiais de espancá-la

Kelly Sales Silva, de 22 anos, também conhecida como Kelly Cyclone ou Kelly Doçura, foi assassinada na madrugada desta segunda-feira (18), no Centro do município de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador. O corpo apresentava marcas de tiros nas costas e estava com ferimentos, o que indica, segundo a polícia, que Kelly pode ter sido vítima de espancamento. O corpo da Dama do Pó foi encontrado em via pública por moradores locais. Ainda não há informações sobre autoria do crime e o motivo. De acordo com a Central de Polícia, Kelly também teria sido esfaqueada na barriga. O crime é investigado pela delegacia de Lauro de Freitas.

‘Vida Loka’ no crime
Kelly Sales Silva, de 22 anos, ficou conhecida após ser presa em fevereiro de 2010 na festa do pó, na Boca do Rio. Com inúmeras tatuagens – coelho da Playboy, de Chucky, o brinquedo assassino, um dragão que cobria toda a perna e um ‘Vida Loka’ no cóccix – não se intimidava em postar fotos segurando armas em seu perfil na rede social orkut. A “lokura” começou com o desfecho trágico de seu primeiro namoro, com Anderson, 17, de quem estava grávida. Depois do fim do namoro, Anderson se suicidou tomando veneno de rato. “Kelly estava com 16 anos e seis meses de gravidez e só falava que ia se matar. Encontramos chumbinho na gaveta dela” , lembrou a irmã Carla Sales, 24. Kelly começou a ter visões, inclusive jogando o filho pela janela. O garoto tem 5 anos. Nessa época, ela deixou de ser Kelly Sales Silva para se transformar em Kelly Doçura. “Eu namorava com Bombado Doçura, percussionista do Saiddy Bamba, que agora tá no Báck, por isso o apelido”, lembrou à época de sua prisão em 2010. Bombado não foi localizado para contar se Kelly é a chapeuzinho vermelho que inspirou a música Lobo Mau. Do batuque do pagode, Kelly foi para os pipocos do “berro”. Aos 17 anos ela conheceu e se apaixonou pelo traficante Sidnei Ferreira, que atuava no Garcia, onde os dois moravam. O amor que sentiu por Sidnei foi gravado em seu corpo, em uma tatuagem com o nome do traficante no punho direito. “Sidnei foi o amor da minha vida. Não comando tráfico. Nunca me meti nas coisas dele”, contou Kelly em 2010. Ele foi morto por um policial à paisana há três anos em um assalto a ônibus na Garibaldi.

COMPARTILHE