ITABUNA: POLÍCIA SOLICITARÁ FECHAMENTO DE CLÍNICA E INVESTIGA NOVE DENTISTAS

Delegado Humberto Matos conclui o inquérito em 20 dias.

O delegado Humberto Matos  informou, nesta terça-feira (6), que vai pedir o fechamento de uma clínica odontológica que teria entre os sócios o estudante universitário Paulo Henrico Almeida, de 38 anos, acusado de exercício ilegal da profissão e outros crimes. O policial disse que nove dentistas que trabalham no estabelecimento, que funciona no bairro São Caetano, em Itabuna, também são investigados. De acordo com o delegado, esses nove profissionais são suspeitos de participar de irregularidades e, principalmente, encobrir as ações ilícitas que teriam sido cometidas pelo estudante Paulo Henrico Almeida. O policial afirmou que os dentistas sabiam que o estudante não pode realizar procedimentos odontológicos e existem indícios de que alguns deles atuavam para dificultar a fiscalização do Conselho Regional de Odontologia (CRO). Para o Humberto Matos, existem elementos que possibilitam o indiciamento de pelo menos dois dentistas por mais de um crime. O policial informou que está investigando os outros sete profissionais que atuavam no estabelecimento que funcionava, segundo ele, de maneira irregular. Com relação à clínica, o delegado disse que pedirá o fechamento porque o estabelecimento não conta com um responsável técnico, como determina a lei.

Além disso, a polícia teria descoberto a mudança no quadro acionário da empresa no meio das investigações sobre as irregularidades denunciadas por mais de uma dezena de pessoas que teriam sido atendidas pelo estudante. Para o policial, a alteração no quadro acionário da clínica odontológica é uma tentativa de evitar possíveis condenações de acusados por diversos crimes. Ele assegura que a clínica foi transferida de nome para uma pessoa que não possui responsabilidade técnica, que não teria condições de administrá-la. O delegado vai representar pelo fechamento do estabelecimento. No último dia 30, o estabelecimento, na Avenida Princesa Isabel, no São Caetano, foi alvo de mandados de busca e apreensão autorizados pela justiça. De acordo com o delegado Humberto Matos, além de exercício ilegal da profissão em Itabuna e Vitória da Conquista, Paulo Henrico é acusado de estelionato, associação criminosa e falsidade ideológica. A polícia deve concluir o inquérito em 20 dias. Do Pimenta

Comente pelo Facebook
COMPARTILHE