Política Arquivo

Lula lidera, e 2º lugar tem empate de Bolsonaro e Marina, diz Datafolha

Pesquisa realizada pelo Datafolha sobre intenções de voto para a disputa presidencial de 2018 apontam que o ex-presidente Lula (PT) manteve a liderança, com 29% a 30% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (Rede) e Jair Bolsonaro (PSC). O deputado federal registra tendência de alta. Tinha 8% em dezembro de 2016, passou a 14% em abril e agora aparece com 16%, sempre no cenário em que o candidato do PSDB é o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O tucano, por sua vez, oscilou positivamente em simulações de primeiro e segundo turnos, mas a sua rejeição cresceu para 34%, atrás apenas da de Lula. O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa (sem partido) aparece com 11%, em quarto. Nos cenários testados para eventual segundo turno, Lula ganha de Bolsonaro e dos tucanos Alckmin ou João Doria, prefeito de São Paulo. O petista empata com Marina e com o juiz Sergio Moro (sem partido) na margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Marina vence Bolsonaro, e Ciro Gomes (PDT) empata com Alckmin e com Doria. *Com informações da FOLHA

Marina Silva sonda Cármen Lúcia para ser sua vice em 2018

A ex-ministra Marina Silva, líder da Rede, teria se aproximado da presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, para avaliar a possibilidade de a ministra Cármen Lúcia ser sua vice nas eleições presidenciais de 2018.  As informações são da coluna Radar On-Line, do site da revista Veja, deste domingo (25). Antes, Marina teria falado com o ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, que resiste à ideia de concorrer como candidato em eleições.

MP pede afastamento de prefeito, secretário e assessora de Madre de Deus

Jeferson Andrade (DEM) I Foto: Reprodução/Google

O Ministério Público Estadual entrou com uma ação civil pública pedindo o afastamento imediato do prefeito de Madre de Deus, Jeferson Andrade; do secretário municipal Jibson Coutinho de Jesus; do chefe de Gabinete da Câmara, Adailton Cosme dos Santos; e da assessora Tânia Mara Pitangueira de Jesus. O ex-vereador Anselmo Duarte Ambrozzi também é alvo da denúncia. O grupo é acusado pelas promotorias que integram o Grupo Atuação Especial de Defesa do Patrimônio Público da Moralidade Administrativa (GEPAM) do MP de integrarem um esquema de “enriquecimento ilícito” ocorrido entre 2010 e 2012.  De acordo com as promotoras Rita Tourinho, Célia Boaventura, Patrícia Medrado e Rita Tourinho, foi realizado um acordo em dezembro de 2010, onde o prefeito e os demais envolvidos ondicionaram a eleição da Mesa Diretora da Câmara Municipal ao rateio de verbas públicas entre eles. O MP aponta que o acordo era para que Andrade ocupasse a Presidência da Casa e interinamente o cargo de prefeito, o que se concretizou. De acordo com a denúncia, foi firmado um termo de acordo sobre a criação de cargos comissionados; criação de comissões de 5% relativo a reforma e construção do prédio da Câmara; superfaturamento de contratos; aumento do doudécimo do Legislativo Municipal e distribuição irregular de combustível para os vereadores, dentre outros ilícitos. Na denúncia, os promotores citam que “os vereadores envolvidos no acordo também teriam sido agraciados com quatro viagens por ano, a serem custeadas pelo erário”. Em depoimento ao MP, Jeferson Andrade disse ter tomado conhecimento da acusação há cerca de três meses através das redes sociais. O gestor afirmou também que não se lembra de ter assinado o documento que teria o “termo de acordo” do esquema. No entanto, admitiu que assinou um documento do bloco parlamentar que o lançiu candidato à presidência da Câmara. Andrade também confirmou que a assinatura que consta na peça “é muito semelhante” à sua. O secretário Jibson de Jesus também disse que a assinatura atribuída a si é muito semelhante à sua. O auxiliar da prefeitura, assim como o prefeito, disse se recordar de ter assinado apenas o documento de apoio à candidatura de Andrade. O ex-vereador Anselmo Duarte da Silva contou que só teve conhecimento da acusação após ser notificado pelo MP. O acusado também disse ser a assinatura ser muito semelhante à sua, mas que não teria assinado o termo de acordo do esquema investigado. Anselmo, assim como os demais investigados, afirmou ter assinado o documento de apoio a Andrade. Adailton dos Santos, ex-vereador e atual chefe de Gabinete da Câmara, também disse que a assinatura é “muito parecida” com a sua, mas que não se lembra de ter rubricado o documento da denúncia.   

71,4% dos brasileiros acreditam que Moro condenará Lula

Foto: Montagem/ Bahia Notícias

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva será condenado pelo juiz Sérgio Moro no processo em que é acusado por supostamente receber propina da construtora OAS por meio da entrega de um apartamento tríplex, no Guarujá, litoral de São Paulo. Esta é, pelo menos, a opinião de 71,4% dos brasileiros, de acordo com levantamento divulgado pelo instituto Paraná Pesquisas nesta quarta-feira (21). Na pesquisa, apenas 24,2% dos ouvidos disseram acreditar na absolvição do petista. Outros 4,4% não souberam ou preferiram não opinar. O instituto também perguntou aos participantes se eles acreditam na versão de que Moro persegue o ex-presidente, sustentada pela defesa de Lula. 61,1% dos entrevistados responderam que o juiz não persegue o petista, enquanto 35,9% disseram que Lula é perseguido. Outros 3% não souberam ou não opinaram. A pesquisa ouviu 3.962 brasileiros, por meio de questionários online, entre os dias 12 e 15 de junho. Ela tem taxa de confiança de 95%. A margem de erro é 1,5 ponto percentual, para mais ou para menos.

PF questionou Geddel sobre compra de silêncio e se ele teme delação de Cunha

Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

No interrogatório realizado no início do mês, em Salvador, a Polícia Federal focou seus questionamentos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima em torno da relação dele com pessoas como Michel Temer, Joesley Batista, Eduardo Cunha e Lúcio Funaro. Duas das 29 perguntas procuram saber se Geddel sabia de um eventual interesse do governo federal e de Temer em comprar o silêncio de Cunha e Funaro, que estão presos, e se a J&F Investimentos, grupo que controla o frigorífico JBS, negociou para isso. O documento com as perguntas feitas pela PF foi divulgado nesta quarta-feira (21) pelo blog do jornalista Fausto Macedo. A PF também perguntou ao ex-ministro se ele teme “ser implicado em algum assunto a ser tratado em eventual colaboração premiada” de Funaro ou de Cunha e se Geddel manteve contato com suas famílias depois da prisão. Os dois são especulados como possíveis delatores no âmbito da Operação Lava Jato. O interrogatório aconteceu no dia 8 deste mês na Superintendência da Polícia Federal, e Geddel se negou a responder às perguntas feitas pelo delegado Marcel Ahrungsmann de Oliveira.

Eduardo Salles garante que não vai concorrer à vaga de deputado federal

Não há a menor possibilidade que eu dispute o cargo de deputado federal em 2018. Repito: nenhuma possibilidade! Estou realizado como deputado estadual e, caso a população baiana entenda que mereço representá-la mais quatro anos na Assembleia Legislativa, colocarei meu nome à disposição no próximo pleito para renovar o mandato. Reconheço a importância dos parlamentares federais, mas meu perfil político e profissional serve melhor à Bahia como deputado estadual. Gosto de prestar serviços e estar presente na vida dos municípios, algo mais difícil no exercício da atividade do deputado federal. É muito bom ser lembrado pelo trabalho que nosso grupo político, liderado pelo ex-prefeito Jabes Ribeiro, fez e faz em Ilhéus. Mas quero deixar claro que não serei, em hipótese alguma, candidato a deputado federal. Porém, aceito, com muita honra, fazer a dobradinha com Cacá Colchões: ele para deputado federal e eu para deputado estadual. Apenas nesta condição. Tenho convicção que desta forma poderíamos ajudar muito Ilhéus. (Ascom – Dep. Eduardo Salles)

Davidson Magalhães articula mais emprego e renda para Itapitanga

Para aumentar a geração de emprego e renda no município de Itapitanga, o deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB) articulou audiência entre o vereador Joel Fernando e a Secretaria de Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre). “Itapitanga precisa de mais postos de trabalho, precisa de ações que gerem mais renda para a população. Estamos nos empenhando para isso”, definiu o deputado. Uma das iniciativas, ainda em estudo, é montar uma cooperativa de coleta seletiva e reciclagem de lixo na cidade. “Estamos buscando o desenvolvimento do município, que é um dos mais pobres da Bahia”, disse Joel. Outro pedido do vereador foi a reativação da Indústria Cidadã, cujo prédio precisa de reforma. “O Governo do Estado tem feito um esforço grande para abrir postos de trabalho. Estamos nos empenhando para que nosso povo possa tirar seu sustento a partir de novos empregos, ou com programas de geração de renda”, afirmou a secretária Olívia Santana. Itapitanga também deve receber cursos profissionalizantes, a partir do programa Qualifica Bahia. A audiência serviu ainda para debater a prática esportiva no município. De acordo com Joel Fernando, o gramado do Estádio Lourival David dos Santos, o “Lourão”, precisa de uma requalificação. A Setre definiu que vai enviar um técnico ao local, para verificar o que deve ser feito. (Ascom/Davidson Magalhães)

Ex-prefeita de Ibicaraí é condenada à prisão

Foto: Reprodução

O juiz federal Raimundo Bezerra Mariano Neto condenou a ex-prefeita de Ibicaraí, Monalisa Tavares, a dois anos de prisão e multa. Este foi o resultado de uma ação do Ministério Público Federal de 2014. Além dela, foram condenados a secretária de Administração e Finanças e o chefe de licitações. A pena, que seria cumprida em regime aberto, foi convertida em multa de 10 salários mínimos. Os três condenados fraudaram duas licitações de combustível em 2007 e duas em 2008, lesando o município em mais de R$ 2 milhões. O “vencedor” em todas foi o posto Caires. Monalisa já tinha uma condenação federal, baseada em investigações da Polícia Federal na Operação Vassoura de Bruxa, por fraude em licitações desde 2008. A pena também tinha sido de dois anos de prisão e multa. A pena foi convertida em prestação de serviços à comunidade e doações a instituições sociais. A ex-prefeita recorreu.

STF determina prisão domiciliar de Andréa Neves e adia pedido de prisão de Aécio

Foto: Reprodução

A prisão preventiva da irmã do senador Aécio Neves, Andrea Neves, também foi substituída por prisão domiciliar, por determinação da 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). Anteriormente, a Turma determinou a transformação de prisão preventiva em domiciliar do ex-assessor de Zezé Perrela, Mendherson Souza Lima, operador de Aécio Neves no recebimento de dinheiro da JBS. A prisão domiciliar também foi decretada para o primo de Aécio, Frederico Pacheco. Na semana passada, o STF manteve a prisão de Andrea por risco de intervenção nas investigações. O pedido de prisão do senador Aécio Neves foi adiado pelo relator do caso, ministro Marco Aurélio. A defesa do senador afirma que o pedido de prisão deve ser julgado no plenário do STF e não na turma.

Aécio Neves diz a amigos que deve ser preso na próxima terça-feira

Aécio Neves (PSDB) I Foto: Reprodução

O senador Aécio Neves (PSDB) está convicto de que será preso na próxima semana. De acordo com a coluna Radar, da revista Veja, Aécio confessou a amigos que deverá ser preso na terça-feira da semana que vem, quando a 2ª Turma do STF julgará o pedido de prisão feito pela PGR (Procuradoria-geral da República). A mesma turma decidiu manter na cadeia a irmã de Aécio, Andrea Neves, e a decisão mais provável é que mande o irmão para atrás das grades. O Ministério Público denunciou o tucano por corrupção ativa e obstrução da Justiça. Ele é acusado de atuar junto com Michel Temer para barrar a Operação Lava-Jato.

MPF denuncia os deputados estaduais Carlos Ubaldino e Angela Sousa

O Ministério Público Federal (MPF) denunciou os deputados estaduais, pela Bahia, Carlos Ubaldino de Santana e Angela Maria Correa de Sousa; o então prefeito do município de Ruy Barbosa (BA), José Bonifácio Marques Dourado; o empresário Kells Belarmino e mais nove pessoas pela prática de crimes capitulados na Lei nº 12.850/2013, que define a Organização Criminosa (Orcrim). A denúncia é um desdobramento da Operação Águia de Haia da Polícia Federal, que investiga desvio de verbas públicas do Fundo de Manutenção da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais de Educação (Fundeb) em aproximadamente 20 municípios baianos. O MPF pede a reparação por danos morais coletivos no valor mínimo de R$ 10 milhões, a ser pago solidariamente por todos os denunciados, considerando os danos sofridos pela população dos municípios atingidos pela ação criminosa da Orcrim, que deixou de receber melhorias educacionais. O pedido destaca o ambiente sistêmico de desvio, apropriação e propina em 18 prefeituras do estado da Bahia decorrente da atuação da quadrilha. A quadrilha atuou por aproximadamente seis anos e realizou contratações desnecessárias e superfaturadas no valor global de R$ 43.150.000,00, causando prejuízos vultosos aos cofres públicos que estão especificados em cada uma das denúncias já apresentadas no âmbito da Operação Águia de Haia.

MODO DE ATUAÇÃO – O esquema envolvia diversos municípios do estado da Bahia e era liderado, em seu núcleo empresarial, por Kells Belarmino. A Orcrim contava com a participação do prefeito de cada município que aderiu ao esquema, do secretário municipal de Educação e dos servidores municipais que atuavam na área de licitação para fraudar e direcionar o certame às empresas de Kells Belarmino, em troca de benefício econômico indevido. A Orcrim reuniu prefeitos e servidores públicos de aproximadamente 20 municípios para a prática dos crimes de 2009 a 2015, por meio de contratações montadas de serviços educacionais e pedagógicos de tecnologia da informação e direcionadas às empresas controladas pelo grupo mediante crimes licitatórios, corrupção ativa e passiva, desvio de recursos públicos e lavagem de capitais. A atuação da Orcrim na Bahia estava dividida em dois núcleos. O núcleo empresarial era liderado por Kells Berlarmino e integrado pelo próprio Kells, por sua companheira Fernanda Cristina Marcondes, Marconi Edson Baya, Rodrigo Seabra Bartelega de Souza, Maycon Gonçalves Oliveira dos Santos e Tiago Cristiano Baya de Souza. O núcleo se encarregou de fornecer os elementos necessários à fraude dos certames licitatórios e produzir relatórios que aparentassem a execução contratual, o que efetivamente não ocorreu, além de operar o esquema de desvio de recursos públicos e pagamento de “propinas”. O núcleo político aliciava prefeitos e servidores públicos municipais para participarem do esquema, o que permitiu o direcionamento de licitações em, pelo menos, 18 municípios. Esse núcleo era comandado pelo deputado estadual Carlos Ubaldino Santana e era composto pelo ex-prefeito de Ruy Barbosa (BA) José Bonifácio Marques Dourado; o filho dele Kleber Manfrini de Araújo; pela deputada estadual Ângela Maria Correia de Souza; pelo ex-prefeito de São Domingos (BA) Izaque Rios da Costa Júnior, além de André Souza Leal, Denivaldo Muniz Lopes Junior e por Benício Ribeiro. Os recursos do Fundeb que sobravam das contratações superfaturadas eram divididos entre os integrantes da organização criminosa e também utilizados para o pagamento sistemático de propinas a prefeitos e servidores públicos municipais envolvidos no esquema. A denúncia aguarda recebimento pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).

Ex-prefeito de Nova Viçosa é denunciado ao MP por irregularidades em licitações

Foto: Reprodução / Bahia Extremo Sul

O ex-prefeito de Nova Viçosa, no extremo sul baiano, Márvio Lavor Mendes, terá de pagar multa de R$25 mil, do próprio bolso, por irregularidades em licitações em 2015. As contratações se referiam a serviços de limpeza pública pelo valor de R$ 2.017.862,56, vencidas pelas empresas H.S. Prestação de Serviços e TRRR Saneamento e Gestão Ambiental. Por conta disso, o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) denunciou o caso ao Ministério Público Estadual (MP-BA). A medida foi tomada na sessão desta quarta-feira (14). Segundo o TCM, houve irregularidades nos procedimentos adotados pelo gestor, principalmente em relação a irrazoabilidade dos gastos com o lixo. Anda cabe recurso da decisão.

Paulinho da Força perde os direitos políticos

A desembargadora do Tribunal Regional da 3ª Região Consuelo Yoshida determinou a suspensão dos direitos políticos do deputado federal Paulo Pereira da Silva (SD-SP), Paulinho da Força Sindical, por improbidade na utilização dos recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). De acordo com denúncia do Ministério Público Federal, o parlamentar, como presidente da central sindical, contratou a Fundação João Donini sem licitação, para ministrar cursos profissionalizantes para desempregados e pessoas de baixa renda utilizando recursos do FAT. Com informações do Estadão

Planalto teme pressão sobre Geddel Vieira Lima

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) I Foto: Ubaitaba Urgente

O Palácio do Planalto já trabalha com a possibilidade de o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) ser o próximo alvo da Polícia Federal e da Procuradoria-Geral da República (PGR) em investigações. Interlocutores do presidente Michel Temer dizem que ele tem sido “atacado” com o objetivo de desestabilizar o governo. Nesta semana, o ex-ministro foi intimado a depor como testemunha no inquérito ligado a Temer. Geddel é investigado pelo suposto recebimento de “vantagens não contabilizadas” da construtora Odebrecht em campanhas eleitorais em 2006 e 2014. Os pagamentos, segundo o Ministério Público Federal (MPF), tinham como contrapartida o apoio de Geddel à aprovação de medida provisória e em contratos referentes ao Transporte Moderno de Salvador II (TMS II). A investigação foi aberta com base em delações premiadas de três ex-executivos da Odebrecht: Marcelo Odebrecht, herdeiro do grupo, Cláudio Melo Filho e João Antonio Pacífico Ferreira. O caso foi encaminhado em abril para a Justiça Federal na Bahia, com cópia para a Procuradoria da República no Estado, porque o ex-ministro não tem mais foro privilegiado. Geddel deixou o governo em novembro do ano passado após denúncias de que teria pressionado o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero a liberar a construção de um prédio nos arredores de uma área tombada, em Salvador. Geddel foi questionado no fim de maio pelo Estado sobre a hipótese de fazer delação. “Isso é uma canalhice, um desrespeito, uma indignidade”, disse ele àépoca. Agora, ele afirmou que não comentaria. O advogado de Geddel não foi encontrado. O Planalto também avalia que há a possibilidade de os ministros Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Eliseu Padilha (Casa Civil) também serem alvo da PGR e da PF.

Lula diz que será candidato para voltar a ver uma sociedade mais igual

Lula (PT) I Foto: Reprodução/Google

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se apresentou mais uma vez como candidato do PT nas próximas eleições presidenciais em evento de posse da nova direção do partido no Estado de São Paulo neste sábado (10) na Assembleia Legislativa. “Se o PT deixar, serei candidato para voltar a ver uma sociedade mais igual”, afirmou. Lula disse ainda quer o partido tem que “voltar a falar com aqueles que se afastaram por nossos erros”. ” E completou que não precisa de todas as pessoas para ganhar. “Só preciso de 50% mais um”. Lula também fez menção a seus adversários políticos e sugeriu que estão enfraquecidos, como o senador Aécio Neves (PSDB), alvo das recentes delações da JBS. “O Aécio nem está mais fazendo discurso, eu estou aqui. Olhem a diferença.” Em discurso, ele exaltou as realizações sociais e econômicas da legenda e disse que o Brasil “nunca precisou tanto do PT como agora”. Sobre o possível enfraquecimento do partido, ele refutou. “O PT continuará de pé mesmo com todos os ataques. Tivemos uma derrota muito grande na disputa para prefeito em 2016. Manchetes de jornal diziam que PT tinha acabado, mas tenho paciência”. Com informações do Estadão