Transferência de Policial Civil para Eunápolis pode ser perseguição política. Quem pediu a cabeça de Robson?

Robson Evangelista I Foto: Reprodução/WhatsApp

Continua sendo um mistério para amigos, colegas de trabalho, delegados e admiradores do trabalho do agente da Policia Civil Robson Evangelista, sua transferência para a cidade de Eunápolis. Robson era lotado na DT da cidade de Uruçuca. Na última quarta-feira (13/9), foi publicada no Diário Oficial do Estado da Bahia, a transferência do Policial Civil para a 23ª Coordenadoria de Polícia Civil em Eunápolis. Delegados e colegas de trabalho do policial, além do prefeito da cidade de Uruçuca, Moacyr Leite (DEM), foram pegos de surpresa com a triste notícia, já que por onde passa Robson faz um bom trabalho no combate ao crime. Nem o Coordenador de Eunápolis (Drº Moisés Damasceno), e muito menos o Coordenador de Ilhéus (Drº Evy Paternostro), souberam explicar o motivo da referida transferência. Robson Evangelista, conhecido popularmente na região como Neguinho estará se apresentando na delegacia de Eunápolis na quinta-feira (21/9). Policial competente com muita experiência no combate ao crime. Robson não responde a nenhuma Sindicância, Processo Administrativo e muito menos a processos na Justiça comum. Robson Evangelista é filiado ao PT e pode ter sido vítima de perseguição política do próprio partido. Informações ainda não confirmadas, dão conta de que a transferência do agente policial partiu da própria governadoria e não da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP/BA), dando a entender que sua transferência para tão longe tenha “dedo de algum político da região”. O Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia (SINDIPOC), além de Delegados, vereadores, prefeitos da região e amigos do Policial Civil, vão cobrar do Governador Rui Costa (PT), ou quem sabe do Secretário Josias Gomes (PT), uma resposta convincente para tal ato. (Redação: Ubaitaba Urgente)

COMPARTILHE