Ubaitaba: Deivinho foi condenado a “30 anos de prisão” por morte de comerciante

DSC_0343

O jovem Davidson Barbosa Silva Reis, 24 anos, vulgo Deivinho, filho do advogado José Elias Moraes Reis, residente na Rua Edson Martins, 403, 1º andar, bairro da Conceição em Ubaitaba foi condenado a 30 anos de prisão em “regime fechado” pela morte do comerciante Gildásio Coelho Teixeira, proprietário do Restaurante Oriente, localizado na Avenida Presidente Vargas. A decisão foi publicada na última segunda feira (17/11). Deivinho foi condenado pelos crimes de roubo seguido de morte, com pena-base de 22 anos e 06 meses de prisão, porte ilegal de arma de fogo, com pena-base de 02 anos e 06 meses de prisão e corrupção de menores com pena-base de 01 ano e 09 meses de prisão. O menor de 16 anos de idade, que atirou e matou o comerciante já está cumprindo uma medida sócio-educativa em Feira de Santana. O advogado de defesa de Davidson Barbosa Silva Reis foi o próprio pai José Elias Moraes Reis.

Crime

O crime aconteceu na noite do dia 08 de setembro de 2014, dentro do estabelecimento comercial da vítima. A dupla tentou assaltar o comerciante, que foi alvejado com um tiro no peito e morreu logo em seguida. O disparo que matou o comerciante foi efetuado pelo menor, B. A. S, de 16 anos de idade.

IMG-20140908-WA001211

Gildásio foi morto durante um assalto ao seu restaurante.

Deivinho deu a arma para o menor assaltar o comerciante e ficou esperando na esquina. Após matar Gildasio, Deivinho recebeu a arma de volta e ambos fugiram para lados opostos. O ponto de encontro para a devolução da arma e divisão do roubo seria a Avenida Beira Rio. A PM conseguiu elucidar o crime após relatos de testemunhas. Após efetuar a apreensão do primeiro elemento, os policiais foram em busca de Deivinho, que estava na residência do pai, no Centro da cidade.

DSC_0302

Momento em que Deivinho se entrega a polícia.

Os policiais negociaram a rendição do meliante durante toda a madrugada e ele acabou se entregando na manhã do dia seguinte. Gildásio Coelho Teixeira era comerciante há 42 anos no mesmo local onde funcionou antes com Bar e atualmente como Bar e Restaurante Oriente. Ele era casado com Dona Raimunda, pai de 08 filhos e avô de 03 netos. Sua morte repercutiu nos quatro cantos da cidade e revoltou a população.

COMPARTILHE