Política







Baianos alvos da Odebrecht votaram para enfraquecer pacote anticorrupção

Fotos: divulgação

Fotos: divulgação

A delação premiada do ex-executivo da Odebrecht, Cláudio Melo Filho, acaba de ganhar mais um capítulo no cenário da Bahia. Isso porque um levantamento feito pela Folha mostrou que três baianos estão entre os que foram citados pelo delator e ao mesmo tempo votaram pelo enfraquecimento das medidas anticorrupção aprovadas pela Câmara. São eles os deputados federais Daniel Almeida (PC do B), Lúcio Vieira Lima (PMDB) e Benito Gama (PTB). Ambos votaram pela desfiguração das medidas de anticorrupção na Câmara dos Deputados no último dia 29. Os três deputados baianos foram citados por Filho, como beneficiários de operações realizadas pela Construtora Odebrecht na Operação Lava Jato.

COMPARTILHE

Lula, Marisa, Palocci e mais quatro são indiciados pela PF na Lava Jato

008

A Polícia Federal, nesta segunda-feira (12), decidiu indiciar o ex-presidente Lula, a sua esposa Marisa Letícia, o ex-ministro Antônio Palocci e mais quatro na Operação Lava Jato. O petista foi indiciado pelo crime de corrupção passiva, enquanto todas as demais pessoas citadas foram indiciadas por lavagem de dinheiro. Segundo o G1, o indiciamento trata de dois casos distintos: o primeiro é sobre a compra de um terreno, que seria utilizado para a construção de uma sede do Instituto Lula. O segundo é sobre o aluguel do apartamento que fica em frente ao que o ex-presidente mora.

VEJA LISTA DOS INDICIADOS:

  • Luiz Inácio Lula da Silva – ex-presidente da República
    Marisa Letícia Lula da Silva – ex-primeira-dama
    Antônio Palocci Filho – ex-ministro nos governos Lula e Dilma
    Glaucos da Costa Marques – Sobrinho do pecuarista José Carlos Bumlai, já condenado na Lava Jato
    Demerval de Souza Gusmão Filho – Dono da empresa DAG Construtora
    Roberto Teixeira – Advogado do ex-presidente Lula
    Branislav Kontic – Assessor do ex-ministro Palocci
COMPARTILHE

Wagner, Geddel, Aleluia e Lídice: Delator da Odebrecht revela valores pagos a baianos

001

A delação premiada da Odebrecht deve abalar a política baiana. Segundo informações do site Buzzfeed, as primeiras informações – do delator Claudio melo Filho – revelam envolvimento de nomes como Jaques Wagner, Geddel Vieira Lima, Aleluia e Lídice da Mata nas negociatas com empreiteiras. Segundo a publicação, Wagner é chamado de “Polo” e teria recebido de propina R$ 9,5 milhões, somente em 2010, segundo um dos delatores. Além disso, o ex-governador da Bahia teria recebido um relógio Hublot modelo Oscar Niemeyer que custa cerca de R$ 80 mil. Outro citado é Geddel Vieira Lima, chamado de “Babel” . Seu irmão, Lúcio Vieira Lima, chamado de “Bitelo”, para não atrapalhar a aprovação de uma medida provisória de interessa da Odebrecht, teria recebido entre R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão. Segundo o site Buzzfeed, o delator ainda afirma que o deputado federal José Carlos Aleluia, chamado de “Missa”, recebeu da Odebrecht R$ 300 mil em 2010, assim como Lídice da Mata (codinome Feia), que teria recebido R$ 100 mil. O deputado federal Antonio Brito (PSD) teria recebido R$ 100 mil. (Varela Noticias)

COMPARTILHE

Bahia: Senadora ‘Feia’ recebeu R$ 200 mil da Odebrecht em 2010

002

Sob codinome ‘Feia’, Lídice recebeu R$ 200 mil em 2010.

Durante o pleito em que se elegeu senadora pela primeira vez, 2010, Lídice da Mata (PSB) recebeu R$ 200 mil da Odebrecht, revelou delação premiada do ex-executivo da empresa Cláudio Melo Filho. Sob codinome “Feia”, a ex-prefeita de Salvador já mantinha uma “relação histórica” com a empreiteira, que conhece e admira, segundo o documento. “Eu acreditava na sua eleição como Senadora pelo momento político na Bahia, pois ela era da chapa do governador eleito Jacques Wagner”, afirmou Melo Filho. Após a eleição, o ex-executivo disse ter solicitado apoio direto para que Lídice ajudasse um projeto do Instituto de Hospitalidade na capital baiana, que teria relação com a Fundação Odebrecht. “Este projeto era vinculado a Secretaria de Turismo da Bahia, cujo secretário, Domingos Leonelli, era indicado pelo PSB, partido da Senadora. José Filho me relatou o descaso dela com o assunto, pois nunca recebeu sequer um retorno”, acrescentou. De acordo com a delação, a senadora ainda foi contatada em março de 2012, junto a outros parlamentares, para legislar a favor do Projeto de Resolução do Senado Federal n. 72/2010. Por meio de nota, a senadora afirmou que as doações das campanhas estão dentro da legalidade. “As minhas contas foram devidamente aprovadas pelo TSE e estão disponíveis em seu site oficial”, aponta Lídice. (Bahia Noticias)

COMPARTILHE

Executivo da Odebrecht cita doações a campanhas de Wagner e Rui

002

O ex-governador baiano Jaques Wagner (PT) foi citado pelo executivo Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, em pré-delação ao Ministério Público Federal (MPF). De acordo com o executivo, Wagner, que atualmente é Coordenador de Desenvolvimento Social, teria se reunido em 2006 com Marcelo Odebrecht em um restaurante de Brasília, ocasião que depois gerou um repasse de R$ 3 milhões ao petista, feitos de forma oficial e via caixa 2. Conforme o G1, o delator contou que, assim que Wagner ganhou o pleito, encaminhou assuntos de interesse da empreiteira no Polo Petroquímico de Camaçari, que o ex-governador ajudou a destravar. O ex-governador também seria beneficiado com repasse nas eleições de 2010, com R$ 7,5 milhões, divididos em 10 parcelas, pagas entre agosto de 2010 e março de 2011. Ainda segundo Cláudio F ilho, o esquema voltou a se repetir em 2014, na campanha de Rui Costa (PT) para o governo da Bahia. O executivo disse que não participou desses pagamentos, mas acredita que foram repassados R$ 10 milhões. O agora coordenador de desenvolvimento social do governo Rui Costa também teria recebido presentes da empreiteira, segundo Cláudio Filho, sendo presenteado com um relógio de R$ 20 mil, em 2012.

COMPARTILHE

Geddel é citado por executivo da Odebrecht e diz que baiano ‘destrava pagamentos’

001

Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

O ex-ministro-chefe da Secretaria de Governo de Michel Temer, Geddel Vieira Lima também foi alvo das citações do executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho, que contou relações da empreiteira em um acordo de pré-delação ao Ministério Público Federal (MPF). Aos procuradores, Cláudio Filho disse que Geddel Geddel “recebia pagamentos qualificados em períodos eleitorais e em períodos não eleitorais, e fazia isso oferecendo contrapartidas claras, conforme ficará claro no ponto do relato que trata das exigências feitas por Geddel para destravar pagamentos retidos no âmbito do Ministério da Integração Nacional”, disse em aspas reproduzidas pelo G1. Em nota, Geddel disse que estranhou o nome dele ser citado e afirmou que as doações a ele foram declaras ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

COMPARTILHE

Renan se recusa a assinar notificação de afastamento pelo STF

Fotos: Folhapress

Fotos: Folhapress

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), se recusou a assinar a notificação de seu afastamento do cargo pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na noite desta segunda (5). Ao receber a visita de um oficial de Justiça na residência oficial, o senador enviou o recado de que aceitaria a notificação nesta terça (6) às 11h no Senado. O senador divulgou nota afirmando que o Supremo Tribunal Federal não o ouviu sobre seu afastamento e ressaltando que a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, que o afastou, é provisória. Ele afirmou que só irá se manifestar após conhecer os argumentos do ministro. “O senador consultará seus advogados acerca das medidas adequadas em face da decisão contra o Senado Federal. O senador Renan Calheiros lembra que o Senado nunca foi ouvido na Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental e o julgamento não se concluiu”, afirma a nota distribuída por sua assessoria. A decisão de Marco Aurélio é liminar, ou seja, terá que ser analisada pelo plenário do STF. Na noite desta segunda Renan estava reunido com congressistas na residência oficial da presidência do Senado, no Lago Sul de Brasília. Em seu lugar assume o vice, o senador de oposição Jorge Viana (PT-AC).

COMPARTILHE

Com saída de Renan, Waldir Maranhão assume presidência do Congresso

002

Fotos: Folhapress

O deputado federal Waldir Maranhão (PP-MA) voltou à ribalta. Com a saída de Renan Calheiros da presidência do Senado, ele assume a função de presidente do Congresso e, com ela, a tarefa de conduzir a votação do Orçamento e de vetos. Isso ocorre porque a composição da Mesa do Congresso é composta pelos membros equivalentes nas duas Casas, alternadamente. Jorge Viana (PT) não faz parte da Mesa do Congresso Nacional. O presidente do Senado é o presidente do Congresso Nacional, já o vice-presidente é o vice da Câmara. Com a saída de Renan, Maranhão assume o comando das sessões conjuntas. Aliado do governador Flávio Dino (PCdoB), o deputado do PP se notabilizou nacional e até internacional no primeiro semestre deste ano, após tentar, por diversas vezes, por orientação de Dino, manobras que impedissem o impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT). Enquanto estiver no comando do Congresso, ele deve dar um pouco de trabalho para o Palácio do Planalto. O Plenário do STF deve analisar somente na quarta-feira (7) a liminar que afastou Renan Calheiros. A tendência é que o afastamento seja mantido.

COMPARTILHE

Temer fala pela primeira vez sobre caso Geddel e nega ter feito lobby

002

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), falou pela primeira vez sobre o caso do agora ex-ministro baiano Geddel Vieira Lima (PMDB), que teria pressionado Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura, para que interferisse no Iphan e liberasse a obra do La Vue, na Ladeira da Barra, em Salvador. Calero também disse que foi pressionado por Temer para que solucionasse o caso. O chefe do Palácio do Planalto negou ter agido em benefício do ex-ministro da Secretaria de Governo.  Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, o presidente afirmou que não defendeu interesses particulares ao sugerir que o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero acionasse a AGU (Advocacia-Geral da União) para resolver as divergências entre o Iphan da Bahia e o Iphan nacional, subordinado ao Ministério da Cultura. O Iphan da Bahia havia dado aval para a construção do empreendimento em que Geddel comprou apartamento, mas o Iphan nacional negou o pedido por existir risco a demais prédios no entorno. As informações são do jornal Agora.

COMPARTILHE

PT vai pedir impeachment de Temer

002

Lindbergh Farias (PT) I Foto: Veja

O Senador Lindbergh Farias (PT), afirmou que o partido vai protocolar o pedido de impeachment de Michel Temer na segunda-feira (28). De acordo com o site o Antagonista, o pedido não deve passar. Michel Temer tem maioria esmagadora no Congresso Nacional.

COMPARTILHE

De Salvador, Geddel envia carta de demissão à Presidência

004

O ministro da Secretaria do Governo, Geddel Vieira Lima, já entregou a carta de demissão à Presidência da República. A informação foi confirmada por assessor da Presidência pela Globo News. Na manhã desta sexta-feira (25), já era especulada (clique aqui e aqui) a saída do peemedebista, após o agravamento da crise gerada pelas denúncias do ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, que pediu demissão na última sexta-feira (18), alegando que Geddel o tinha pressionado para atuar junto ao Iphan para liberar parecer favorável à construção do empreendimento La Vue, na Ladeira da Barra, em Salvador.

Foto: Reprodução | Clique para ampliar

Foto: Reprodução | Clique para ampliar

Na carta, Geddel afirma que voltará à Bahia “diante da dimensão das interpretações dadas” e pede desculpas a Temer “aos que estão sendo por elas alcançados”. Geddel teria afirmado ter um apartamento no prédio, como argumento. A repercussão do caso ampliou nesta semana, após Calero prestar depoimento à Polícia Federal, relatando também ter sido pressionado pelo presidente Michel Temer a resolver o problema apresentado por Geddel. Ele diz ter gravações de conversas com Geddel, Temer e Eliseu Padilha. O relatório já foi encaminhado pela PF ao STF e à PGR. É o sexto ministro a deixar o cargo no governo Temer. Ainda não foi divulgado o substituto do baiano na pasta. (Bahia Noticias)

COMPARTILHE

Geddel recebeu relógio de R$ 85 mil da Odebrecht, diz delator; ministro nega

005

Foto: Kiko Freitas / Varela Notícias

O ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) recebeu um presente valioso da Odebrecht. De acordo com o site Buzzfeed, o modelo que o ministro da Secretaria de Governo ganhou da Odebrecht é o Calatrava, do Patek Philippe. De acordo com a reportagem, o presente foi dado em 2009 e vale R$ 85 mil, segundo o delator Cláudio Melo Filho, ex-executivo da Odebrecht e um dos delatores da construtora. Além disso, também segundo o delator, o ministro recebeu “recursos regularmente” da empreiteira. Na época, Geddel ocupava o Ministério da Integração do governo Lula, na cota do PMDB, e liberou R$ 35,2 milhões para a Odebrecht, em relação a obras de implantação do projeto de irrigação Tabuleiros Litorâneos de Parnaíba, executado pelo DNOCS (Departamento Nacional de Obras contra a Seca). Em nota, Geddel disse que se trata de uma “mentira desavergonhada” o conteúdo e afirmou que prefere acreditar se tratar somente de um boato.

COMPARTILHE

Líder da oposição na AL-BA fala em “100% de apoio” a Geddel

005

Foto: Reprodução/Bahia Noticias

Após matéria do Bocão News revelar que a bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) não pretendia fazer nenhum ato de apoio formal em favor do ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), o líder do grupo, Sandro Régis (DEM), garantiu “100% de apoio da bancada a Geddel”, em discurso. “Nós da oposição daremos 100% de apoio ao ministro Geddel Vieira Lima. Ele, que sempre teve a característica de trabalhar pelo seu estado”, afirmou. Líder do PMDB na Casa, o deputado Pedro Tavares – que momentos antes havia afirmado que as denúncias que pesam sobre Geddel já tinham “passado” – endossou o apoio ao cacique da sua legenda. “O governo do PT busca holofote para tirar o foco das sérias dificuldades que o nosso estado passa”, disparou, sem concatenar os assuntos.

COMPARTILHE

Geddel chora em reunião de líderes ao se defender de denúncias

002

Foto: Jackson Cristiano / Ubaitaba Urgente

Ao receber apoio dos líderes dos partidos da base aliada na Câmara, em reunião no Palácio do Planalto, o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, se emocionou e chorou. Ele dava explicações aos deputados sobre as acusações feitas pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de que fez tráfico de influência para tentar conseguir liberar um empreendimento em Salvador, onde comprou um apartamento na planta. Geddel, depois de ouvir desagravo público dos líderes a seu favor, agradeceu o apoio de todos e contou que “herdou de seu pai”, o ex-deputado Afrísio Vieira Lima, “este jeito despachado que tem”. O ministro Geddel está sendo investigado pela Comissão de Ética Pública da Presidência e não quer mais falar sobre o tema alegando que “esse assunto está encerrado”. “Peço que me respeitem”, declarou, ao voltar de uma reunião com o presidente Michel Temer, para a qual foi convocado, interrompendo o encontro com os líderes, por causa de uma manifestação de índios que ocorria em frente ao Palácio do Planalto. O líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), ao relatar a emoção do ministro lembrou “que este é o jeito dele”. “Ele é assim mesmo. Ele chora e chorou ao falar do pai (que morreu no início do ano)”, comentou o deputado. O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), ao sair da reunião, avisou que um documento a favor de Geddel está pronto e será entregue a ele por todos, em ato solene, no Planalto nesta terça-feira (22) à tarde. Ele explicou que a carta somente não foi entregue ainda porque aguarda as últimas assinaturas de parlamentares que não tinham chegado à capital federal. “Vamos entregar o manifesto pessoalmente esta tarde, em bloco”, avisou. Pauderney reconheceu que o comportamento de Geddel “não foi adequado”, mas minimizou dizendo que “temos problemas enormes no país para resolver”. O parlamentar amazonense disse ainda que Geddel deu explicações e todos entenderam. Para ele, houve uma “interpretação de forma equivocada” por Calero. Pauderney afirmou ainda que conversou com o prefeito de Salvador, ACM Neto, sobre o assunto e este lhe assegurou que “não há nenhum problema com o empreendimento”. (Estadão Conteúdo)

COMPARTILHE

Conselheiro recua e Comissão de Ética abre processo contra Geddel

006

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: Antônio Cruz/ABr/VEJA

A Comissão de Ética da Presidência da República abriu por unanimidade, nesta segunda-feira, procedimento investigativo para apurar se o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, violou a legislação no caso que resultou na demissão do agora ex-ministro da Cultura Marcelo Calero.  Indicado ao cargo pelo próprio Geddel, o conselheiro José Saraiva recuou do pedido de vista que havia solicitado pela manhã e apresentou voto pela instauração de inquérito. Em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo na edição do último sábado, Calero afirmou que Geddel o pressionou em mais de uma ocasião para liberar uma obra embargada em Salvador, onde o peemedebista tem um apartamento. Na mesma tarde, o presidente Michel Temer afirmou por meio de seu porta-voz, Alexandre Parola, que o ministro permanecerá no cargo. “Em primeiro lugar, o Ministro Geddel Vieira Lima continua à frente da Secretária-Geral da Presidência”, disse o porta-voz, confundindo o cargo de Geddel. “O Presidente Michel Temer ressalta, adicionalmente, que todas as decisões sob responsabilidade do Ministério da Cultura são e serão encaminhadas e tratadas estritamente por critérios técnicos, respeitados todos os marcos legais e preservada a autonomia decisória dos órgãos que o integram, tal como ocorreu no episódio de Salvador”, afirmou o porta-voz.

COMPARTILHE

Temer decide que Geddel continuará ministro, diz colunista

006

Apesar de ter sido sacudido por acusações que envolvem o prédio La Vue, em Salvador, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), continuará no cargo – de acordo com decisão do presidente Michel Temer. Na avaliação de Temer, segundo o G1, ainda que Geddel tenha tratado de assunto pessoal, a decisão do Iphan é técnica e é a que prevalece. Para o presidente, a Comissão de Ética Pública da Presidência avaliará se o ministro agiu sem adotar um critério de impessoalidade. Após pedir demissão, Marcelo Calero disse que o motivo principal de sua saída foi a suposta pressão que sofreu de Geddel para que o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão subordinado ao Ministério da Cultura, liberasse um empreendimento imobiliário de alto luxo no centro histórico de Salvador. Geddel comprou um apartamento nesse empreendimento.

COMPARTILHE

‘Prefiro não me manifestar’, diz Rui sobre denúncias contra Geddel

004

O governador Rui Costa preferiu não se posicionar sobre as denúncias contra o ministro baiano Geddel Vieira Lima, acusado de interferir no andamento de licenciamento da construção do empreendimento La Vue, na Ladeira da Barra. “Eu prefiro não entrar nessa polêmica. Isso aí é debate entre dois ministros e os órgãos competentes vão atuar. Eu prefiro continuar trabalhando. O Brasil precisa de gente que trabalhe e entre menos em disse me disse, os órgãos federias de fiscalização vão apurar. O Iphan já se manifestou, o Conselho de Ética do Governo Federal já se manifestou que vão apurar. Deixa quem é de direito apurar as responsabilidades, eu prefiro não me manifestar”, respondeu ao Bocão News, na manhã desta segunda-feira (21).

COMPARTILHE

Situação de Geddel é gravíssima, diz interlocutor de Michel Temer

005

Um interlocutor do presidente Michel Temer afirmou neste sábado que a situação do ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, é “gravíssima”. Segundo ele, a pressão que Geddel teria feito sobre o ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, para a liberação de uma construção de imóvel de sua propriedade configura abuso de autoridade. Para esse assessor, Geddel perde as condições de falar em nome do governo, como articulador político, para tratar de pautas tão caras a Temer, como a PEC do teto de gastos e a reforma da Previdência. A informação é do jornal O Globo. Esse embaraço para Geddel ainda vai render muito. Fazer uso de sua posição para interesse pessoal, isso é gravíssimo. Ele usou o nome do presidente, isso não é adequado. A menos que o presidente tivesse pedido. E não pediu. E se outros casos surgirem? É abuso de autoridade — avaliou o assessor. O assessor de Temer conta que Calero esteve com Temer na quinta à noite para informá-lo sobre sua decisão de deixar o governo. O presidente teria pedido um tempo para verificar os fatos relatados, mas Calero disse que a decisão já estava tomada. No Palácio do Planalto há temores de que novos desdobramentos possam surgir a partir desse episódio, como por exemplo uma investigação da Comissão de Ética Pública ou do Ministério Público em torno da titularidade do imóvel, se está declarado no Imposto de Renda e se há irregularidades. O presidente está em São Paulo, de onde observa a repercussão do caso. Ele volta a Brasília amanhã após o almoço e deve reunir seus assessores mais próximos para discutir o futuro de Geddel.

COMPARTILHE

Juiz diz que Garotinho comandava com “mão de ferro” corrupção eleitoral no Rio

008

Anthony Garotinho (PR)

O juiz Glaucenir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral, que assinou a ordem de prisão preventiva contra o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho (PR), na manhã desta quarta-feira (16), disse que ele comandava “com mão de ferro” um “verdadeiro esquema de corrupção eleitoral” em Campos dos Goytacazes, no norte do estado do Rio. “O réu associou-se a diversos outros personagens, alguns já denunciados, incluindo vereadores e outros agentes públicos. […] (com) intuito claro de obter expressiva votação para os candidatos a vereança apoiados por ele [Garotinho], garantindo-lhes, evidentemente, a eleição e a consequente manutenção do poder político em Campos”, diz o magistrado. Segundo a Justiça, mais de 18 mil cadastros foram registrados no programa Cheque Cidadão e a compra de votos ocorria sobretudo com eleitores de baixa renda. “Estes e vários outros elementos probatórios constantes dos autos do inquérito policial, demonstram com clareza que o réu efetivamente não só está envolvido mas comanda com ‘mão de ferro’ um verdadeiro esquema de corrupção eleitoral neste município, através de um programa assistencialista eleitoreiro e que tornou-se ilícito diante da desvirtuação de sua finalidade precípua”, afirma o juiz. (Varela Noticias)

COMPARTILHE

Geddel pede a Rui para “baixar a bola” e deixar de “picuinha”

Fotos: Arquivo Bocão News

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Fotos: Arquivo Bocão News

Nem um pouco polêmico em suas declarações, o ministro da Secretaria de Governo de Michel Temer (PMDB), Geddel Vieira Lima (PMDB), lançou provocações ao governador da Bahia e seu rival, Rui Costa (PT). Em entrevista à Rádio Metrópole, o peemedebista chegou a pedir para o petista “baixar a bola”, deixar de lado a “picuinha” para ajudar o estado. “O governador precisa de uma vez por todas de parar com o discurso e ajudar a Bahia. Eu liguei para ele e disse que estava à disposição para ajudar a Bahia. O governador não pode é ficar com picuinha o tempo todo. Ele fica com provocações, inaugurando obras e colocando placas com o nome da presidente Dilma Rousseff, sendo que os recursos foram de Michel Temer. Ele precisa baixar um pouco a bola, ficar mais bem-humorado e parar de criar problema com o governo federal. O governo precisa do Planalto”, disse.

COMPARTILHE

Bolsonaro ironiza repórter: “Se fosse homofóbico, não dava entrevista pra você”

007

Sempre polêmico, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) ironizou um repórter em Recife ao ser questionado se era homofóbico, nesta quinta-feira (10). O parlamentar participou do evento na Associação de Cabos e Soldados de Pernambuco. Ao ser questionado se era homofóbico, ele respondeu: “Se fosse, não estaria dando entrevista para você agora”. A frase fez com que pessoas presentes no local aplaudissem o deputado. (Varela Noticias)

COMPARTILHE

Cunha prometeu “ferrar” com governo Temer em conversa por telefone com Geddel

005

Em conversa por telefone com o ministro Geddel Vieira Lima, o ex-presidente da Câmara, o deputado federal cassado Eduardo Cunha (PMDB), prometeu “ferrar” com o governo do presidente Michel Temer se não fosse socorrido. De acordo com a coluna Radar On-line, da revista Veja, Geddel disse que recebeu uma ligação de Eduardo Cunha pouco antes de o ex-presidente da Câmara ser preso, mas não falou com ele pois o telefonema acabou não se completando. Entre caciques do PMDB e no Palácio do Planalto, no entanto, a história que corre é outra. Dizem que os dois se falaram e que Cunha prometeu f*** com o governo numa eventual delação caso não fosse socorrido. Até agora, Cunha está junto de seus advogados trabalhando numa defesa técnica e não lançou nenhuma carta que abrisse caminho para uma delação premiada.

COMPARTILHE

Vereadora eleita é flagrada em relação sexual dentro de Cartório Eleitoral

008

Foto: Reprodução / site Meionorte.com

Um vídeo está circulando nas redes sociais e se tornou um grande escândalo na cidade de Dom Pedro, interior do estado do Maranhão. De acordo com o site da região, Meionorte.com, a vereadora do PDT, eleita no mês passado, Fernanda Hortegal foi filmada mantendo relações sexuais dentro do cartório eleitoral do município. Fernanda foi a 5ª candidata mais votada. Ainda segundo o Meio Norte, a vereadora ficou conhecida por ser flagrada mantendo relação sexual com um de seus amantes na porta de casa, na época ela era casada com o médico Sansão Hortegal. Após a traição o médico ficou com o celular da esposa e descobriu vários vídeos “picantes” de Fernanda. Dos 20 vídeos que o marido encontrou no celular da vereadora, a transa no Cartório Eleitoral é o que mais chama a atenção. A data e o horário que foi gravado, provam que ela estava em horário de expediente. A publicação local ainda informa que a vereadora foi procurada para saber sua versão na história a vereadora não foi encontrada.

COMPARTILHE

Após pedido de transferência negado, Argôlo serve comida para presos doentes

 Foto: Reprodução/Folhapress

Foto: Reprodução/Folhapress

O ex-deputado federal Luiz Argôlo que teve a liberdade negada em agosto deste ano no Supremo Tribunal Federal (STF) pediu transferência para a penitenciária em Salvador. O pedido também foi negado pela Justiça. O baiano, que está preso no Paraná, atualmente serve comida aos presos doentes. Argôlo foi condenado a 11 anos e onze meses de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato. Ele é acusado de receber parte do dinheiro da propina paga por empreiteiras fornecedoras da Petrobras à Diretoria de Abastecimento da estatal, então comandada por Paulo Roberto Costa.
COMPARTILHE

Revista Veja diz que Geddel Vieira Lima está envolvido na delação de Odebrecht

001

A revista Veja desta semana volta a falar sobre o “potencial explosivo” da delação premiada de 75 executivos da empreiteira Odebrecht, incluindo seu ex-presidente Marcelo Odebrecht. De acordo com a publicação, o acordo a ser assinado com o Ministério Público envolve peemedebistas fortemente ligados ao presidente Michel Temer, como o senador Romero Jucá e o ministro Geddel Vieira Lima, e os dois principais nomes do PMDB no Rio de Janeiro: o prefeito Eduardo Paes e o ex-governador Sérgio Cabral.  Além deles, foram citados os ex-presidentes Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva, o atual, Michel Temer, e os tucanos como José Serra, Aécio Neves e Geraldo Alckmin. A delação está distribuída em mais de 300 anexos – 300 novas histórias sobre a corrupção no Brasil.

COMPARTILHE