JEQUIÉ É O MAIOR PAUCO DE BATALHAS ENTRE MOTOS E CARROS NA BAHIA

Os olhos do ex-motociclista de 44 anos marejam quando encontram a perna direita arrancada numa quinta-feira que, para ele, prometia ser igual às outras. Mas um adolescente de 16 anos, a bordo de uma caminhonete F-4000, mudou a história de Marcondes Silva. Naquela manhã de 27 de abril de 2006, uma batida o jogou na lista de sequelados da guerra travada no trânsito de Jequié, no Sudoeste da Bahia, onde as motocicletas são os alvos principais. Apontada como a mais violenta cidade baiana para pilotar motos em um relatório apresentado em dezembro de 2010 na Câmara dos Deputados, Jequié teve no primeiro semestre do ano passado 387 acidentes de motos a mais que Salvador. Com a diferença que o município possui 151 mil habitantes; a capital, quase 3 milhões. Os dados foram compilados pela Procuradoria-Geral da República com base em informações dos serviços de saúde estaduais e embasou as críticas feitas contra a regulamentação do serviço de mototáxi. Mas, além do repúdio ao sistema alternativo de transportes, o motivo para os altos índices de acidentes com moto está em duas frentes: o abandono do trânsito pelo poder público e a explosão de ciclomotores na cidade.

Informações Correio da Bahia.

 

COMPARTILHE