Política







Propina pagou pesquisas para o PT, diz Palocci

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O ex-ministro Antonio Palocci afirmou, em acordo de delação premiada, que um acerto de propinas com a empreiteira Andrade Gutierrez bancou pesquisas eleitorais para o PT em 2010, quando a sigla já havia definido a ex-ministra Dilma Rousseff como candidata à sucessão de Luiz Inácio Lula da Silva. Palocci, que cumpre prisão domiciliar após fechar colaboração com a Polícia Federal, foi coordenador da campanha de Dilma. Segundo ele, o esquema, que teria se estendido até 2012, nas eleições municipais, não tinha por objetivo fraudar as pesquisas, produzidas pelo instituto Vox Populi, e sim ocultar recursos de corrupção em serviços que eram de interesse da campanha do PT. Segundo ele “as pesquisas que não eram favoráveis ao PT eram mantidas sigilosas, ao passo que pesquisas favoráveis eram amplamente divulgadas ao público”.

Os contratos entre a empreiteira e o instituto chegaram a um valor de R$ 11 milhões. O ex-presidente da Andrade Gutierrez Otávio Azevedo, que chegou a ser preso e depois virou delator na Lava Jato, confirmou, em colaboração, os pagamentos ao Vox Populi. A assessoria da presidente cassada Dilma Rousseff disse que Palocci “mente” em seu acordo de delação premiada. Para a defesa de Lula, o ex-ministro trocou parte de seu patrimônio por “mentiras sem provas”. A reportagem não conseguiu contato com o Vox Populi até a conclusão desta matéria. Conteúdo reproduzido do Estadão

COMPARTILHE

À Record, Bolsonaro diz que tem condição de fazer ‘tudo o que falou em Davos’

Foto : Alan Santos/PR

Foto : Alan Santos/PR

A poucas horas de encerrar participação no Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou que, com a colaboração do Congresso Nacional, há condições de implementar no Brasil as medidas anunciadas por ele durante o encontro.  “Tudo que falamos aqui em Davos temos condições de fazer no Brasil, obviamente em grande parte dependemos do nosso Parlamento.

Quero contar com a Câmara dos Deputados e com o Senado para atingirmos juntos nossos objetivos”, disse em entrevista à TV Record. Apesar do disse-me-disse acerca do cancelamento de uma coletiva de imprensa no evento, o presidente avaliou como positiva da participação brasileira no fórum.  Segundo ele, há um clima de otimismo entre líderes políticos e empresários estrangeiros. “Fui procurado por vários líderes e empresários. Todos interessados no Brasil”, ressaltou.

COMPARTILHE

PT critica apoio de Bolsonaro e Trump a Juan Guaidó na Venezuela

Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O reconhecimento do líder da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, como novo presidente da Venezuela por parte dos chefes de Estado dos EUA, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro, foi condenado pela presidente nacional do PT, senadora e deputada federal eleita Gleisi Hoffmann (PR). Na tarde de hoje (23), Gleisi afirmou que o apoio interfere na soberania e na autodeterminação da nação. “Acho mais grave ainda o governo brasileiro se posicionar favorável porque isso leva a uma intervenção, uma intervenção desse tipo, para ser realizada, vai levar à força bruta.

Isso quer dizer que o presidente Bolsonaro vai enviar tropas brasileiras para Venezuela? Com que dinheiro? Colocando em risco a vida dos brasileiros?”, questionou. Gleisi ainda criticou a condução da política externa no governo Bolsonaro. “Não se faz política externa de forma ideológica. Você pode ter crítica, ser oposição, falar que não concorda com a política de determinado país, mas você tem de respeitar a soberania. A soberania é inerente aos países. O país é soberano sobre seu território, seu povo, seus processos”, disse. Conteúdo reproduzido do Metro 1

COMPARTILHE

Mourão reitera Bolsonaro e apoia punição de Flávio

Foto : Antonio Cruz/Agência Brasil

Foto : Antonio Cruz/Agência Brasil

O vice-presidente, Hamilton Mourão, que está atuando como presidente inteiro durante viagem de Jair Bolsonaro a Davos, afirmou que as suspeitas envolvendo o senador eleito Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) devem ser apuradas e que, caso haja comprovação, ele deve ser punido.  “Apurar e punir, se for o caso”, disse ele, de acordo com a Folha, ao ser questionado sobre a declaração de Bolsonaro sobre o filho, feita em Davos, na Suíça.

Bolsonaro havia dito hoje (23), em entrevista à agência Bloomberg, que, caso o filho tenha cometido irregularidades e isso seja provado, ele deverá pagar pelos crimes.  “Se por acaso ele errou e isso for provado, lamento como pai, mas ele terá de pagar o preço por esses atos que não podemos aceitar”, declarou ele.

COMPARTILHE

Decreto de posse não é medida de combate à violência, diz Mourão

Foto: Estadão Conteúdo

O presidente em exercício Hamilton Mourão (PRTB) avaliou nesta segunda-feira (21) que o decreto que facilitou a posse de armas no país não é uma medida de combate à violência. Para o militar, que assumiu o cargo no domingo (20), a iniciativa trata-se apenas do cumprimento de uma promessa de campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro. “Não vejo como uma questão de medida de combate à violência. Vejo apenas, única e exclusivamente, como atendimento de promessa de campanha do presidente e que vai ao encontro dos anseios de grande parte do eleitorado dele”, disse.

Em entrevista à Rádio Gaúcha, o general observou que a proposta sofreu tanto críticas por ser severa como por ser branda. E ressaltou que a virtude dela foi ter ficado em uma espécie de meio-termo. “Ela foi criticada tanto por um lado como pelo outro. Sofreu tiros de tudo o que é lado. Eu acho que a virtude está no meio. E ela foi no meio”, ponderou. Na semana passada, Bolsonaro criticou o que chamou de “falácias” sobre o decreto e disse, em mensagem nas redes sociais, que a pior delas é a de que a iniciativa não resolve o problema da segurança pública no país.

Mourão avaliou ainda que não é possível dizer hoje que há uma possibilidade “concreta” e “real” do Congresso Nacional facilitar também o porte de armas no país. Para ele, ainda é necessário aguardar o posicionamento sobre o tema do novo Poder Legislativo, que toma posse no início do próximo mês e teve um elevado percentual de renovação. “Não conhecemos ainda o posicionamento desse Congresso Nacional que vai iniciar. Eu acho que há uma certa distância em a gente considerar que isso é viável”, afirmou.

PREVIDÊNCIA

Na entrevista, o presidente em exercício voltou a defender a necessidade de mudanças também nas regras de aposentadoria de militares, alterações que encontram forte resistência nas Forças Armadas. Ele disse que o tempo de permanência no serviço ativo deve ser elevado, possivelmente por meio de uma medida provisória. A equipe econômica discute ampliá-lo de 30 para 35 anos. “O tempo de permanência no serviço ativo é um dos pontos que está sendo discutido e que será apresentado pelo grupo militar como uma forma de mitigar o gasto”, disse. “A questão da permanência por 30 anos acho que irá mudar”, acrescentou. Informações: Folhapress

COMPARTILHE

ACM Neto acredita que Renan Calheiros será eleito presidente do Senado, diz revista

ACM Neto

Foto: Reprodução: Hora do Bico

O presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, disse a aliados que o senador Renan Calheiros (MDB) é favorito para vencer a disputa pela presidência do Senado, de acordo com a revista Veja. O DEM lançou o senador do Amapá, Davi Alcolumbre, para a presidência.

No entanto, segundo os aliados, o prefeito soteropolitano avaliou que Alcolumbre só vence se o governo Bolsonaro “entrar pesado” na eleição do Senado. Nos últimos dias, Renan Calheiros tem feito acenos ao Palácio do Planalto para conquistar o apoio. Já se comprometeu a ajudar nas questões econômicas, como na aprovação da reforma da Previdência.

COMPARTILHE

Campanha de Haddad em 2012 foi abastecida com propina de Belo Monte, diz Palocci

Foto : Wilson Dias/ABr

Foto : Wilson Dias/ABr

Em um dos termos de sua delação premiada, o ex-ministro Antonio Palocci diz que a campanha de Fernando Haddad a prefeito de São Paulo, em 2012, foi abastecida com propinas do contrato da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, de acordo com o blog de Fausto Macedo, do Estadão. Palocci relata que o pedido foi feito pelo ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, com o aval do ex-presidente Lula. O dinheiro teria sido repassado pela Andrade Gutierrez, que liderou o consórcio responsável pela construção da usina.

Em 2016, a empresa havia confessado os pagamentos, como colaboradora da Operação Lava Jato. “(Em 2012) recebeu visita de João Vaccari Neto no período de eleições municipais, uma vez que ele desejava saber se havia autorização para se cobrar das empresas do consórcio construtor da Usina de Belo Monte valores a serem empregados na campanha de Fernando Haddad”, diz o ex-ministro. Conforme o o delator, a campanha de Haddad era o “principal projeto municipal do PT” e o “pedido de apoio que originava do próprio Lula”.

COMPARTILHE

Mourão diz que caso de Flávio não é problema do Planalto: ‘Que a lei sirva para todos’

Foto : Antonio Cruz/Agência Brasil

Foto : Antonio Cruz/Agência Brasil

O vice-presidente da República Hamilton Mourão (PRTB) afirmou que não vê dificuldades para o governo Jair Bolsonaro (PSL) mesmo com a crise envolvendo um dos filhos do presidente, o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL). “Pior é a guerra que morre gente”, afirmou ao blog de Andréia Sadi, no site G1.

Mourão ocupa pela primeira vez, a partir de hoje (21), a presidência da República de forma interina. Questionado sobre se a situação de Flávio é difícil para o governo, ele respondeu: “Isso é uma questão de elucidar o caso, se tem crime julgue-se de acordo com a lei e pronto. Qual a grande glória da democracia? A lei. A lei é fundamental no sistema democrático. Mais ainda: Que a lei sirva para todos”.

COMPARTILHE

PT articula CPI para aumentar pressão sobre ex-assessor e família Bolsonaro

Foto : Lula Marques/Agência PT

Foto : Lula Marques/Agência PT

A oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL) discute a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para aprofundar a investigação do caso do ex-motorista Fabrício Queiroz, que trabalhou até o ano passado para o gabinete do senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL) na Assembleia Legislativa do Rio. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o PT tratará do assunto em reunião hoje (21). A ala favorável à CPI na sigla cresce a cada dia, mas ainda busca formas de convencer outros partidos da oposição a abraçar a ideia.

À publicação, a presidente do partido, Gleisi Hoffmann, diz que o Ministério Público do Rio e o governo não se mostram dispostos a levar o assunto às últimas consequências, e por isso é preciso que a oposição no Parlamento entre em campo. Mesmo que a cúpula do Congresso barre a iniciativa, a oposição espera criar desgaste para o clã presidencial. Em dezembro, o presidente admitiu ter feito um empréstimo de R$ 40 mil ao ex-assessor do filho, sem declarar a operação à Receita.

COMPARTILHE

Rui Costa é entrave no PT para apoio da legenda a Maia, diz coluna

Foto : Alexandre Galvão/Metropress

Foto : Alexandre Galvão/Metropress

O governador Rui Costa tem sido um obstáculo no PT em relação ao apoio da legenda a Rodrigo Maia (DEM) na eleição para a presidência da Câmara dos Deputados. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o petista não concorda com o apoio ao parlamentar, que faz parte da mesma sigla do prefeito ACM Neto.

Algumas alas do PT passaram a ter posicionamento contrário a Maia depois que o deputado recebeu o apoio do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro. Como a Bahia foi o estado onde o PT mais elegeu deputados federais no pleito de 2018, a opinião de Rui é levada em consideração.

COMPARTILHE

Família Bolsonaro se cala sobre paralisação de caso Flávio Bolsonaro no SFT

Família Bolsonaro

Foto: Reprodução

Um dia após o ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), suspender as investigações no caso das movimentações financeiras suspeitas que envolvem o senador eleito Flávio Bolsonaro, nem seu pai Jair Bolsonaro e nem seus irmãos Eduardo e Carlos Bolsonaro fizeram qualquer manifestação.

Como pontuado pela coluna de Lauro Jardim no O Globo, a família é conhecida pelos três vorazes tuiteiros. Nenhum deles, porém, fez qualquer manifestação de apoio ao apelidado “zero um” do presidente da República. O último tuíte de Flávio foi no dia 9 de janeiro.

COMPARTILHE

Dilma ‘deu corda’ para Lava Jato implicar Lula, diz Palocci em delação

Dilma 'deu corda' para Lava Jato implicar Lula

Foto: Reprodução

O ex-ministro Antonio Palocci, delator da Operação Lava Jato, relatou que a ex-presidente Dilma Rousseff “deu corda para o aprofundamento das investigações” da operação Lava Jato para implicar o ex-presidente Lula. Segundo Palocci, havia uma “ruptura” entre Lula e Dilma e dois grupos distintos tinham sido formados dentro do PT. Ele diz que a “briga” entre os dois começou com a indicação de Graça Foster para a presidência da Petrobras. A nomeação de Graça, segue Palocci, representava “meios de Dilma inviabilizar o financiamento eleitoral dos projetos de Lula retornar à Presidência”. O ex-ministro relatou que, naquele momento, Dilma tentava se afastar do controle de Lula. ?”Deve ser relembrado que [o ex-presidente da estatal Sérgio] Gabrielli era íntimo de Lula, ao passo que Graça era íntima de Dilma.

Não havia qualquer intimidade entre Lula a Graça e a relação entre Dilma e Gabrielli comportava permanentes atritos.” Palocci afirma que, com o avanço da Lava Jato, a única preocupação de Lula era preservar a própria imagem. Lula “relembrava que Dilma era a presidente do conselho de administração da estatal na época de grande parte dos fatos apurados”. O ex-ministro diz que chegou a perguntar ao ex-presidente: “Por que você não pega o dinheiro de uma palestra e paga o seu tríplex?”. E que Lula teria respondido que um apartamento na praia não caberia em sua biografia. As informações estão em um dos termos de colaboração da delação fechada por Palocci com a Polícia Federal de Curitiba. O depoimento foi anexado ao inquérito da PF sobre a Usina de Belo Monte. Conteúdo reproduzido do Folhapress

COMPARTILHE

Lídice diz que não participará do governo Rui após orientação do PSB nacional

Foto: Reprodução

A senadora e deputada federal eleita Lídice da Mata (PSB) afirmou que o PSB ainda não foi convidado para ocupar nenhuma secretaria na nova gestão do governador Rui Costa (PT). A parlamentar, no entanto, assegurou que a agremiação tem recebido “toda a atenção, generosidade e gentileza” do petista. A pessebista também negou que tenha recebido convite para ser secretária de Justiça e Direitos Humanos, deixando claro que continuará em Brasília por uma orientação da direção nacional do partido. “Nunca houve esse convite. Na verdade, o governador me perguntou se eu admitia a possibilidade de participar do governo. E é claro que, para mim, seria uma honra integrar a equipe do governador Rui Costa. […] No entanto, não posso me pronunciar sozinha. O PSB, nacionalmente, tomou uma decisão de indicar que os deputados federais permaneçam em Brasília” declarou, em entrevista ao programa “Se Liga Bocão”, da rádio Itapoan FM. A pessebista, no entanto, afirma que as conversas com a agremiação continuam.

“O PSB, que se considera integrante desde o início desde projeto ainda com o governador Jaques Wagner, pleiteia estar no secretariado e tem recebido do governador Rui Costa toda a atenção, generosidade e gentileza nas nossas relações políticas. Agora, onde é que o PSB vai estar, quem pode responder é o governador Rui Costa. Que eu saiba, o governador não tomou posição em relação a nenhum partido – pelo menos publicamente”. Indagada se o PSB deveria ter mais participação na gestão de Rui, Lídice brinca: “Se tiver algum partido que disser que não, vai ser estranho. É claro que todo partido deseja ter um espaço maior e o PSB não é diferente dos outros. Nós crescemos”. Atualmente, o PSB comanda a secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), que está sob responsabilidade de Rodrigo Hita.

COMPARTILHE

Suspeito de burlar licitação de quase R$ 6,4 mi em Feira, Zé Ronaldo vira réu

Foto : Reprodução/TV Bahia

Foto : Reprodução/TV Bahia

O ex-prefeito de Feira de Santana e ex-candidato ao governo do Estado, Zé Ronaldo (DEM) virou réu por suspeita de ter burlado a exigência de licitação em um contrato de R$ 6.379.495,62 milhões com a cooperativa Coopersade, em abril de 2013. A denúncia do Ministério Público da Bahia foi aceita pelo juiz Antonio Henrique da Silva da 2ª Vara Criminal de Feira de Santana. A acusação é do promotor Tiago Quadros, que aponta o acordo irregular foi feito como continuidade a um contato emergencial, cuja vigência havia expirado no dia 4 de abril de 2013.

Ele aponta que os “denunciados simularam a realização do processo de dispensa de licitação”. O promotor ainda denunciou o então subprocurador do Município, Cleudson Santos Almeida, e a secretária de Saúde da cidade Denise Lima Mascarenhas.  Quadros informa que Almeida atuava como advogado trabalhista da Coopersade ao mesmo tempo em que trabalhava na prefeitura. De acordo com ele, o então subprocurador emitiu um parecer no qual teria distorcido uma norma estadual para fugir exigências da Lei de Licitações. Conteúdo reproduzido do Metro 1

COMPARTILHE

Bolsonaro assina nesta terça-feira decreto sobre posse de armas, informa Casa Civil

Foto: Reprodução/Google

Foto: Reprodução/Google

A assessoria da Casa Civil da Presidência informou que o decreto que facilita posse de armas será assinado nesta terça-feira (16) pelo presidente Jair Bolsonaro em cerimônia no Palácio do Planalto. A Casa Civil não divulgou o conteúdo do decreto, que após a assinatura será publicado no “Diário Oficial da União”. Flexibilizar os critérios para manter uma arma em casa é uma das promessas de campanha de Bolsonaro. Quando ainda era candidato, ele afirmou em seu plano de governo que pretendia reformular o Estatuto do Desarmamento. O direito à posse é a autorização para manter uma arma de fogo em casa.

Para andar com a arma na rua, é preciso ter direito ao porte. Segundo pesquisa do Instituto Datafolha divulgada em 31 de dezembro, 61% consideram que a posse de armas de fogo deve ser proibida por representar ameaça à vida de outras pessoas. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, chegou a comparar a posse de arma em casa à posse de um carro. Segundo o futuro ministro, permitir que um cidadão possa dirigir nas ruas do país é comparável, em questão de responsabilidade, a autorizar alguém a manter uma arma em casa, em razão do perigo potencial que um veículo pode representar nas mãos de alguém sem habilitação. Conteúdo reproduzido do site G1

COMPARTILHE

Bolsonaro anuncia deputado Major Vitor Hugo como líder do governo na Câmara

Foto : Reprodução/Twitter

Foto : Reprodução/Twitter

O presidente Jair Bolsonaro anunciou hoje (14), em sua conta no Twitter, o deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO) como novo líder do governo na Câmara. A ele caberá articular com as bancadas aliadas a votação de projetos de interesse do Palácio do Planalto.

Estreante no Congresso, Vitor Hugo foi eleito em outubro do ano passado com 31.190 votos, de acordo com a Justiça Eleitoral. Ele é formado em direito pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e, além disso, bacharel em ciências militares pela Academia Militar das Agulhas Negras (Aman).

COMPARTILHE

Governador do RJ diz que envolvidos na morte de Marielle podem ser presos ainda em janeiro

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witze I Foto: Reprodução

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witze I Foto: Reprodução

Após reunião com o secretariado neste sábado (12), o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse que os envolvidos na morte da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes podem ser presos ainda neste mês. O crime ocorreu no dia 14 de março de 2018 e, até o momento, os responsáveis não foram apontados. “O caso Marielle está próximo sim de uma solução. Não tenho atribuição legal para olhar os autos do processo que estão sob sigilo. Só quem pode ter isso são delegados lotados na delegacia com atribuição para investigar. A informação que eu tenho é a que a solução do caso e a prisão dos envolvidos talvez aconteçam até o final deste mês.

Foi só essa informação que eu pedi, porque existe a questão da federalização. Então perguntei ao secretário [da Polícia Civil] a situação do caso, e ele disse que está próximo da elucidação. Agora, quem está envolvido, eu não sei”, declarou o governador. Segundo informações do jornal O Globo, o titular da Delegacia de Homicídios da Capital (DH), Giniton Lages, está cuidando exclusivamente da apuração desses assassinatos. No fim de 2018, um ex-policial militar foi e outros suspeitos de envolvimento no caso foram presos em uma operação contra uma quadrilha de clonagem de carros. Apontado como mandante do assassinato por uma testemunha, o vereador Marcello Siciliano (PHS) foi alvo de um mandado de busca e apreensão na sua casa e gabinete.

COMPARTILHE

MBL cita Lei de Segurança Nacional para representar criminalmente Gleisi Hoffmann

Presidente do PT, Gleisi Hoffmann I Foto: Reprodução/Folhapress

Presidente do PT, Gleisi Hoffmann I Foto: Reprodução/Folhapress

O Movimento Brasil Livre (MBL)  representou criminalmente na Procuradoria-Geral da República a presidente do PT, Gleisi Hoffmann.  A alegação é que ela teria infringido o Artigo 8º da Lei de Segurança Nacional, que afirma que é crime “entrar em entendimento ou negociação com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, para provocar guerra ou atos de hostilidade contra o Brasil”. “A postura da Gleisi como presidente do PT e seu alinhamento com o Nicolás Maduro, bem como as críticas ao Grupo de Lima, ao qual o Brasil é signatário, acentuaram a hostilidade do ditador venezuelano ao governo brasileiro”, diz Rubinho Nunes, advogado e coordenador do MBL.

Gleisi disse, através de sua assessoria de imprensa, que “um dos problemas dos governos antidemocráticos é esse: qualquer fanático age como se fosse um ditador”. Lembrando que a cúpula do PT, boicotou a posse do então presidente Jair Bolsonaro. Segundo nota do PT, o processo eleitoral de 2018 foi descaracterizada pelo golpe do impeachment, pela proibição ilegal da candidatura do ex-presidente Lula e pela manipulação criminosa das redes sociais contra o  ex-candidato Fernando Haddad”. O partido também disse que a ausência na cerimônia era um ato de resistência, em protesto a “discursos e ações que estimulam o ódio, a intolerância e a discriminação. E que não aceitaria que tais práticas fossem naturalizadas como instrumento da disputa política”.  O comunicado foi assinado por Gleisi Hoffmann, presidente do PT. Com informações da Folha de São Paulo

COMPARTILHE

Em nota, Gleisi afirma que eleição na Venezuela foi legítima e constitucional

Gleisi Hoffmann, presidente do PT, justificou sua ida à Venezuela para a posse de Nicolás Maduro com uma nota emitida nesta quinta-feira (10). No comunicado, a deputada afirmou que a eleição no país vizinho foi legítima, constitucional e que o Brasil sempre respeitou os princípios de soberania e solidariedade entre as nações. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

“É inaceitável que se vire as costas ou tente tirar proveito político quando uma nação enfrenta dificuldades. Impor castigos ideológicos aos venezuelanos também resultará em graves problemas imigratórios, comerciais e financeiros para os brasileiros”, disse Gleisi na nota. “O PT estará sempre solidário ao povo, aos que mais precisam de apoio”, completou a presidente petista.

Maduro é acusado por opositores de ter fraudado o resultado das eleições, em maio do ano passado, para um mandato até 2025. Observações internacionais não estavam presentes na Venezuela, além da ausência de diversos líderes opositores nas urnas. Na última sexta-feira (4), o Grupo de Lima assinou um documento em que não reconhece a legitimidade do novo mandato de Maduro. Conteúdo: IstoÉ

COMPARTILHE

PGR pede 80 anos de prisão a Geddel e 48 para Lúcio Vieira Lima

PGR pede 80 anos de prisão a Geddel e 48 para Lúcio Vieira Lima I Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta quarta-feira (9) ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ex-ministro Geddel Vieira Lima seja condenado a 80 anos de prisão e o deputado federal Lúcio Vieira a 48 anos e meio. Os irmãos são acusados pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Dodge reforçou que existem provas de práticas criminosas cometidas pelos acusados entre 2010 e 2017, quando foram apreendidos R$ 51 milhões em um apartamento de Salvador atribuído aos irmãos. A Geddel foram atribuídos oito crimes de lavagem de dinheiro. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), a família repassou R$ 12,7 milhões à Cosbat, uma incorporadora imobiliária criada no modelo de sociedade em cota de participação e gerenciada por Luiz Fernando da Costa. Para viabilizar o aporte financeiro, foram usadas as empresas GVL, M&M e Vespasiano, ligadas a Geddel, Lúcio e Marluce Vieira Lima, mãe dos políticos. As investigações revelaram que os negócios imobiliários tinham como objetivo dissimular a origem dos recursos. A PGR pediu 26 anos de prisão para Luiz Fernando.

Nas alegações finais, Dodge destacou também que houve sucessivas tentativas de adiar a conclusão do caso. “Cada regular ato processual do relator passou a ser questionado com longas petições”, apontou a procuradora. Lúcio, Geddel, Marluce, Luiz Fernando e o ex-secretário parlamentar, Job Ribeiro Brandão foram denunciados em dezembro de 2017, três meses depois da descoberta do dinheiro. Dodge argumentou que parte do montante é resultado de atos de corrupção identificados e investigados em outras frentes como as operações Lava Jato e Cui Bono.  Outra parcela tem como origem o crime de peculato, também já denunciado pela PGR. Conteúdo reproduzido do Bahia Notícias

COMPARTILHE

ACM Neto é intimado em processo movido por Rui no TRE-BA

Foto: Max Haack/Agecom

Foto: Max Haack/Agecom

ACM Neto (DEM) foi intimado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-BA) a apresentar sua defesa em uma ação movida pela coligação do governador Rui Costa (PT). A Ação de Investigação Judicial Eleitoral acusa o prefeito e seu grupo político de cometer suposto abuso de poder na instalação de propagandas institucionais e do BRT de Salvador durante o período da campanha eleitoral de 2018. As campanhas publicitárias, segundo a alegação dos autores, faziam referências a identidade visual da campanha de José Ronaldo ao governo. Segundo o Bahia Noticias, no processo iniciado em outubro, a coligação de Rui pediu, em caráter de urgência, a suspensão dos direitos políticos e inelegibilidade por oito anos do candidato derrotado ao governo José Ronaldo (DEM), da vice Mônica Bahia (PSDB) e dos secretários municipais de Mobilidade, Fábio Mota, Infraestrutura e Obras Públicas, Almir Melo e de Comunicação, Pacheco Maia.

Os autores afirmaram que ACM Neto quis obter vantagem eleitoral com o uso da máquina pública ao instalar, propagandas do BRT na Avenida Antônio Carlos Magalhães (ACM). Na época, o pedido de urgência foi negado pelo desembargador relator Jatahy Fonseca Júnior, mas o processo seguiu no tribunal. A intimação para Neto foi publicada nesta quarta-feira (9) no Diário Oficial do TRE-BA.

COMPARTILHE

Ministro do TCU recebia mesada de R$ 100 mil em propina, diz delator

Ministro do TCU recebia mesada de R$ 100 mil em propina

Foto: Reprodução/Agência Brasil

A delação premiada do ex-presidente da Fecomércio/RJ, Orlando Diniz, detalha pagamentos de propina ao ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Augusto Nardes.  De acordo com trechos da colaboração premiada, divulgados pela coluna de Lauro Jardim, do jornal O Globo, Diniz revelou que, em troca de “procrastinar por um ano” uma investigação contra ele no TCU, Nardes começou a receber uma mesada de R$ 100 mil, entre 2015 e 2016. Segundo a publicação, o ministro recebia as vantagens indevidas em dinheiro vivo. A propina era paga diretamente a ele ou por um intermediário indicado pelo ministro.

Conforme o ex-subsecretário de Transportes do governo Sérgio Cabral, o também delator Luiz Carlos Velloso, o dinheiro de Diniz para Nardes foi levantado por meio  de um contrato fictício com um escritório de advocacia de São Paulo. O delator não chegou a dizer qual empresa é essa, mas Diniz promete detalhar. Vale lembrar que o ministro foi responsável por recomendar a rejeição das contas de 2014 da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) por pedaladas fiscais. O parecer dele, aceito pelo plenário do TCU, acabou por ajudar a pavimentar o impeachment da petista. Logo depois da deposição de Dilma, Nardes comemorou a saída dela.

COMPARTILHE

Ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro incrimina Lula em processo do sítio de Atibaia

Foto : Antonio Cruz / Agência Brasil

Foto : Antonio Cruz / Agência Brasil

A defesa do ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, reforçou, em documento apresentado hoje (7) à juíza substituta da 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná, Gabriela Hardt, acusações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do sítio de Atibaia, em que ele é acusado de receber propina. Com 24 páginas, o documento apresentado diz que os serviços no local “foram executados seguindo as determinações do ex-presidente”.

Além disso, segundo a defesa de Pinheiro, Lula pediu sigilo sobre as obras. No documento, o ex-presidente da OAS ainda apresenta planilhas que indicam verbas destinadas à reforma do sítio. Em valores totais, empreiteiras como OAS e a Odebrecht teriam pago mais de R$ 1 milhão em benfeitorias. Os réus, o que inclui também o próprio ex-presidente têm até o final do dia para apresentar suas últimas manifestações. Após o prazo, a Justiça poderá absolver ou condenar os envolvidos no processo. Conteúdo reproduzido do Metro 1

COMPARTILHE

Justiça marca depoimento da mãe de Geddel Vieira Lima sobre bunker de R$ 51 milhões

Justiça marca depoimento da mãe de Geddel Vieira Lima sobre bunker de R$ 51 milhões

Foto: Reprodução / Redes Sociais

A Justiça Federal de Brasília marcou o depoimento de Marluce Vieira Lima no processo do bunker de R$ 51 milhões, encontrado em um apartamento de Salvador ligado a sua família. A matriarca dos irmãos Vieira Lima irá prestar depoimento no dia 15 de fevereiro.  Marluce é mãe do ex-ministro preso Geddel Vieira Lima e do deputado federal não reeleito Lúcio Vieira Lima, ambos do MDB da Bahia. A matriarca e os filhos respondem pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa.  Segundo a Procuradoria Geral da República (PGR) ao G1, os R$ 51 milhões têm como possíveis origens: propinas da construtora Odebrecht; repasses do operador financeiro Lúcio Funaro; e desvios de políticos do MDB.

A procuradoria também apura se uma parte do dinheiro corresponde a salários de assessores que, segundo a Polícia Federal, era devolvido aos irmãos. Responsável por marcar o depoimento, o juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, considerou o prazo fixado por atestado médico apresentado pela defesa. Marluce Vieira Lima não compareceu ao interrogatório no Supremo Tribunal Federal, marcado para 30 de outubro do ano passado, alegando motivos de saúde, mas agora, será ouvida por videoconferência. Conteúdo reproduzido do site Bahia Notícias

COMPARTILHE

José Ronaldo nega que tenha sido preso pela Polícia Federal

José Ronaldo nega que tenha sido preso pela Polícia Federal

Foto : Tácio Moreira/Metropress

Ex-prefeito de Feira de Santana e ex-candidato ao governo da Bahia, José Ronaldo (DEM) negou que tenha sido preso pela Polícia Federal na tarde de hoje (6). Segundo apurou o Metro1, as informações começaram a surgir nas redes sociais, o que revoltaram o democrata. Em mensagem divulgada a correligionários, Ronaldo promete processar os envolvidos a divulgação das mensagens.

“Tenho uma vida longa e imensa de tranquilidade e respeito ao próximo e à vida pública. Continuarei assim até os últimos dias da vida pública. Fui assim e serei assim enquanto Deus me der vida e saúde. […] Já mandei investigar quais são para abrir um processo contra essas pessoas”, declarou o ex-prefeito.

COMPARTILHE