GRAVAÇÃO CONFIRMA ‘INTEGRALMENTE’ REVELAÇÕES SOBRE BOLSONARO, APONTA MORO

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

A gravação da reunião ministerial do dia 22 de abril foi exibida, sob sigilo, na Polícia Federal de Brasília no final da manhã desta terça-feira (12). A defesa do ex-ministro Sergio Moro, responsável por indicá-la como prova do interesse de Jair Bolsonaro interferir politicamente no comando da PF, afirmou que as imagens confirmam “integralmente” as revelações.

“Assistimos hoje ao vídeo da reunião interministerial ocorrida em 22 de abril. O material confirma integralmente as declarações do ex-ministro Sergio Moro na entrevista coletiva de 24 de abril e no depoimento prestado à PF em 2 de maio. É de extrema relevância e interesse público que a íntegra desse vídeo venha à tona. Ela não possui menção a nenhum tema sensível à segurança nacional”, afirmou em nota o advogado Rodrigo Sanchez Rios.

O ex-juiz federal afirmou em depoimento no início de maio que Bolsonaro cobrou a substituição do superintendente do Rio de Janeiro e do diretor-geral. O presidente da República também pressionou para ter acesso a relatórios de inteligência e informações sobre a corporação.

De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, Moro assistiu à gravação pessoalmente, ao lado de integrantes da Procuradoria-Geral da República (PGR), advogados, integrantes do governo e da PF.

O ministro Celso de Mello, relator do processo no Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu a cópia do vídeo. O magistrado determinou também a verificação de edição no material ou se foi entregue a versão integral. A decisão sobre tornar a gravação pública ou não só será tomada depois de a PGR assistir ao vídeo e se manifestar quanto ao sigilo.

COMPARTILHE