OPINIÃO: A DEMOCRACIA ESTÁ EM RISCO COM O DISCURSO DE MORTE DO PRESIDENTE

Por Andreyver Lima

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, participou de manifestação neste domingo (19), em Brasília, em frente ao Quartel General do Exército, onde tinham algumas dezenas de apoiadores, descumprindo a ordem do Ministério da Saúde em relação a evitar aglomeração, que possibilita a proliferação do coronavírus. Em seu discurso, transmitido ao vivo pela rede social, tosse várias vezes e prega um golpe de estado. “Não queremos negociar nada”, afirmou.

Evidentemente que em qualquer democracia você, negocia, dialoga, debate, ouve, concorda ou discorda. Ao dizer que não negocia, que não conversa, ele se refere diretamente ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal. Mais transparente impossível, que o presidente está propondo um golpe de estado. Um governo, sem diálogo com legislativo e judiciário, é ditatorial.

No Twitter, soma-se o seu filho, Carlos Bolsonaro, vereador do Rio de Janeiro, atacando o presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O objetivo foi alcançado, aumentar a polarização entre bolsonaristas e os desafetos do presidente. O termo AI-5 entrou nos trending topics, amplificando a mensagem de retorno dos militares e ataques aos poderes. O Ato Institucional 5, decreto emitido na Ditadura Militar dava ao presidente a prerrogativa de fechar o Congresso e cassar mandatos de políticos.

Em várias cidades do Brasil estão ocorrendo carreatas, incentivadas pelo presidente, propondo a reabertura do Comércio, o que vai levar a uma expansão do coronavírus. É necessário que morram mais brasileiros para que o Congresso Nacional haja?

Nestes tempos, é importante lembrar que na promulgação da Constituição, de 5 de outubro de 1988, o Dr.Ulisses Guimarães disse. “A constituição certamente não é perfeita, ela próprio confessa ao admitir a reforma. Quanto a ela discordar, sim. Divergir, sim. Descumpri-la, jamais. Afrontá-la, nunca. Traidor da Constituição é traidor da Pátria.”

COMPARTILHE