Política







Odebrecht apresenta recibos de doações de R$ 4 milhões ao Instituto Lula

Foto: Reprodução/Folhapress

A Polícia Federal anexou a inquéritos da Lava Jato, na última quinta-feira (21), recibos apresentados pelo empresário Marcelo Odebrecht que indicam doações de R$ 4 milhões ao Instituto Lula. Os recibos referem-se a quatro doações –cada uma de R$ 1 milhão. Também foi entregue uma troca de e-mails entre Odebrecht e executivos da empresa, na qual falam desses repasses. As doações já haviam sido citadas pelo empresário ao juiz Sergio Moro, no depoimento do dia 4 de setembro. Odebrecht afirmou que os valores foram debitados da planilha “Italiano”, que, segundo ele, era uma espécie de conta de propina que mantinha com Antonio Palocci, ex-ministro da Fazenda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo o empresário, os e-mails só foram entregues em agosto deste ano porque não teriam sido encontrados na época em que fechou acordo com as autoridades. À Polícia Federal, Odebrecht afirmou que as cópias dos recibos foram extraídas do computador de Fernando Migliaccio, executivo da empresa, “juntamente com os impressos dos emails, que corrobora que os valores foram efetivamente descontados da planilha italiano, senão não haveria razão para estar de posse dele”. “Italiano disse que o Japonês vai lhe procurar para um apoio formal ao inst de 4m (nao sabe se todo este ano, ou 2 este ano e 2 do outro). Vai sair de um saldo que o amigo de meu pai ainda tem comigo de 14 (coordenar com HS no que tange ao Credito) mas com MP no que tange ao discurso pois será formal”, disse Odebrecht em um dos e-mails trocados com executivos do grupo.

COMPARTILHE

Lula entrega a Moro recibos de aluguel de apartamento

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva entregou ao juiz federal Sérgio Moro os recibos de aluguel do apartamento vizinho ao seu, em São Bernardo do Campo, um dos imóveis pivôs de ação penal pela qual responde na Operação Lava Jato. Os advogados anexaram aos autos contrato da ex-primeira dama Marisa Letícia com Glaucos da Costamarques, dono do imóvel no cartório. O imóvel, no valor de R$ 504 mil, é tratado pelo Ministério Público Federal como suposta propina ao petista. Para a Procuradoria-Geral da República, a Odebrecht custeou a compra do apartamento, em nome de Glaucos da Costamarques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente. Na mesma ação, ele responde por também ter supostamente recebido da empreiteira terreno onde seria sediado o Instituto Lula, no valor de R$ 12,5 milhões. A denúncia da Procuradoria da República sobre o apartamento 121 ainda aponta que propinas pagas pela Odebrecht, no esquema que seria liderado pelo ex-presidente, chegaram a R$ 75 milhões em oito contratos com a Petrobras. A Lava Jato afirma que não houve pagamento de aluguel entre fevereiro de 2011 e pelo menos novembro de 2015. Nesta segunda-feira, 25, a defesa do ex-presidente apresentou documentos que contestam a versão dos procuradores. Em depoimento a Moro, afirmou que o recibo de pagamento do aluguel do apartamento 121, do residencial Hill House, em São Bernardo do Campo, “pode ser pego e enviado” ao juiz federal Sérgio Moro e ao Ministério Público Federal na Operação Lava Jato. O petista prestou depoimento por mais de duas horas em ação sobre supostas propinas da Odebrecht ao ex-presidente. “Mais uma vez a acusação não fez qualquer prova da culpa de Lula ou de que ele tenha recebido qualquer valor proveniente de contratos da Petrobras, afirmação feita na denúncia inclusive para justificar a tramitação da ação na 13ª Vara Federal de Curitiba. Por outro lado, a defesa faz a prova da inocência de Lula, que deverá ser reconhecida por um juiz imparcial e independente”, afirma o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente, ao entregar os documentos a Moro. O advogado João Mestieri, que defende Glaucos da Costamarques, afirmou que não vai se manifestar.

COMPARTILHE

Aprovação a Lula sobe e rejeição a Moro e Bolsonaro aumenta, diz Pesquisa Ipsos

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teve sua taxa de aprovação ampliada em setembro na comparação com o mês anterior, segundo o mais recente Barômetro Político, pesquisa mensal de credibilidade realizada pelo instituto Ipsos, de acordo com a revista Veja. O percentual da população que não concorda com a atuação de Lula caiu de 66% para 59%, enquanto a parcela da sociedade que aprova subiu de 32% para 40%, a maior em dois anos de levantamento – 1% não soube opinar. Ao mesmo tempo, o juiz federal Sergio Moro, que condenou Lula a nove anos e meio de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro e é um dos símbolos da Operação Lava Jato, alcançou uma taxa de desaprovação de 45%, recorde desde setembro de 2015.  As impressões da população foram colhidas entre os dias 1º e 14 deste mês, ou seja, já captam parte do efeito do depoimento do ex-ministro Antonio Palocci, que fez duras acusações a Lula. No dia 6, Palocci afirmou a Moro que o ex-presidente tinha um “pacto de sangue” com a Odebrecht por propinas e que a empresa colocou 300 milhões de reais à disposição do PT no fim do mandato de Lula. Entre agosto e setembro, Lula foi o presidenciável com a maior taxa de aprovação, perdendo apenas para Moro e o apresentador de TV Luciano Huck – os dois negam interesse em disputar o cargo. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à sucessão do presidente Michel Temer (PMDB), acumulou dois reveses no Barômetro Políticodeste mês: o percentual que o rejeita subiu de 56% para 63% (a pior taxa em dois anos) e a parcela que aprova sua atuação caiu de 21% para 19%, dentro da margem de erro de três pontos percentuais para mais ou para menos. O cientista político Carlos Melo, professor do Insper, afirmou, no entanto, que a aprovação e a rejeição a Lula tem um limite porque os grupos que aprovam e desaprovam o ex-presidente têm similaridades entre si. Entre os tucanos, o prefeito da capital paulista, João Doria, ainda é o que tem os melhores índices, apesar de sua credibilidade com a população estar caindo.  No último mês, quando intensificou sua agenda de viagens pelo Brasil com foco na corrida presidencial, Doria viu sua taxa de reprovação passar de 52% para 58% (um ponto abaixo da de Lula) e sua aprovação cair de 19% para 16% – menos da metade de Lula e só três pontos acima do índice positivo do governador Geraldo Alckmin, com quem disputa a indicação do PSDB para a eleição de 2018. Os números do governador paulista oscilaram para baixo no mês passado, dentro da margem de erro. Seu índice de desaprovação passou de 73% para 75% e o de aprovação, de 14% para 13%.

COMPARTILHE

Aprovado projeto de Alice que trata da identidade profissional de radialista

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) da Câmara aprovou, o Projeto de Lei Nº 596/2015, da deputada Alice Portugal, que dispõe sobre a identidade profissional dos radialistas. A matéria torna válida em todo território nacional, como prova de identidade, a carteira de radialistas emitida pelo sindicato da categoria, podendo, em caso de inexistir sindicato, ser emitida por Federação, devidamente credenciada e registrada junto ao Ministério do Trabalho. A deputada Alice, sempre vigilante e em busca de melhorias para os trabalhadores brasileiros, comemora a aprovação e se mantém firme na luta para que a matéria seja aprovada também no Senado, em breve tempo. O projeto foi apresentado para atender aos anseios da categoria que almeja contar com a mesma medida constante da Lei nº 7.084/82, que atribui valor de documento de identidade à carteira de Jornalista Profissional. Outros segmentos também têm o documento de identidade profissional reconhecido em todo o território nacional como prova de identificação, a exemplo dos advogados, a partir da Lei 8.906/94. O projeto da deputada Alice está apensado ao PL Nº 458/2015, que foi aprovado na Comissão nesta manhã. Agora, as matérias seguem para serem apreciadas no Senado Federal. (Ubaitaba Urgente)

COMPARTILHE

Ministro de Temer é hostilizado em Nova York: “canalha, golpista, ladrão do povo brasileiro”

O Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, foi alvo de severo protesto de brasileiros nas ruas de Nova York, nos Estados Unidos, onde acompanhou o presidente Michel Temer em viagem oficial. Meirelles, que participou de encontros com investidores para “vender” o Brasil, enfrentou a fúria de brasileiros contrários ao “Meirelles golpista, banqueiro ladrão, está vendendo o Brasil. Ladrão do povo brasileiro, canalha, golpista. Tira do povo e dá para os bancos. O Brasil não está à venda”, bradaram os manifestantes.

COMPARTILHE

Gastos administrativos caem 10% na Bahia após medidas de austeridade, diz governo

No primeiro semestre deste ano, os gastos com custeio administrativo do governo baiano tiveram queda real de 10% em comparação com igual período de 2014, considerando-se a inflação do período. Segundo o governo, o resultado é em função das medidas de austeridade adotadas desde o início da gestão do governador Rui Costa. Ao reduzir de 27 para 24 o número de secretarias estaduais, cortar dois mil cargos e empregos públicos e instituir uma política de qualidade do gasto público sob a liderança da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz), o atual governo conseguiu conter as despesas com a operacionalização da máquina estadual, mesmo com a inflação acumulada de 23,35% nesses três anos e com a expansão dos serviços públicos, tradicionalmente associada à ampliação do custeio. “É uma luta diária. Estamos vivendo uma crise política e financeira sem precedentes que abala a economia de todo o País. Não adianta ficar lamentando, o segredo é trabalhar. Com trabalho os resultados aparecem”, comentou o governador. O governo ressalta que a Bahia está em segundo lugar no País em volume de investimentos e vem implantando novos hospitais, escolas e equipamentos de segurança pública, além de expandir a infraestrutura com obras de mobilidade urbana, segurança hídrica e combate aos efeitos da seca, entre outras.

COMPARTILHE

Lula vira réu em ação por ‘venda’ de MP para beneficiar montadoras

Luiz Inácio Lula da Silva (PT) I Foto: Reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se tornou réu pela sexta vez, após o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal em Brasília, aceitar denúncia do Ministério Público Federal contra ele pelo crime de corrupção passiva. O petista é acusado de, supostamente, ter participado da “venda” da Medida Provisória (MP) 471, de 2009, que beneficiou montadoras de veículos com incentivos fiscais. Lula já é réu outros cinco processos: três na Lava Jato, um na Operação Zelotes e outro na Operação Janus. Segundo o MPF, a empresa Marcondes e Mautoni Empreendimentos, do lobista Mauro Marcondes Machado, representava os interesses da CAOA( Hyundai) e da MMC Automotores (Mitsubishi do Brasil) e teria ofertado R$6 milhões a Lula e Carvalho. O dinheiro seria para financiar campanhas do PT.  Além de Lula, viraram réus também o ex-ministro Gilberto Carvalho, os lobistas Mauro Marcondes e Alexandre Paes dos Santos, o APS, o ex-conselheiro do Carf José Ricardo da Silva e os executivos das montadoras Carlos Alberto de Oliveira Andrade e Paulo Arantes Ferraz.

COMPARTILHE

Lúcio ‘reaparece’ e diz que Geddel vai se defender nos autos do processo

Lúcio Vieira Lima (PMDB) I Foto: Reprodução

Fora dos holofotes desde a prisão do irmão, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) afirmou nesta terça-feira (19) que o ex-ministro Geddel Vieira Lima  se defenderá nos autos do processo. “Sempre defendi que todo cidadão brasileiro, quando sofre uma acusação, deve ter o benefício da dúvida e o amplo direito de defesa. E é isso que espero do Judiciário brasileiro: que dê a ele o amplo direito de defesa, que será manifestado nos autos”, afirmou em entrevista ao blog da jornalista Andréia Sadi, do G1. Ainda segundo a publicação, o peemedebista se negou a falar sobre uma possível delação premiada do irmão, especulada nos bastidores políticos, ou perguntas relacionadas à prisão do ex-ministro. Ele também negou que tenha conversado com o presidente Michel Temer após a prisão de Geddel e afirmou que não visitou o irmão na prisão.

COMPARTILHE

Delação de Geddel é mais temida pelo Planalto do que denúncia de Janot

O Palácio do Planalto se preocupa atualmente mais com a possibilidade do ex-ministro Geddel Vieira Lima fechar um acordo de delação premiada do que com a última denúncia oferecida pela Procuradoria-Geral da República na semana passada contra o presidente Michel Temer. De acordo com informações do jornal O Estado de S. paulo, auxiliares próximos a Temer avaliam que, nesta segunda acusação formal oferecida pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, por organização criminosa e obstrução de Justiça, ele terá um placar mais favorável do que a primeira — em agosto, quando a denúncia era por corrupção passiva, 263 deputados votaram contra o prosseguimento da acusação. A situação de Geddel, no entanto, é visto pela cúpula do governo como “praticamente incontornável” após a Polícia Federal encontrar R$ 51 milhões em espécie em um apartamento em Salvador, onde foram identificadas as impressões digitais do ex-ministro.

COMPARTILHE

Dinheiro de “bunker” atribuído a Geddel foi acumulado em apenas um ano, diz revista

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: Reprodução

Os R$ 51 milhões encontrados em um apartamento em Salvador e ligados, segundo a Polícia Federal (PF), ao ex-ministro Geddel Vieira Lima começaram a chegar ao imóvel nos últimos 12 meses, de acordo com reportagem da revista Veja. Segundo a publicação, que tentou seguir o rastro do dinheiro, tudo indica que os valores recolhidos pela polícia eram mesmo de Geddel e asseclas. Além disso, detalha a revista, a polícia estima que a soma tenha sido acumulada ao longo de apenas um ano. A dúvida é se os recursos vinham sendo obtidos há um ano ou se apenas foram transferidos para o apartamento nos últimos 12 meses. No entanto, informa a revista, a PF não tem dúvidas de que o imóvel funcionava como um banco clandestino. “Diversos moradores do prédio estavam assustados com o risco que acreditam haver corrido por terem dormido ao lado daquela fortuna”, destaca o texto.

COMPARTILHE

Conforme IstoÉ antecipou em maio, Palocci confirma que entregou R$ 13 milhões a Lula como propina

Foto: Reprodução/Jornal O Globo

A história do relacionamento do ex-ministro Antonio Palocci com o ex-presidente Lula é digna de um filme de amor que termina em tragédia, com ódio mortal no final. Palocci entrou na história do PT como um médico de periferia, militante do movimento de esquerda Liberdade e Luta (Libelu), que logo ascendeu no partido, muito respeitado por Lula, mas que hoje se transformou num monstro para os petistas. Lula passou a nutrir uma admiração especial por Palocci quando ele ainda era prefeito de Ribeirão Preto. Foi o escolhido para substituir o prefeito de Santo André Celso Daniel, assassinado em janeiro de 2002, na coordenação de sua vitoriosa campanha para presidente naquele ano. Eleito, Lula foi a Ribeirão Preto e fez um apelo em praça pública para que Palocci largasse a prefeitura e assumisse o Ministério da Fazenda de seu governo. Confiança máxima. O que não se sabia, e agora a delação desnuda, é que Palocci, a partir dali, passaria a ser o homem da mala de Lula, arrecadando recursos junto a empresários paulistas e até entregando dinheiro vivo ao ex-presidente. Na negociação de sua delação premiada com o Ministério Público Federal em Curitiba, onde está preso, Palocci já disse o que a ISTOÉ antecipou em maio: a Odebrecht disponibilizou R$ 300 milhões para o PT e Lula em 2010 e que seu assessor Branislav Kontiac, o Brani, chegou a entregar a Lula em 2012 mais de R$ 13 milhões em dinheiro vivo. Pessoalmente, Palocci diz que repassava pacotes com até R$ 50 mil para o ex-presidente. Quando alguém, que era carne e unha de Lula, dá detalhes como os fornecidos por Palocci, poucos duvidam da veracidade dos fatos.

DESVIOS NO INSTITUTO LULA

Na sua delação, Palocci conta como ajudou a gastar os R$ 300 milhões de Lula e do PT contabilizados no “departamento de propina” da Odebrecht. Lula, que tinha a alcunha de “amigo”, chegou a ter em um saldo de R$ 40 milhões em 2012 só para suas despesas pessoais. Mas só Palocci tinha autorização para sacar o dinheiro, como revelou o empresário Marcelo Odebrecht em depoimento ao juiz Sergio Moro. Palocci disse também aos procuradores que o ex-presidente desviou dinheiro doado ao Instituto Lula para custear despesas pessoais e de membros de sua família. De acordo com o ex-ministro, o caixa paralelo do instituto era administrado por Paulo Okamoto, presidente da entidade. Ainda no acordo de colaboração premiada, Palocci afirmou também que a atual presidente do PT, Gleisi Hofmann (PT-PT), se beneficiou das maracutaias do partido para ajudar empreiteiras. Segundo o ex-ministro, o PT ganhou R$ 50 milhões da Camargo Corrêa em 2009 para ajudar na anulação da Operação Castelo de Areia. Parte do montante foi repassada para a campanha de Gleisi em 2010. Com informações da Revista IstoÉ

COMPARTILHE

Geddel alega risco de ‘estupro’ em pedido de volta para prisão domiciliar

Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) I Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

A defesa de Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) alegou risco de “estupro” na Penitenciária da Papuda, local em que o ex-ministro está recolhido desde a semana passada, em Brasília, e pediu que ele volte para o regime de prisão domiciliar em seu apartamento em Salvador. O requerimento foi negado pela juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, que ressaltou o fato de os advogados do peemedebista terem usado informações “inverídicas” e “especulativas” na petição. A defesa se baseou em matéria publicada no portal “A Folha Brasil”, no dia da prisão do ex-ministro, noticiando que mensagens vazadas por familiares de detentos do Complexo Penitenciário da Papuda dariam conta de “ameaças de estupro” que teriam sido “enviadas aos políticos que estão cumprindo pena ou prisão preventiva”. Conforme a “reportagem” citada pelos advogados de Geddel, facções criminosas da unidade prisional teriam avisado aos acusados de corrupção que teriam de prestar serviços sexuais e domésticos aos demais internos. “Um famoso ex-deputado já está ‘casado’ com um traficante. Seus familiares estão pedindo intervenção da Justiça para que a violência e humilhação cessem o mais breve possível”, diz trecho do texto publicado no site. A defesa também alegou que a família do peemedebista teria recebido mensagem ameaçadora por rede social e que peças do procedimento criminal, além de imagens da audiência de custódia, teriam sido publicadas pela imprensa, o que seria um fator de exposição e risco. A petição alega que “qualquer lesão que aconteça a Geddel será de responsabilidade direta de todos os garantidores que se omitiram”. “Por fim, a defesa requer a imediata colocação do custodiado em prisão domiciliar, alegando ser esta a única forma de garantir a sua integridade física ou, em caso de entendimento diverso, pede sua alocação em batalhão de guarda da Polícia Militar”, narra o despacho da magistrada. Em resposta ao pedido, a juíza afirmou não ter competência para decidir sobre o pedido, uma vez que se trata de assunto da alçada da Justiça Federal. Ela argumentou que, a despeito disso, o pedido é baseado em notícia de caráter especulativo, pois, após a prisão de Geddel, os familiares dos presos de seu bloco nem os haviam visitado, ou seja, não poderiam ter tido contato com eles para saber de eventuais ameaças. “Soa um tanto estranho que essas mensagens tenham sido dirigidas ao ora custodiado, quando sequer havia divulgação relativa à unidade prisional em que seria alocado, em especial porque a matéria jornalística traz alguma informações inverídicas sobre a realidade das unidades prisionais do DF, inclusive quanto ao número de refeições disponibilizadas aos custodiados”, escreveu. A juíza acrescentou que Geddel não tem nenhuma prerrogativa ou garantia que lhe assegure custódia em sala de Estado Maior, na Polícia Militar. O ex-ministro foi preso na última sexta-feira, 8, após a Polícia Federal descobrir que escondia R$ 51 milhões em dinheiro vivo num apartamento em Salvador bem próximo ao local em que já cumpria prisão domiciliar. Ele está preso numa ala da Papuda que jáé destinada a internos vulneráveis, a exemplo de policiais que correm algum risco de ataque dos presidiários. O advogado de Geddel, Gamil Föppel, foi procurado pela reportagem, mas ainda não se pronunciou.

COMPARTILHE

Justiça nega prisão domiciliar ou militar a Geddel; defesa alega ameaça de presos

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: André Dusek/Estadão

A Justiça do Distrito Federal negou pedido da defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima para que ele fosse transferido para prisão domiciliar ou uma prisão militar, como alternativa. Os advogados do peemedebista argumentam que Geddel é ameaçado por outros presos do Complexo Penitenciário da Papuda, no DF, onde ele cumpre prisão preventiva. Responsável pela decisão, a juíza Leila Cury, da Vara de Execuções Penais, avaliou que Geddel não corre riscos e destaca que ele está custodiado de forma adequada, em ala reservada aos presos com ensino superior. “Essencial registrar que as medidas necessárias ao resguardo da integridade física do custodiado vêm sendo adotadas pela direção da unidade prisional em que se encontra, não havendo, até o presente momento, nenhuma notícia de que ela tenha sido violada”, afirma a magistrada. Em prisão domiciliar desde o dia 13 de julho, Geddel voltou ao regime fechado, preventivamente, na última sexta-feira (8), após a Polícia Federal apreender R$ 51 milhões em espécie em um apartamento no bairro da Graça, em Salvador, que estaria sendo usado por ele para guardar documentos de seu pai, morto no ano passado.

COMPARTILHE

Lula encara Moro hoje pela segunda vez

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai prestar nesta quarta-feira, 13, em Curitiba, o segundo depoimento a Sérgio Moro em uma situação diferente da que enfrentou em maio, quando esteve pela primeira vez frente a frente com o juiz responsável pela Lava Jato na primeira instância. A amplitude da mobilização em apoio ao petista será menor. A exemplo do primeiro depoimento, o PT e movimentos alinhados a Lula marcaram um ato para a tarde desta quarta-feira, agora na Praça Generoso Marques, no centro de Curitiba. Porém, até mesmo aliados do petista estimam um número muito menor de participantes. Além disso, a escassez de recursos do PT é evidente. O próprio Lula deve abrir mão de viajar de jatinho e deve ir de carro até Curitiba. O motivo alegado é a falta de dinheiro. No dia 11 de maio, quando enfrentou Moro pela primeira vez, Lula foi à capital paranaense no avião do ex-ministro Walfrido Mares Guia. Com informações do Estadão

COMPARTILHE

PF apura caixa 2 e pesquisa manipulada envolvendo a Babesp

Marcelo Nilo (PSL) I Foto: Reprodução/ Carlos Augusto

A operação deflagrada na manhã desta quarta-feira (13) pelo Ministério Público Eleitoral e a Polícia Federal, tendo como alvo o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), cumpre sete mandados de busca e apreensão em endereços em Salvador para apurar indícios de crime de falsidade eleitoral envolvendo a empresa Bahia Pesquisa e Estatística LTDA – Babesp. Segundo informações da Procuradoria da República na Bahia (MPF-BA) tanto o Ministério Público Eleitoral quanto a Polícia Federal investigam se Nilo prestou falsa informação à Justiça Eleitoral – há evidências de que ele seria o controlador de fato da Babesp e que utilizaria a empresa para receber recursos em caixa 2. Há suspeita também de possível manipulação do resultado das pesquisas eleitorais divulgadas pela Babesp. Os alvos da operação foram os endereços residenciais e profissionais de Nilo; de seu genro Marcelo Dantas Veiga; do sócio da Babesp Roberto Pereira Matos; e a sede da empresa Leiaute Comunicação. A operação tem como objetivo coletar documentos, papéis, registros e dados arquivados em equipamentos de informática que possam contribuir com as investigações. Cerca de 30 policiais federais participaram da ação e dois membros da Procuradoria Regional. A operação foi nomeada “Opinião”, em menção ao serviço prestado pela Babesp, que realiza pesquisas de opinião. Com informações do BN

COMPARTILHE

Prisão de Geddel vai atrapalhar a reeleição de Lúcio Vieira Lima

Foto: Reprodução

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) se vangloriava por ter sido o deputado federal mais votado na eleição de 2014. Mas com a prisão de Geddel Vieira Lima (PMDB), o seu irmão e mentor político, a reeleição de Lúcio corre risco. Vários políticos ligados a Lúcio Vieira Lima estão com temor de não conseguir passar voto para o mesmo, pois o desgaste de Geddel vai impactar bastante o nome de Lúcio. Nos bastidores, o comentário é que foi decretada a morte política da família Vieira Lima. Um prefeito que apoiava Lúcio, comentou com a garantia de anonimato que Lúcio já pode ser considerado “politicamente tóxico”, dos quais ninguém quer ficar mais perto. Vale lembrar que a última vez que o deputado marcou presença no plenário da Câmara foi no dia 4 de setembro, um dia antes da operação policial que descobriu o “bunker” de Geddel em Salvador. Com informações do Políticos do Sul da Bahia

COMPARTILHE

PF cumpre mandados na Sefaz e no gabinete de Marcelo Nilo

Marcelo Nilo (PSL) I Foto: Reprodução

Além da residência do deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), no condomínio Villagio Panamby, no Horto Florestal, a sede da Secretaria da Fazenda do Estado (Sefaz) e o gabinete do parlamentar no Centro Administrativo da Bahia (CAB), também é alvo de operação da Polícia Federal na manhã desta quarta-feira (13). O Bahia Notícias não conseguiu contato com a assessoria da pasta e com a Secretaria de Comunicação do governo do Estado. Também há mandados sendo cumpridos na casa da irmã de Nilo, na Avenida Cardeal da Silva. Com informações do Bahia Noticias

COMPARTILHE

Marcelo Nilo é alvo de operação da Polícia Federal, afirma TV Bahia

Marcelo Nilo (PSL) I Foto: Reprodução

Agentes da Polícia Federal estão no apartamento onde reside o deputado estadual Marcelo Nilo (PSL), no Horto Florestal. De acordo com informações da TV Bahia, mandados estão sendo cumpridos em três endereços: Avenida Cardeal da Silva, onde reside a irmã do parlamentar; no Centro Administrativo da Bahia; e no Horto Florestal

COMPARTILHE

Suspensa análise de denúncia contra 2 baianos do PP pelo STF

Roberto Britto e Mário Negromonte Jr I Foto: Reprodução

O pedido de vista do ministro Gilmar Mendes à denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra políticos do Partido Progressista (PP) foi acatado no final da tarde desta terça-feira, 12, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu análise do inquérito. A vista de Mendes, que adiou a análise por tempo indeterminado,foi aceita por 2 votos a 1. Os ministros Edson Fachin e Ricardo Lewandowski aceitaram e o ministro Dias Toffoli rejeitou. A peça acusa sete integrantes do PP dentro da Operação Lava Jato de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, entre eles três representantes da Bahia: Mario Negromonte, Mario Negromonte Júnior e Roberto Brito. A denúncia, no entanto, foi rejeitada por Fachin apenas contra dois dos baianos – Negromonte Jr. e Britto, além de Arthur Lira, de Alagoas. Segundo o ministro, faltaram provas contra os três políticos. Em nota diviulgada na noite desta terça, Roberto Britto comemorou a decisão. “Foram longos dias de longa espera, mas sempre confiei na Justiça de meu país e na justiça divina. A decisão tomada hoje pelo Supremo Tribunal Federal, me absolvendo de qualquer envolvimento com a operação Lava Jato, repõe a verdade dos fatos e endossa aquilo que sempre afirmei desde que meu nome foi envolvido: Não cometi crime algum e mais cedo ou mais tarde, minha inocência seria provada, o que ocorreu nesta terça feira. Agora estou aliviado. A Justiça foi feita!”. Com informações do Jornal A Tarde

COMPARTILHE

Presidente Estadual do PMDB nega expulsão de Geddel: Vamos esperar a Justiça

Pedro Tavares (PMDB) I Foto: Reprodução

Presidente do PMDB baiano há dois meses, desde o afastamento de Geddel Vieira Lima, o deputado estadual Pedro Tavares negou ao BNews que o correligionário será expulso da legenda. Segundo ele, a posição será tomada após a Justiça se pronunciar. Geddel foi preso no dia 8 de setembro pela segunda vez. Ele acusado de receber propina de R$ 20 milhões quando ocupou o cargo de vice-presidente de Pessoa Jurídica da Caixa Econômica Federal (CEF). A situação do pemedebista se agravou ainda mais quando a Polícia Federal encontrou R$ 51 milhões em apartamento ligado ao ex-ministro. “O PMDB é maior do que as pessoas. O caso [de Geddel] é uma questão de Justiça, que deve respeitar o amplo direito de defesa, e depois emitirá um parecer. Se dentro disso, ele for condenado, logicamente responderá pelos seus atos. A gente vai esperar”, disse Pedro Tavares, nesta terça-feira (12), na sede do PMDB, onde recebeu lideranças do partido, além do prefeito de Vitória da Conquista Herzem Gusmão.

COMPARTILHE

Executiva do PMDB discute expulsão de Geddel da sigla

Membros da executiva estadual do PMDB da Bahia vão se reunir nesta terça-feira (12) na Assembleia Legislativa (Alba) para decidirem o futuro político do ex-ministro Geddel Vieira Lima dentro da sigla. Os peemedebistas estarão reunidos para analisarem a expulsão do cacique – uma das figuras mais significativas da legenda. Os escândalos envolvendo Geddel vem incomodando membros do partido que temem não se elegerem em 2018. Além dos deputados estaduais foram convidados o vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis, o prefeito de Vitória da Conquista, Herzem Gusmão, e o federal Lúcio Vieira Lima. Apesar de afirmarem que vão debater apenas sobre os novos rumos da legenda, a reunião tem como princípio tentar convencer Geddel a deixar o partido, sem maiores transtornos. Contudo é prevista uma negativa e por isso há possibilidades da expulsão. Geddel já estava afastado da presidência da legenda desde a primeira prisão, em julho deste ano, e seu irmão chegou a afirmar que ele não mais se candidataria em 2018.  Nenhum peemedebista atendeu às ligações da reportagem, nem mesmo responderam às mensagens enviadas. No entanto, a reunião está marcada para após a sessão plenária, por volta das 16h, e foi confirmada pelo deputado estadual Hildécio Meirelles (PMDB) em entrevista ao programa Se Liga Bocão, da rádio Itapoan FM, na noite desta segunda-feira (11).

COMPARTILHE

Em nota, defesa diz que direitos de Geddel “foram violados”

De acordo com o comunicado, “além de ter sido impedido o acesso e a entrevista pessoal dos advogados constituídos por Geddel, ainda foi impossibilitada a participação na sua oitiva perante a autoridade policial”. Além disso, sobre a notícia de que Geddel chorou em depoimento, a nota afirma que isso foi “mais um atentado à sua dignidade e integridade moral, mediante a indevida exposição de uma pessoa submetida à custódia e responsabilidade do Estado.” “Geddel irá refutar as consequências jurídicas que lhe são indevidamente imputadas, em momento oportuno, perante as autoridades competentes”, conclui a nota. Atualmente Geddel está no presídio da Papuda, dividindo cela com outros nove presos. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal, a capacidade da cela é para 12 pessoas, com quatro treliches. Com informações do Varela Noticias

COMPARTILHE

Rodrigo Janot é flagrado com Advogado de Joesley Batista em bar

Rodrigo Janot e o advogado Pierpaolo Bottini, que defende Joesley Batista, tiveram um encontro fora da agenda num boteco de Brasília, no sábado (9). O site O Antagonista obteve com exclusividade o registro fotográfico feito por um frequentador do local. Ainda segundo a publicação, a testemunha diz que ambos conversaram por mais de 20 minutos. Para não chamar atenção, escolheram uma mesa de canto, ao lado de uma pilha de caixas de cerveja. Janot não tirou os óculos escuros. A assessoria de Janot não retornou o contato de O Antagonista. Bottini confirmou o encontro fora da agenda, mas disse que foi “casual”. Veja a explicação do advogado: “Na minha última ida a Brasília, este fim de semana, cruzei casualmente com o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, num local público e frequentado da capital. Por uma questão de gentileza, nos cumprimentamos e trocamos algumas palavras, de forma cordial. Não tratamos de qualquer questão outra ou afeita a temas jurídicos. Foi uma demonstração de que as diferenças no campo judicial não devem extrapolar para a ausência de cordialidade no plano das relações pessoais.”

COMPARTILHE

Joesley e Saud decidem se entregar à Justiça

Foto: Reprodução

Em conjunto com seus advogados, Joesley Batista e Ricardo Saud tomaram a decisão de se entregar, segundo a Globonews. Dependem, no entanto, de uma notificação à Justiça, já que ambos estão em São Paulo e, para isso, teriam de viajar. O ministro do Supremo Tribunal Federal Luiz Edson Fachin autorizou a prisão temporária (de cinco dias) dos delatores da J&F Joesley Batista e Ricardo Saud. No sábado, eles já haviam colocado seus passaportes à disposição do STF. Neste domingo, o ministro Edson Fachin determinou a prisão dos dois. Por enquanto, somente alguns jornalistas em frente a casa do empresário Joesley Batista, que mora no Jardim Europa, na Zona Sul de São Paulo, de acordo com informações da Rádio BandNews.

COMPARTILHE

De volta à Papuda, Geddel encontra os mesmos companheiros de cela

Foto: Dida Sampaio/Estadão

O ex-ministro Geddel Vieira Lima não encontrou caras novas em seu retorno ao presídio da Papuda, no Distrito Federal. Segundo informações da Folha de S. Paulo, ele está dividindo a cela com os mesmos nove detentos da primeira vez que esteve no local. O espaço tem capacidade para 12 pessoas e conta com quatro treliches, um chuveiro frio e um local para necessidades fisiológicas. Geddel chegou à Papuda no final da tarde desta sexta-feira (8), mesmo dia em que foi detido pela Polícia Federal em Salvador. Nesta semana, agentes do órgão encontraram mais de R$ 51 milhões em um apartamento da capital baiana. A PF encontrou nas notas impressões digitais do ex-ministro e do ex-diretor da Defesa Civil de Salvador (Codesal), Gustavo Ferraz. O doleiro Lúcio Funaro, decisivo para a primeira prisão de Geddel, também está na Papuda. No entanto, eles estão em alas separadas e não podem se encontrar no banho de sol.

COMPARTILHE