Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

SOLDADO PRISCO DIZ QUE PM ’EM SURTO’ FOI ASSASSINADO E PROPÕE PARALISAÇÃO EM PROTESTO; ASSISTA

Deputado estadual Soldado Prisco (PSC).
Deputado estadual Soldado Prisco (PSC).

O deputado estadual Soldado Prisco (PSC) protestou neste domingo (28) contra a ação da policial militar que baleou o agente que estava em surto na Barra, em Salvador. Desde o início da tarde, o PM empunhava uma arma e fazia disparos para o alto. Para Prisco, a ação foi truculenta e desnecessária. “Por mim, parava tudo [operação da PM]. O que fizeram não tem lógica. O governo que prega direitos humanos massacrou o policial. O PM estava doente. Não tinha necessidade disso, na Barra, coração de Salvador. O governo tem que ser responsabilizado. Prega direitos humanos e fez isso”, bradou, ao blog Política Livre. Após o vídeo de Prisco circular nas redes sociais, policiais militares fizeram um protesto em frente ao Hospital Geral do Estado (HGE), na noite de ontem, e ameaçaram parar as atividades após o soldado Wesley Soares Góes ser baleado e morto por colegas após ter um surto.

Em vídeo gravado durante a manifestação e obtido por jornais locais, é possível ouvir os policiais gritando que “a PM parou”.  A Polícia Militar ainda não sabe o que motivou o “surto psicótico” do soldado Weslei Soares, que bloqueou por quatro horas a frente do Farol da Barra e acabou sendo alvejado e morto por policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope). Em entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (29), o comandante da PM, coronel Paulo Coutinho, afirmou que não há conhecimento de nenhuma situação que pudesse ter motivado a situação no Farol da Barra. “Estamos todos surpresos e atônitos com o que aconteceu”, disse o comandante.

VOCÊ PODE GOSTAR TAMBÉM

Deixe uma resposta

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do UBAITABA URGENTE. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.