UBATÃ: MPF DIZ QUE DAÍ DA CAIXA MONTOU QUADRILHA PARA DESVIAR RECURSOS DA PREFEITURA
MPF diz que ex-prefeito e demais acionados formaram uma quadrilha voltada ao desvio de recursos públicos da Prefeitura de Ubatã

MPF diz que ex-prefeito e demais acionados formaram uma quadrilha para desviar recursos da Prefeitura de Ubatã.

A Justiça Federal acatou uma Ação Civil Pública por ato de Improbidade Administrativa movida pelo Ministério Público Federal (MPF) e decretou a indisponibilidade dos bens do ex-prefeito de Ubatã, Adailton Ramos Magalhães (PTB), o Dai da Caixa, e de mais quatro pessoas. A quadrilha, como definiu o MPF, montou um esquema, entre 2007 e 2008, para desviar os recursos públicos no âmbito da Prefeitura de Ubatã e lesou o erário em cerca de R$ 4 milhões.

Os recursos desviados eram oriundos do FUNDEB, (com complementação federal), bem como do PNAE e SUS, e a quadrilha foi acusado de fazer uso de peculato, fraude ao caráter competitivo de licitação, falsidade ideológica de notas fiscais e corrupção ativa e passiva. A operação que destrinchou todas as ações da facção foi realizada conjuntamente pelo Ministério Público Federal (MPF), Controladoria Geral da União (CGU) e Polícia Federal (PF) e é composta de dezoito volumes.

Segundo denúncia do MPF, após fiscalização in loco da CGU, os réus passaram a emitir notas fiscais falsas, com datas retroativas, para tentar encobrir as subtrações ilícitas de recursos da Prefeitura, que já haviam sido anteriormente realizadas e estavam registradas nos extratos bancários. A farsa da quadrilha, no entanto, foi desmascarada. “Notas fiscais […] para justificar o escancarado desvio de recursos públicos”, anotou o MPF. O montante bloqueado é de R$ 127.410,25.

INTERCEPTAÇÕES TELEFÔNICAS COMPROVAM FRAUDES

Além da coleta de documentos e extratos bancários, o MPF, a CGU e a PF também fizeram uso de interceptações telefônicas para destrinchar o modo operacional da quadrilha. Em dado momento de uma gravação telefônica, dois integrantes da quadrilha fazem piada quanto ao fornecimento de alimentação de péssima qualidade para a merenda escolar, a fim de subsidiar o desvio de verba.

Fonte: Ubatã Noticias

COMPARTILHE