Política







Ex-presidente Lula é denunciado na Lava Jato por caso envolvendo sítio em Atibaia

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) I Foto: Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado novamente pela Operação Lava Jato nesta segunda (22). Atingindo a quarta denúncia na força-tarefa, a atual ação do Ministério Público acusa o petista de corrupção e lavagem de dinheiro no sítio de Atibaia (SP). De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, outras 12 pessoas foram denunciadas. Entre elas, Emílio e Marcelo Odebrecht; Leo Pinheiro, da OAS; o pecuarista José Carlos Bumlai e Fernando Bittar, proprietário formal do sítio. A denúncia afirma que o ex-presidente se beneficiou de R$ 1,02 milhão em benfeitorias no sítio. O montante teria sido advindo de contratos das empreiteiras na Petrobras e repassado como vantagem ilícita a Lula. A Procuradoria acredita que o sítio pertence a Lula.

COMPARTILHE

OAB decide apresentar à Câmara pedido de impeachment de Michel Temer

O Conselho Federal da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) decidiu na madrugada deste domingo (21) apoiar o impeachment do presidente Michel Temer e formular pedido a ser protocolado na Câmara dos Deputados. Formado por bancadas com representantes dos 26 Estados do país e o Distrito Federal, o Conselho decidiu fazer uma reunião extraordinária, na sede da instituição, em Brasília, diante dos fatos da última semana. Antes das deliberações deste sábado, a maior parte das bancadas já havia se posicionado pela cassação do presidente. Em geral as bancadas expressam a opinião das seccionais da OAB nos estados. Ao todo, 25 bancadas decidiram pelo impedimento do presidente. O Amapá votou contra. Acre não compareceu. O presidente Michel Temer já possui ao menos oito pedidos de impeachment protocolados na Câmara. A OAB montou uma comissão com quatro conselheiros para analisar os documentos divulgados na última quinta-feira pelo STF (Supremo Tribunal Federal), sobre a delação dos irmãos Batista, donos da JBS. A delação serviu de base para abertura de inquérito contra o presidente no STF. No início da tarde de sábado, o presidente Temer discursou à nação e buscou descreditar o delator.

COMPARTILHE

Gravação de Joesley Batista com Michel Temer tem cortes, avaliam peritos

A gravação feita entre o empresário Joesley Batista e o presidente Michel Temer pode ter sido editada. Peritos ouvidos pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo avaliam que o áudio possui cortes. No entanto, as partes mais relevantes estariam intactas, a exemplo do momento em que o dono da JBS fala do relacionamento com Eduardo Cunha e Temer respondeu “Tem que manter isso, viu?”. Assim como no trecho em que o presidente ouve de Joesley que está manipulando a Justiça. Peritos contratados pela Folha concluíram que a gravação sofreu mais de 50 edições ou interrupções, mas não é possível saber o que as provocou. O perito contratado pelo jornal Estado de S. Paulo avaliou que houve 14 cortes na conversa entre Temer e Joesley. Nesta sexta-feira (19), o advogado criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira disse que o governo tem “informações seguras” sobre a existência de adulterações e montagens no áudio da conversa. Amigo do presidente há 40 anos, Mariz se reuniu com Temer na noite de ontem e nesta sexta, em Brasília, e vai assumir a defesa dele.

COMPARTILHE

Para Bebeto Galvão, renúncia de Temer causará menos trauma ao país

Bebeto defende renúncia de Temer como medido menos traumática.

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB). A decisão se baseia em imagens e áudios colhidos com a ajuda de Joesley Batista, um dos proprietários da JBS. O peemedebista teria estimulado o pagamento de propina em troca do silêncio ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB), que está preso. Diante da crise política instaurada ontem pelas informações do jornalista Lauro Jardim (O Globo), o deputado federal Bebeto Galvão (PSB-BA) acredita que a renúncia de Temer seria o caminho menos traumático para o Brasil. “A renúncia causará menos trauma à economia e ao país. Seria um procedimento político célere”, disse o parlamentar, na tarde desta quinta-feira (18), em conversa por telefone com o Blog do Gusmão. O deputado está em Brasília. Viu a notícia das gravações provocar uma “hecatombe política” na capital do país. Não tem dúvidas de que os pagamentos aconteceram com a “aquiescência direta do presidente da República”. Segundo Bebeto, o “medo” de eventual delação de Cunha levou o núcleo do Planalto a estimular a “operação abafa”. Caso Temer insista em permanecer no cargo, poderá responder a pedidos de impeachment. Pelo menos três já foram apresentados ao Congresso Nacional. Outro caminho para o afastamento do presidente, aponta Bebeto, leva o caso ao Supremo Tribunal Federal. Nessa hipótese, a corte decidiria se Michel Temer cometeu “crime de responsabilidade de obstrução à Justiça”, explica. Ainda segundo o deputado do PSB, a permanência de Michel Temer no cargo ameaçaria as investigações em curso. Por outro lado, na sua opinião, uma escolha indireta do novo presidente “aprofundaria a crise” e “aumentaria a força corporativa do Congresso”. Ele é a favor da proposta de emenda constitucional que pode antecipar a eleição do próximo presidente. Defende essa posição dentro do PSB. Só “uma eleição direta poderia pacificar o país”, pois é necessário devolver o poder ao povo, “o senhor das decisões”, argumenta. Com informações do Blog do Gusmão

COMPARTILHE

Lula e Dilma tinham US$ 150 milhões em conta de propina da JBS, diz Joesley

O dono da JBS, Joesley Batista, disse que transferiu para contas no exterior US$ 70 milhões destinados ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais US$ 80 milhões em conta, também no exterior, em benefício da ex-presidente Dilma Roussef. Os montantes, afirmou, foram enviados por meio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega e usados gastos “tudo em campanha”. Joesley falou que tanto Lula quanto Dilma tinham conhecimento dos repasses. A declaração foi dada por Joesley em 3 de maio de 2017 na sede da Procuradoria Geral da República, em Brasília. “Teve duas fases, a do presidente Lula e teve a fase da presidente Dilma”, disse. “Na fase do presidente Lula chegou a US$ 80 milhões de dólares, na fase da presidente Dilma chegou a uns US$ 70 [milhões]. Ou ao contrário: US$ 70 [milhões] na do Lula e US$ 80 [milhões] na da Dilma.” Joesley disse que inicialmente não tinha se dado conta de que os valores eram destinados às campanhas eleitorais de Lula e Dilma. Ele afirma ter percebido quando, ainda segundo ele, Guido pediu a abertura de uma segunda conta, em nome do próprio empresário. “Foi aí a primeira vez que eu desconfiei que o dinheiro não era dele [Guido]”. “Quando terminou o governo Lula, ele falou: agora tem que abrir outra conta. Essa conta é da conta do Lula. Essa aqui.. tem que abrir uma para Dilma”, disse. Fiz uma pergunta pra eles sabem disso? Lula sabe disso, Dilma sabe ? Não, sabe sim, eu falo tudo pra eles”.

COMPARTILHE

Planalto desconfia que gravação da JBS foi editada e envia áudio a peritos

O Palácio do Planalto decidiu enviar o arquivo da gravação feita pelo empresário Joesley Batista para peritos. Auxiliares de Michel Temer desconfiam que a conversa foi editada, de acordo com a colunista Mônica Bergamo. Se for comprovada a montagem, o governo deve reforçar a ideia de que o presidente foi vítima de uma “conspiração”, conforme dito pelo peemedebista a aliados logo que os áudios foram divulgados. O Planalto ainda deve reforçar o discurso de que o grampo foi ilegal, feito sem autorização da Justiça, e questionarão a Procuradoria-Geral da República. Joesley Batista, da JBS, gravou uma conversa em que Michel Temer compactua e estimula a compra do silêncio de Eduardo Cunha, e o ouve revelar suas tentativas de obstrução à Justiça.

COMPARTILHE

Temer e Aécio agiram ’em articulação’ para deter a Lava Jato, afirma Janot

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirma que o presidente Michel Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) atuaram “em articulação” para impedir o avanço da Operação Lava Jato. Segundo informação do portal G1, a afirmação consta da decisão do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF) pela abertura de inquérito contra Temer, Aécio e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), a partir da delação de executivos da JBS. A decisão foi divulgada nesta sexta-feira (19). “Além disso, verifica-se que Aécio Neves, em articulação, dentre outros, com o presidente Michel Temer, tem buscado impedir que as investigações da Lava Jato avancem, seja por meio de medidas legislativas, seja por meio de controle de indicação de delegados de polícia que conduzirão os inquéritos”, afirma Janot, acrescentando que, neste caso, vislumbra-se a possível configuração do crime de obstrução de Justiça. No pedido, a Procuradoria afirma que o senador teria “organizado uma forma de impedir que as investigações [da Lava Jato] avançassem por meio da indicação de delegados que conduziriam os inquéritos, direcionando as distribuições”.

COMPARTILHE

Ex-prefeito preso por manter escopeta em casa é solto após fiança de R$ 90 mil

Após ser preso pelo fato de policiais encontrarem uma escopeta em um imóvel, o ex-prefeito de Itagimirim, na Costa do Descobrimento, Rogério Andrade foi liberado nesta quinta-feira (18). O ex-gestor pagou uma fiança de R$ 90 mil e para ser solto. Um ex-secretário da prefeitura de Itagimirim, Rilson Neres, continua preso nesta sexta-feira (19) por portar um fuzil 762, arma de calibre restrito, o que configura crime inafiançável. Rogério Andrade, Rilson Neres e os ex-secretários Rafael Amaral, Sérgio Murilo e Wesley Gonçalves, foram conduzidos coercitivamente na quarta-feira (17) para a delegacia de Eunápolis, em uma ação do Ministério Público com apoio da Polícia Civil. Eles são acusados de peculato [desvio de dinheiro público]. Os policiais também cumpriram mandados de busca e apreensão em casas do prefeito, que é fazendeiro, e de ex-secretários. Segundo o site Radar 64, até uma cadeira que servia ao gabinete do então prefeito foi apreendida na operação.

COMPARTILHE

Delação da JBS também cita Lula, Dilma, Renan e Serra, diz colunista

Depois do impacto devastador sobre o presidente Michel Temer (PMDB), a delação dos donos da JBS – os irmãos Joesley e Wesley Batista – recairá também sobre os ex-presidentes Luis Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB) e o ex-chanceler e ex-presidenciável José Serra (PSDB), segundo a colunista Eliane Cantanhêde, do Estadão. As informações devem vir à tona nesta sexta-feira (19) com valores estratosféricos, citação de nomes que até então estavam ilesos e com desdobramentos parecidos ou ainda mais danosos que os da Odebrecht. A diferença é que os irmãos Batista estão há meses gravando seus interlocutores e pautando os monitoramentos da Polícia Federal.

COMPARTILHE

Geddel era ligação entre dono da JBS e Michel Temer

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: Ubaitaba Urgente

O ex-ministro Geddel Vieira Lima foi apontado, na gravação feita pelo dono da empresa JBS, Joesley Batista, como a “ponte” entre o presidente Michel Temer e a empresa. No áudio, Joesley destaca que “Geddel sempre estava ali”. “Mas Geddel também, com esse negócio, eu perdi o contato porque ele virou investigado, agora eu não posso também. Eu não posso encontrar com ele”, explica o empresário ao presidente durante o diálogo. Temer concorda com o dono da JBS, afirmando para ele “ir com cuidado” porque isso poderia figurar “obstrução da Justiça”. O empresário, então, questiona qual seria a melhor forma de falar com o presidente, uma vez que por intermédio de Geddel estaria mais difícil. O homem apontado por Temer para fazer essa transição seria Rodrigo da Rocha Loures, presidente da Fiep. “Se for alguma coisa que eu preciso tratar, falo com Rodrigo. Se for algum assunto desse tipo aí.. marcamos aqui.. Funciona super bem. [Nos encontramos] onze horas, dez e meia.. vem aqui, a gente conversa uns dez minutinhos, meia horinha”, disse Joesley. (Bahia Notícias)

COMPARTILHE

Polícia Federal apreende R$ 2 milhões como parte da Operação Patmos

Foto: Divulgação / Polícia Federal

A Polícia Federal apreendeu nesta quinta-feira (18) R$ 2 milhões como parte de um desdobramento da Lava Jato que foi deflagrado nesta quinta-feira (18). A Operação Patmos tem entre seus alvos os senadores Aécio Neves (PSDB-MG), Zezé Perrella (PMDB-MG) e o deputado Rocha Loures (PMDB-PR), além de pessoas ligadas a eles. A irmã de Aécio, Andréa Neves foi presa em casa, em Belo Horizonte. Além de dinheiro, a PF apreendeu documentos, livros contábeis e fiscais, arquivos eletrônicos e aparelhos de telefone. A Operação Patmos foi autorizada pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). O magistrado expediu 41 mandados de busca e apreensão e 8 de prisão preventiva. Com informações do Bahia Noticias

COMPARTILHE

Aécio Neves deixa comando do PSDB e indica Tasso Jereissati para seu lugar

Aécio Neves (PSDB) I Foto: Reprodução Internet

O senador afastado Aécio Neves emitiu um comunicado na tarde dessa quinta-feira (18) apresentando o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) como seu substituto na presidência do partido. Os deputados do PSDB haviam indicado Carlos Sampaio (PSDB-SP), mas senadores teriam optado por Jereissati. No comunicado, Aécio ainda afirmou que irá se “licenciar” da presidência do PSDB. “Depois de ouvir inúmeros companheiros e seguindo o que determina o nosso Estatuto, estou apresentando à Executiva o nome do senador Tasso Jereissati, do PSDB do Ceará, para assumir nessa interinidade a presidência do partido. “Estou seguro de que, ele fará o partido seguir de forma firme e corajosa sua vitoriosa trajetória”, escreveu Aécio. O senador afirmou que irá se dedicar “diuturnamente” para “provar sua inocência”. “A partir de agora, a minha única prioridade será preparar minha defesa e provar o absurdo dessas acusações e o equívoco dessas medidas”, afirmou. Com informações do Bahia Noticias

COMPARTILHE

BRASIL: ‘Não renunciarei’, brada Michel Temer em pronunciamento à República

Foto: Reprodução/ NBR

O presidente Michel Temer afirmou na tarde desta quinta-feira (18), em pronunciamento em Brasília, que não renunciará ao cargo. “Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos. Exijo investigação plena”, bradou. Ele também negou que tenha autorizado pagamentos para calar Eduardo Cunha na cadeia. “Não solicitei que isso acontecesse. Em nenhum momento, autorizei que pagasse, a quem quer que se seja, para ficar calado. Não temo nenhuma delação. Não preciso de cargo público e de foro especial. Nunca autorizei que utilizassem o meu nome indevidamente”, disse.

COMPARTILHE

BRASIL: Se o Presidente Michel Temer cair, quem assume?

Temer (PMDB) Foto: Ueslei Marcelino / REUTERS

Após a revelação do O GLOBO que Joesley Batista, um dos controladores do frigorífico JBS, gravou o presidente do Brasil, Michel Temer dando aval à compra do silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha, dúvidas sobre quem assume caso o chefe de governo seja afastado circulam na internet. Entenda o que acontece se for confirmado seu afastamento: Caso Temer seja afastado, seu sucessor imediato será o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Se o presidente for considerado culpado, ele deixa o cargo definitivamente, e, segundo a Constituição, devem ser realizadas eleições indiretas, nas quais os parlamentares escolhem o novo presidente. A votação para escolha do possível sucessor de Temer deve ser feita até 30 dias após a saída do presidente do poder. O mesmo acontece se Temer decidir renunciar ao seu mandato. Se as graves revelações sobre Temer fossem reveladas antes do seu mandato completar dois anos — ou seja, antes de dezembro de 2016 —, as eleições seriam diretas, por voto popular, noventa dias após seu suposto afastamento.

COMPARTILHE

Irmã de Aécio Neves, Andrea Neves é presa na região metropolitana de BH

Andrea Neves (PSDB) I Foto: Reprodução

A irmã do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Andrea Neves, foi presa na manhã desta quinta-feira (18) na região metropolitana de Belo Horizonte (MG). A informação preliminar, quando o mandado de prisão foi divulgado, era de que ela estava em Londres e que já havia sido acionada a Interpol. com informações do Bahia Noticias

COMPARTILHE

STF determina afastamento de Aécio Neves e prisão de sua irmã

Aécio Neves (PSDB-MG) e Rocha Loures (PMDB-PR) I Foto: Reprodução

Após a delação premiada dos donos da JBS, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou o afastamento de Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato de senador e de Rocha Loures (PMDB-PR) do mandato de deputado federal. A jornalista Andrea Neves, irmã de Aécio, teve mandado de prisão preventiva autorizada pelo Supremo e não há prazo para a soltura. Segundo o Estadão Conteúdo, para o senador Zezé Perrela (PMDB-MG) foi emitido um mandado é de busca e apreensão. Ainda de acordo com o Estadão Conteúdo, todas as ações foram autorizadas pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF.

DELAÇÃO PREMIADA

Aécio e Rocha Loures são acusados pelo empresário Joesley Batista de pedirem dinheiro. Esses valores foram pagos com notas rastreadas e a entrega filmada. As imagens ainda não foram divulgadas. Na manhã desta quinta-feira (18), os endereços de Aécio Neves e Rocha Loures foram alvo de busca e apreensão em operação montada pela Polícia Federal e Ministério Público Federal (MPF). Ao todo, serão 40 mandados de busca e apreensão. A operação também acontece no Congresso Nacional, em Brasília.

COMPARTILHE

Após gravações, deputados baianos pedem impeachment ou renúncia de Temer

Michel Temer (PMDB) I Foto: Reprodução

A informação de que o presidente Michel Temer foi gravado pelo presidente da JBS, Joesley Batista, dando aval para comprar o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), caiu como uma bomba no Congresso Nacional, em Brasília (veja aqui). Logo após a notícia ter sido divulgada pelo jornal O Globo, as reações foram imediatas em Brasília. Na oposição, deputados baianos ouvidos pelo Bahia Notícias reivindicaram a renúncia de Temer ou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, abra um processo de impeachment contra o peemedebista. “Amanhã, a bancada do PT vai pedir formalmente que o processo de impeachment contra ele, que já existe, seja anexado essas denúncias. O áudio foi entregue pelos donos da JBS. Não há ilações, opiniões. Só há dois caminhos: ou ele renuncia, ou é aprovado seu impeachment”, afirmou o petista Robinson Almeida. Já o também petista Afonso Florence afirmou que “não tem mais condições de Temer ficar na Presidência da República”. “Tudo indica que há provas robustas de Temer agenciando propinas para calar Eduardo Cunha. Quem estava no Plenário foi pedida a abertura do impeachment. Neste caso, ele [Rodrigo Maia] não poderá fugir da responsabilidade de instalar a comissão. Certamente, haverá tramitação. Confirmado o que está sendo divulgado, não tem para onde correr, é motivo para condenação. É uma prova que aqueles que derrubaram Dilma a pretexto de combater a corrupção foi um golpe contra a democracia”, atacou.

COMPARTILHE

PF cumpre mandados judiciais em gabinete de Aécio Neves no Congresso Nacional

Aécio Neves (PSDB/MG) I Foto: Reprodução

Na operação deflagrada nesta quinta-feira (18), a Polícia Federal cumpre mandados judiciais em gabinetes no Congresso Nacional, incluindo o do senador e presidente do PSDB, Aécio Neves (MG). Os mandados foram autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Também são alvos os gabinetes do senador Zezé Perrela (PSDB-MG) e do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Os investigadores confirmaram a prisão de um procurador da República e do advogado Willer Tomaz, supostamente ligado ao deputado cassado e atualmente preso Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de acordo com o site G1. A operação ocorre após a delação do dono do frigorífico JBS, Joesley Batista, que entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) uma gravação do senador Aécio Neves pedindo a ele R$ 2 milhões. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o presidente nacional do PSDB justifica o pedido dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. A informação foi divulgada pelo jornal “O Globo” na quarta-feira (17).

COMPARTILHE

Delator aponta Mantega como intermediário para propinas a parlamentares do PT, diz jornal

O dono da JBS, Joesley Batista, relatou em sua delação premiada à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o ex-ministro Guido Mantega era o intermediário da empresa para o pagamento de propinas a parlamentares do PT. De acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo, o delator informou que existia uma espécie de conta corrente na JBS para o PT. Ele explicou que Mantega negociava aportes para o grupo J&F, holding que controla a JBS, junto ao BNDES. O dinheiro recebido pelo ex-ministro era direcionado para o seu partido. Ainda de acordo com o jornal O Globo, as negociações para a delação premiada dos donos da JBS teve início em março e os depoimentos foram tomados entre abril e maio. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda precisa homologar o acordo com a PGR.

COMPARTILHE

BAHIA: Gualberto pede prisão de governador e Solla responde: bandido grileiro

Dois deputados baianos protagonizaram mais uma cena digna de um ringue no plenário da Câmara dos Deputados, na tarde desta terça-feira (16). João Gualberto (PSDB) subiu ao púlpito para disparar contra o governador baiano Rui Costa (PT) repercutindo a vitória na Justiça que obriga o petista a dizer onde foram aplicados os sete mil quilômetros de estradas anunciados em campanhas publicitárias. Ao comentar isso, utilizou outra vez, as ‘balas’ costumeiras: chamou todos os petistas de ladrões, questionou os investimentos das obras do metrô, contou da judicialização da questão e pediu a prisão de Rui. “Ou o desembargador pede a prisão do Rui Costa ou vai ficar desmoralizada a Justiça. Só existem essas duas opções, não existe outra, colegas deputados: ou se pede a prisão do governador Rui Costa ou se desmoraliza toda a Justiça — o Tribunal de Justiça da Bahia, o STJ e o STF. Vejam que situação, e isso por quê? Devido às mentiras do PT”. O tucano continuou disparando: “Estão dizendo, por exemplo, que querem construir uma ponte ligando Salvador a Itaparica. É mentira! Falam que vão fazer uma ponte, mas dependem do Governo Federal para garantir esse empréstimo feito aos bancos da China. Portanto, eu apelo à Justiça da Bahia agora que dê ordem de prisão para o governador Rui Costa. Parece um absurdo prender o governador. Eu também acho um absurdo, mas tem que prendê-lo para não se desmoralizar a Justiça”, bradou Gualberto. Foi nessa hora que o também deputado Jorge Solla (PT) resolveu que havia-se chegado ao limite do que poderia ‘tolerar’. Quando o tucano desceu da tribuna onde discursou, a confusão foi armada. Solla afirmou em entrevista ao BNews disse que jamais poderia aceitar um “grileiro, bandido acusar um governador que não tem nada que possa justificar uma prisão ou qualquer sanção nestes termos”. “Não admito que um grileiro venha mentir sobre a trajetória de políticos que não botaram um tostão roubado no bolso. Esculhamba o PT, chama todo mundo de bandido, ladrão, mas não apresenta nada. É um discurso vazio, acusação para jogar para a galera. Agora eu posso falar de golpista e chamar ele de grileiro. Porque ele não tem como provar de onde vem tanto dinheiro para ele comprar aqueles terrenos na Praia do Forte. E isso não é segredo para ninguém”, retrucou. Solla continuou na defesa do governador. “Não vou admitir que um bandido, grileiro venha dizer que o governador, que pode ter seus defeitos como qualquer pessoas, mas que não tem nada sua trajetória que possa merecer uma acusação e processo de prisão. Ainda mais partindo de um grileiro”, bradou.

COMPARTILHE

CORRUPÇÃO: Após gravações, deputados baianos pedem impeachment ou renúncia de Temer

A informação de que o presidente Michel Temer foi gravado pelo presidente da JBS, Joesley Batista, dando aval para comprar o silêncio do ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), caiu como uma bomba no Congresso Nacional, em Brasília (veja aqui). Logo após a notícia ter sido divulgada pelo jornal O Globo, as reações foram imediatas em Brasília. Na oposição, deputados baianos ouvidos pelo Bahia Notícias reivindicaram a renúncia de Temer ou que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, abra um processo de impeachment contra o peemedebista. “Amanhã, a bancada do PT vai pedir formalmente que o processo de impeachment contra ele, que já existe, seja anexado essas denúncias. O áudio foi entregue pelos donos da JBS. Não há ilações, opiniões. Só há dois caminhos: ou ele renuncia, ou é aprovado seu impeachment”, afirmou o petista Robinson Almeida. Já o também petista Afonso Florence afirmou que “não tem mais condições de Temer ficar na Presidência da República”. “Tudo indica que há provas robustas de Temer agenciando propinas para calar Eduardo Cunha. Quem estava no Plenário foi pedida a abertura do impeachment. Neste caso, ele [Rodrigo Maia] não poderá fugir da responsabilidade de instalar a comissão. Certamente, haverá tramitação. Confirmado o que está sendo divulgado, não tem para onde correr, é motivo para condenação. É uma prova que aqueles que derrubaram Dilma a pretexto de combater a corrupção foi um golpe contra a democracia”, atacou.

COMPARTILHE

MPF: Foto de Lula e Pinheiro no sítio de Atibaia é anexada em processo

Foi anexado a um dos processos que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva responde na Operação Lava Jato, pelo Ministério Público Federal, uma foto que mostra o petista e o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, juntos no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP).  A imagem faz parte de um relatório da Polícia Federal datado do dia 23 de março, que deve ser analisado pelo juiz federal Sergio Moro. De acordo com as investigações da Lava Jato, o pecuarista José Carlos Bumlai e as empreiteiras OAS e Odebrecht reformaram o imóvel rural, que tem como donos dois sócios de Fábio Luís Lula da Silva, primogênito do ex-presidente, mas que pertenceria ocultamente a Lula. Lula tinha dito em seu depoimento à Polícia Federal, em março de 2016, que teria recebido Léo Pinheiro no sítio uma vez, em um churrasco, ocasião em que a foto pode ter sido feita, conforme o relatório da PF. Com informações do Bocão News

COMPARTILHE

BOMBA! Dono da JBS grava Temer autorizando pagamento pelo silêncio de Cunha, diz jornal

Michel Temer (PMDB) e Eduardo Cunha (PMDB) I Foto: Reprodução

O presidente Michel Temer teve uma conversa gravada na qual ele incentiva a realização de pagamentos a Eduardo Cunha para comprar o silêncio do ex-parlamentar. De acordo com informações divulgadas pelo jornal O Globo nesta quarta-feira (17), o diálogo foi gravado pelo dono da JBS. Joesly Batista teria entregado uma mala com R$ 500 mil ao deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver um assunto da J&F, holding que controla a JBS. Em uma reunião com Temer, o empresário comentou que estava entregando o montante a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro. O pagamento seria uma forma de mesada na prisão para eles ficarem calados. Ao ouvir a informação, Temer incentivou o pagamento: “Tem que manter isso, viu?”. Ainda de acordo com informações do jornal O Globo, Joesley e seu irmão, também dono da JBS, denunciaram o fato em uma delação premiada à Procuradoria-Geral da República. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), ainda precisa homologar o acordo. O senador Aécio Neves (PSDB-MG) também foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley. A Polícia Federal teria filmado a entrega do dinheiro a um primo do parlamentar e descobriu que eles foram depositados numa empresa do senador Zeze Perrella (PSDB-MG).

COMPARTILHE

LULA & MORO: Lula presta depoimento a Sérgio Moro em Curitiba

Começou às 14h18 desta quarta-feira (10) o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações da operação Lava Jato na primeira instância. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da Justiça Federal de Curitiba, no Paraná. O petista é interrogado como réu pela primeira vez no processo sobre o triplex no Guarujá (SP). Por volta das 15h45, já havia transcorrido cerca de metade do depoimento. O juiz já havia feito perguntas e passado a palavra ao Ministério Público Federal (MPF). Perto das 16h30, Moro voltou a fazer questionamentos. Houve uma pausa para ir ao banheiro e já se analisa uma segunda pausa para alimentação. Ainda deve falar a defesa do ex-presidente. Lula desembarcou no aeroporto Afonso Pena por volta das 10h, em um avião particular que partiu de São Paulo. Em seguida, ele foi para um escritório de advocacia, no bairro Boa Vista. De lá, saiu em direção à sede da Justiça, onde chegou às 13h45 – 15 minutos antes do horário previsto para o início da audiência. Também está na capital do Paraná a ex-presidente Dilma Rousseff. Um forte esquema de segurança, com bloqueio de ruas e dezenas de policiais, está montado no entorno da Justiça Federal, no bairro Ahú. Segundo a Secretaria da Segurança Pública do Paraná, cerca de 3 mil profissionais de segurança pública (das esferas municipal, estadual e federal) participam da Operação Civitas. Aproximadamente 1,7 mil PMs atuam em toda a cidade de Curitiba. Com informações do G1

COMPARTILHE