Política







Delator diz que tinha o telefone até da mãe de Aécio

O ex-presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Junior, expôs as perigosas intimidades entre empreiteiros corruptos e a classe política. Junior contou sobre o livre acesso que tinha com Aécio Neves. Durante depoimento, ele afirmou que o senador mineiro deu-lhe até o telefone da própria mãe, caso não conseguisse encontrá-lo. Aécio recebeu da Odebrecht cerca de R$15 milhões. A s informações são da Veja.

COMPARTILHE

Propina baiana: Estaleiro Paraguaçu rendeu R$8,7 mi a interesse de Lula, diz MPF

O Ministério Público Federal (MPF) acusa o ex-presidente Lula de ter se beneficiado de R$ 75,4 milhões em propinas de várias obras envolvendo a Odebrecht e a Petrobras investigadas no âmbito da Lava Jato. Desse montante, R$ 8,7 milhões foram desviados do contrato do Consórcio Rio Paraguaçu, responsável pela construção do Estaleiro Enseada do Paraguaçu, em Maragogipe, no Recôncavo baiano. A acusação do MPF é citada pela defesa de Lula no documento enviado ao juiz Sérgio Moro onde consta a lista de 85 testemunhas de defesa. Segundo a Procuradoria Geral da República, Lula teria administrado a colocação estratégica de Paulo Roberto Costa, Renato Duque e Pedro Barusco em diretorias da Petrobras no intuito “não só para enriquecimento ilícito dos envolvidos, mas especialmente para alcançar governabilidade e financiar com recursos públicos desviados a permanência no poder”. O contrato do Consórcio Rio Paraguaçu, para construção das plataformas de perfuração autoelevatórias P­59 e P­60, os procedimentos licitatórios foram iniciados em 21/06/2007 e conduzidos por Pedro Barusco e Renato Duque com contrato celebrado no valor de US$ 351.789.000,00 para cada plataforma. “Nessas condições, executivos da Odebrecht teriam prometido e pago propinas de 2% do valor do contrato a Pedro Barusco e Renato Duque para omitirem deveres de ofício, permitirem a escolha interna do cartel para execução da obra e tomarem as medidas necessárias para a contratação”, diz um trecho da acusação. Segundo o MPF, o presidente da Odebrecht, Marcelo Bahia Odebrecht, declarou que “no período compreendido entre 21/06/2007 e 03/08/2011 – portanto, no lapso temporal de 4 anos e 2 meses –, em conjunto com Marcio Faria e Rogério Araújo, teria oferecido, teria prometido e teria efetivamente pago “vantagens indevidas, no interesse de LULA”, relativas às taxas de 2% para a Diretoria de Serviço, no valor de US$4.816.980,35 (ou R$8.737.128,56) – correspondentes à participação de 33,33% da Odebrecht no Consórcio Rio Paraguaçu”. (Redação: Aparecido Silva)

COMPARTILHE

Líder sindical, Bebeto é o deputado baiano de esquerda mais alinhado ao governo Temer

Bebeto Galvão (PSB-BA) I Foto: Reprodução

Fazer parte de um partido mais alinhado com os preceitos da esquerda talvez não seja sinal de que os valores de correligionário e legenda estejam alinhados. O deputado federal Bebeto Galvão (PSB-BA), que votou contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT) em 17 de abril de 2016, hoje é o parlamentar de esquerda que mais aderiu à pauta proposta pelo governo de Michel Temer (PMDB), a quem a esquerda intitula como “golpista”. Com base em dados do Basômetro, ferramenta do Estadão que avalia a votação dos parlamentares no Congresso Nacional, Bebeto tem 74% de taxa de governismo, tendo sido favorável aos projetos do Executivo em 83 casos, ante 21 votos contrários em matérias do Planalto. Bebeto acumula oito abstenções em votações. Uma delas é a da Lei das Terceirizações, aprovada em março pelo Congresso. Contraditoriamente, o representante baiano do PSB na Câmara tem histórico na luta sindical, tendo sido fundador do Sindicacau e atual presidente do Sintepav-Bahia. Em sua página no Facebook, Bebeto chega a descrever sua atuação política como “marcada pela superação e luta em defesa do direito dos trabalhadores”. Para o deputado Bebeto, no entanto, o “interesse nacional não pode ser analisado como governismo”. “As condições dos votos têm que ser analisadas, os projetos estão vinculados aos projetos das pessoas. Eu permaneço crítico em relação ao governo, mas é importante ressaltar que o partido foi para a base do governo, que a bancada decide o encaminhamento, os líderes encaminham e você segue o encaminhamento”, afirmou. O deputado ainda destacou que segue o interesse nacional, que vota em matérias não prejudiciais aos interesses nacionais e que é o parlamentar que mais defende as questões relacionadas à Bahia. “Eu sou o maior crítico que tem em relação aos interesses dos trabalhadores”, afirmou. Com relação à abstenção na votação da Lei da Terceirização, o deputado afirmou que a culpa é do modelo de organização da pauta da Câmara. “O projeto não estava na agenda. O que estava na agenda é que teria um debate. Nós tivemos com o presidente da Câmara e as centrais sindicais e ele estabeleceu um acordo que não ia votar o projeto naquela data e lamentavelmente o acordo foi rompido e colocou naquela data a votação da matéria”, afirmou que justificou sua ausência afirmando que tinha um congresso da Força Sindical da Bahia para falar sobre a reforma trabalhista, a reforma previdenciária e a terceirização. O deputado ressaltou que sua posição é “vinculada ao campo de progresso social, aos trabalhadores, e vamos continuar”. (Redação: Estela Marques / Júlia Vigné)

COMPARTILHE

Essas delações são ficção científica, diz Geddel, chamado de chorão por delator

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

O ex-ministro dos governo Lula e Temer, o baiano Geddel Vieira Lima (PMDB) rebateu as declarações do ex-diretor de Relações Institucionais da Odebrecht, Cláudio Melo Filho. Em sua delação premiada feita à Lava Jato, Melo Filho contou que peemdebista era “chorão” ao pedir contribuições da empresa para campanhas eleitorais. “Ele era um chorão […] Me perdoe até o termo, ele reclamava. ‘Não é possível que você não possa fazer nenhum esforço’”, disse o ex-executivo, reproduzindo conversa com Geddel: “E eu disse: ‘Ô senhor Geddel, o senhor participa da reunião, o senhor vai lá e fala com o presidente da empresa’”. De acordo com publicação do site G1, Geddel Vieira Lima rebateu as acusações e disse que as delações são ‘ficção científica’. “Quem tem boca fala o que quer. No momento oportuno, meus advogados vão se pronunciar e mostrar que essas delações são ficção científica”, afirmou Geddel. Com informações do Bocão News

COMPARTILHE

Geddel recebeu R$ 3,6 milhões da Odebrecht entre 2007 e 2010, diz delator

Geddel Vieira Lima (PMDB) I Foto: Jackson Cristiano/Ubaitaba Urgente

Em depoimento à Justiça, o ex-executivo da Odebrecht, João Pacífico, relatou que Geddel Vieira Lima (PMDB) recebeu “contribuições de campanha” avaliadas em R$ 3,6 milhões entre os anos de 2007 e 2010. De acordo com Pacífico, o peemedebista, então ministro da Integração Nacional, regularizou junto à empreiteira pagamentos por obras realizadas na capital baiana, citando o Transporte Moderno de Salvador II (TMS II). Em contrapartida, Geddel teria passado a solicitar “contribuições para campanha” por meio do então diretor de Relações Institucionais da empresa, Claudio Melo Filho, com quem mantinha uma relação próxima.  O delator disse ainda que os valores eram sempre retirados em Salvador, no Departamento de Operações Estruturadas (o setor de propinas da Odebrecht). Com informações do Bocão News

COMPARTILHE

Inquérito contra Lúcio trata de lobby para aprovação de MP e recebimento de R$ 1 mi

A abertura de inquérito autorizada pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), contra o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), batizado com o apelido de Bitelo, versa sobre a atuação do Grupo Odebrecht para a conversão de medidas provisórias (MPs) em lei no Congresso Nacional e inclui os senadores peemedebistas Romero Jucá, Eunício Oliveira e Renan Calheiros e o também deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ). Nas delações de Alexandrino de Salles Ramos de Alencar, Carlos José Fadigas de Souza, Cláudio Melo Filho, Emílio Alves Odebrecht, José de Carvalho Filho e Marcelo Odebrecht, o parlamentar baiano teria embolsado R$ 1 milhão para auxiliar na aprovação de MPs. “São relatados pagamentos de R$ 7 milhões, sendo R$ 4 milhões destinados aos senadores da República Romero Jucá e Renan Calheiros, atuando o primeiro em nome do segundo, R$ 2 milhões destinados ao senador da República Eunício Oliveira, R$ 1 milhão ao deputado federal Lúcio Vieira Lima e R$ 100 mil ao deputado federal Rodrigo Maia. Todos esses repasses teriam sido implementados por meio do Setor de Operações Estruturadas do grupo Odebrecht, sendo os beneficiários identificados no sistema “Drousys” como “Caju” (Romero Jucá), “Índio” (Eunício Oliveira), “Bitelo” (Lúcio Vieira Lima) e “Botafogo” (Rodrigo Maia)”, escreve Fachin. De acordo com o despacho do ministro do STF, a autoridade policial tem 30 dias para cumprir diligências solicitadas pelo Ministério Público Federal sobre o caso.

COMPARTILHE

Marcelo Odebrecht diz que todos os candidatos eleitos tiveram financiamento ilegal

O empresário Marcelo Odebrecht, ex-presidente e herdeiro do grupo que leva seu sobrenome, disse em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no início de março, que o financiamento ilegal de campanhas é tão comum no País que inclui todos os candidatos eleitos. “Duvido que tenha um político no Brasil que tenha se eleito sem caixa 2. E, se ele diz que se elegeu sem, é mentira, porque recebeu do partido. Então, impossível”, afirmou. As declarações constam do depoimento prestado na ação que apura abuso de poder político e econômico pela chapa Dilma Rousseff-Michel Temer nas eleições de 2014. Naquele ano, além da então presidente, 1.626 pessoas conseguiram votos para ocupar os cargos em disputa.No caso da Odebrecht, o empreiteiro pontuou que, dos recursos disponíveis para campanhas, 75% eram pagos fora do sistema oficial. “Caixa 2, para a gente, e eu acho que para todas as empresas, era visto como natural. Os valores definidos pelos candidatos eram tão aquém do que eles iam gastar que não tinha como a maior parte das doações não ser caixa 2. Era impossível”, declarou ao TSE. O empreiteiro afirmou que, ao acertar propinas com parlamentares ou ocupantes de cargos executivos, o valor podia ser pago nas eleições tanto como doação oficial, o “caixa 1”, quanto por fora. Mas ponderou também que parte dos valores do chamado caixa 2 não foi destinada a campanhas com uma “contrapartida específica”. Com informações do Estadão.

COMPARTILHE

Após solicitação de Eduardo Salles, programa Luz para Todos na Bahia será prorrogado

O deputado estadual Eduardo Salles recebeu confirmação do Superintendente de Energia da SEINFRA (Secretaria estadual de Infraestrutura), Celso Rodrigues, na última quinta-feira (23), que até maio será assinado pela ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), o contrato que vai permitir a prorrogação do Programa Luz para Todos. O valor do investimento está orçado em R$ 800 milhões e viabiliza a universalização de 50 mil ligações no estado para 2017/2018. “Como engenheiro agrônomo, ex-secretário estadual de Agricultura e agora como deputado estadual, percorro por todas as regiões e municípios baianos e posso afirmar que o Luz para Todos é um dos programas mais estruturantes já realizados em nosso país. É importante destacar que, caso o programa não fosse prorrogado, o consumidor baiano teria que arcar com os custos para ter acesso à energia elétrica em suas comunidades rurais”, argumenta Eduardo Salles. O parlamentar se reuniu, em 2015, na Coelba (Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia), com o então presidente Roberto Medeiros, em agosto de 2016 com o ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho, e com o então superintendente de Energia da SEINFRA (Secretaria Estadual de Infraestrutura), Silvano Ragno, no inicio deste ano, para tratar sobre a universalização do acesso à energia elétrica no estado. “Essa é uma luta minha, do governo do estado e dos deputados e senadores baianos que têm batalhado cada vez mais pela universalização do fornecimento de energia elétrica em todas as residências baianas”, afirmou o parlamentar. O programa que visa acabar com a exclusão elétrica no país e garantir acesso à eletricidade, gratuitamente, começou a ser implantando em 2004 e já atendeu 578 mil domicílios com investimento aproximado de R$ 4 bilhões. A Bahia por ser um dos estados com maior extensão territorial, também possui a maior população rural, com 4,2 milhões de habitantes. A estimativa é de fornecer energia elétrica para todos os baianos até 2021. (ASCOM – Deputado Estadual Eduardo Salles)

COMPARTILHE

Treze baianos foram contra lei das terceirizações e 19 votaram a favor. Veja lista!

A aprovação da lei que permite a terceirização em atividades-fim das empresas, na noite desta quarta-feira (22), teve 13 votos contrários de deputados federais baianos, porém os parlamentares que aprovaram a alteração na legislação foram maioria: 19 no total. O deputado Pastor Luciano (PRB) se absteve e outros seis não participaram da sessão nesta quarta. Apenas deputados de oposição ao governo Michel Temer (PMDB) foram contra o projeto: Afonso Florence (PT), Alice Portugal (PCdoB), Bacelar (PTN), Caetano (PT), Daniel Almeida (PCdoB), Davidson Magalhães (PCdoB), Félix Mendonça Júnior (PDT), Irmão Lázaro (PSC), Nelson Pellegrino (PT), Robinson Almeida (PT), Valmir Assunção (PT) e Waldenor Pereira (PT) – Uldurico Junior (PV), no entanto, foi contra, apesar de votar majoritariamente com o governo. Entre os favoráveis constam: Arthur Oliveira Maia (PPS), Benito Gama (PTB), Cacá Leão (PP), Claudio Cajado (DEM), Elmar Nascimento (DEM), João Carlos Bacelar (PR), João Gualberto (PSDB), José Carlos Aleluia (DEM), José Carlos Araújo (PR), José Nunes (PSD), José Rocha (PR), Jutahy Júnior (PSDB), Márcio Marinho (PRB), Mário Negromonte Jr. (PP), Paulo Azi (DEM), Paulo Magalhães (PSD), Roberto Britto (PP), Ronaldo Carletto (PP) e Sérgio Brito (PSD). Dos seis parlamentares faltosos, o deputado Bebeto (PSB), dirigente sindical ligado ao segmento da construção pesada, não participou da votação. Ainda estavam ausentes Tia Eron (PRB), Antônio Brito (PSD), Erivelton Santana (PEN), Jorge Solla (PT) e Lúcio Vieira Lima (PMDB). Com informações do Bahia Notícias.

COMPARTILHE

Sistema de lista fechada não é ameaça à Lava-Jato, afirma Lúcio Vieira Lima

Fotos: Vagner Sousa // Bocão News

Em entrevista a jornalistas na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o presidente da Comissão Especial da Reforma Política, deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), rebateu as interpretações de que uma eventual adoção do sistema de lista fechada para as eleições proporcionais (deputados e vereadores) poderia beneficiar políticos investigados na Operação Lava-Jato. O deputado participou, há pouco, da abertura do seminário internacional sobre sistemas políticos, promovido por TSE, Câmara dos Deputados e Instituto Idea. Segundo Lúcio, “não pode se achar que todas as medidas que serão votadas no Congresso terão relação com a Lava-Jato. O voto em lista fechada não camuflaria as candidaturas de eventuais envolvidos na operação ou que estejam comprovados como culpados. Cada sistema tem pontos favoráveis e contrários. Algum sistema tem que ser adotado para resolver o imbróglio diante da proibição de financiamento de empresas”. O deputado reafirmou que o sistema de votação e o financiamento das campanhas são os principais pilares da reforma política em análise no Câmara. Ele descartou qualquer possibilidade de a comissão especial pautar temas relacionados a eventual anistia para caixa dois de campanhas eleitorais. Na abertura do seminário internacional, o presidente do TSE, ministro Gilmar Mendes, afirmou que a intenção do evento é traçar panorama geral dos principais sistemas eleitorais do mundo, com as nuances e as consequências que envolvem cada modelo. “Há consenso de que é necessário reformar o sistema brasileiro e buscam-se os melhores caminhos”, afirmou Mendes. Para valer nas próximas eleições, em 2018, as futuras alterações na legislação eleitoral deverão estar definitivamente aprovadas pelo Congresso até o fim de setembro deste ano. Com informações da Agência Câmara.

COMPARTILHE

Lídice, Geddel, Lúcio e Aleluia são alvos de pedidos de inquéritos de Janot

A senadora Lídice da Mata (PSB), o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) e os deputados federais baianos Lúcio Vieira Lima (PMDB) e José Carlos Aleluia (DEM) estariam entre os políticos alvos dos pedidos de inquérito do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao Supremo Tribunal Federal (STF). A informação foi divulgada pelo Jornal Nacional e ainda não foi confirmada pela Procuradoria-Geral da República ou pela Suprema Corte – as delações dos diretores e ex-executivos da Odebrecht seguem sob sigilo judicial. No relato de Mello Filho, os políticos teriam recebido recursos da empreiteira para campanhas eleitorais de 2010 e 2014 – parte deles com o devido registro na Justiça Eleitoral. Lídice era conhecida pelo codinome “Feia”, Geddel seria “Babel”, Lúcio “Bitelo” e Aleluia teria o apelido de “Missa”. Ao telejornal, os citados preferiram não comentar o assunto. Com informações do Bahia Noticias.

COMPARTILHE

Aécio, Serra, Renan, Lobão e Jucá estão em nova lista de Janot

Ao menos seis senadores estão na lista de pedidos de abertura de inquérito enviada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta terça-feira (14). Conforme reportagem da Folha de S. Paulo, Renan Calheiros (PMDB-AL), Romero Jucá (PMDB-RR), Edison Lobão (PMDB-MA), José Serra (PSDB-SP) e Aécio Neves (PSDB-MG) integram a relação, além do presidente da Casa, Eunício Oliveira (PMDB-CE). Ao todo, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF 83 pedidos de abertura de inquérito e 211 processos foram remetidos para outras instâncias, por envolver pessoas sem foro privilegiado ou autoridades como governadores e prefeitos. Janot pediu ainda ao relator do caso no STF, ministro Edson Fachin, a retirada do sigilo desse material considerando a necessidade de promover transparência e garantir o interesse público.

COMPARTILHE

Servidor que chamou Geddel de ‘golpista’ em avião vira réu; caso aconteceu em agosto

O servidor do governo federal que chamou o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) de “golpista” se tornou réu na última terça-feira (7). A juíza substituta Pollyana Kelly Alves acolheu a queixa-crime de Geddel contra Edmilson Dias Pereira, alegando que o termo pode ser entendido como “expressão injuriosa apta a ofender a dignidade ou o decoro”, “As palavras ‘golpe’ e ‘golpistas’ evidenciam, no contexto atual, o inconformismo daqueles que se sentiram insatisfeitos com o resultado do processo político constitucional de impedimento da ex-presidente da República”, escreveu a magistrada. De acordo com a juíza, depois do impeachment da presidente Dilma Rousseff a expressão ficou banalizada e foi ordinariamente utilizada. De acordo com a Folha, a Justiça deu prazo para que o servidor apresente uma resposta à acusação pelo crime de injúria, para então decidir pela condenação ou absolvição do réu. Na ocasião, Pereira teria anunciado a presença de Geddel como “do governo golpista do Michel Temer”.”Golpista! Golpista! Vocês vão ficar marcados para sempre como golpista”, teria continuado o réu, que filmou o episódio e publicou em redes sociais. Em outra ação, Geddel pede R$ 50 mil ao servidor público.

COMPARTILHE

Lúcio Vieira Lima defende investigações em doações feitas a políticos não eleitos

O deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) defendeu que a Justiça investigue doações de campanhas feitas a políticos que não foram eleitos. Em entrevista à colunista Andréia Sadi, do G1, o presidente da comissão especial de reforma política alegou que não pode ficar “à mercê de aparecer um delator, do ouvir dizer que fulano recebeu e vai investigar apenas essas pessoas”. “O objetivo não é investigar quem tem mandato, o parlamento. O objetivo é combater o crime, se houver. Então, nesse caso, não precisa esperar a denúncia. Você já tem uma decisão que pode ter em doações oficiais dinheiro de corrupção. Então vamos pegar examinar todas”, defendeu o peemedebista. Lúcio sugere uma força-tarefa entre Justiça Eleitoral e Polícia Federal. As declarações foram dadas após entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) de tornar réu o senador Valdir Raupp (PMDB-RO), acusado de receber propina por meio de doações eleitorais. De acordo com a colunista, só em 2014 foram registradas 24 mil candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). “Não estou aqui para dizer o que a Justiça deve fazer ou não. Eu digo que precisa ser igual para todos. Se houve problema em caixa um, precisa esclarecer quais são. E não esperar denúncia. Já tem material para investigar que são as doações Pega as doações, chama as empresas que doaram para que se expliquem uma vez que pode ter corrupção. O que não pode é esperar”, reforçou Lúcio, que defendeu ainda a responsabilização “de todos” – empresas e políticos.

COMPARTILHE

Marcelo Odebrecht revela que o ‘amigo’ nas planilhas do grupo é o ex-presidente Lula

Nos depoimentos que compõem sua delação premiada, Marcelo Odebrecht confirmou que o “amigo” ou “amigo de EO” que aparece nas trocas de e-mails e planilhas do grupo empresarial é o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo informações do Estado de S. Paulo, os procuradores que acompanharam os depoimentos acreditam que as revelações de Odebrecht serão “arrasadoras” para Lula, que tem pressa em lançar sua candidatura à presidência do país 2018. Odebrecht relata que a relação do ex-presidente com seu pai, Emílio, era prejudicial ao grupo porque seu pai cedia demais aos pedidos de Lula e acabava fazendo investimentos desvantajosos.

COMPARTILHE

Deputado propõe projeto de lei que reduz pena de estupradores

O deputado Fábio Ramalho (PSDB-MG), vice-presidente da Câmara dos Deputados, propôs um projeto de lei polêmico que prevê a redução de pena para o crime de estupro de vulnerável quando o ato não envolver penetração ou sexo oral. A redução seria de um sexto a dois terços da pena. O deputado propôs a redução de pena se o acusado for réu primário e não tiver antecedentes por crimes semelhante. Além disso, não pode haver “violência física ou psicológica” ou penetração “nas cavidades vaginal, oral ou anal da vítima”. Com informações do Varela Noticias.

COMPARTILHE

‘Não apareceu porque não quis aparecer’, diz Lúcio, sobre ausência de Geddel

Foto: Fernando Duarte / Bahia Notícias

Questionado sobre a ausência do irmão, o ex-ministro Geddel Vieira Lima, frequente folião, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA) afirmou que ele está descansando. “Não apareceu porque não quis aparecer. Está descansando com minha mãe, com os filhos. Como ele disse agora ele é babá dos filhos dele. E como babá, está no carnaval com os filhos tomando conta”, contou. De acordo com o parlamentar, os desgastes seguidos ocorridos nas últimas semanas envolvendo o Planalto, como a denúncia referente ao ministro chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, “não preocupa de forma nenhuma”. O governo não são pessoas, o governo é o governo. O governo Temer está mostrando aí fortaleza, a partir do momento em que a inflação cai, os juros despencam, o dólar cai, a bolsa sobe. Você já começa ter a recuperação da credibilidade. Um governo desse está mostrando que veio realmente para consertar o que o PT estragou, deixou o país totalmente quebrado”, avalia, acrescentando que há “remédios amargos”. “Logicamente a recuperação é lenta, é dura, tem remédios amargos, mas o presidente temer está enfrentando, e com certeza, em 2018, entregará um país bem melhor ao novo presidente”, acredita.? Com informações de Fernando Duarte / Luana Ribeiro/Bahia Noticias.

COMPARTILHE

Davidson Magalhães defende Concurso Público para CEPLAC

Davidson Magalhães (PCdoB-BA)

O deputado federal Davidson Magalhães (PCdoB-BA) defendeu a realização de concurso público para a contratação de novos servidores para a Ceplac, que completou 60 anos ontem (20). “A Ceplac se encontra, neste momento, em dificuldades. Há 29 anos não tem contratação de servidores. Já teve 4,5 mil funcionários. Hoje tem 1.756, dos quais 1,2 mil estão em abono de permanência”. Esse número, disse, pode cair para 600, se a Reforma da Previdência for aprovada. No plenário da Câmara Federal, Davidson lembrou que a Ceplac foi fundamental para o sul da Bahia e embrionária da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), quando foi criada a Federação das Escolas Superiores de Ilhéus e Itabuna (Fespi).

ORÇAMENTO MENOR

O orçamento de 2016 é igual ao orçamento de 2008. “Isso implica no completo comprometimento do trabalho de extensão da Ceplac”, afirmou, lembrando da perda de autonomia administrativa e financeira ao ser transformada em departamento da Secretaria Executiva do Ministério da Agricultura. O governo federal sequer teve representante na festa dos 60 anos da Ceplac, ontem. “Uso a tribuna para dizer que estamos lutando pela revitalização da Ceplac, novos concursos para reforçar o seu quadro”, reforçou, enfatizando que o departamento tem ainda importante papel a jogar no desenvolvimento do sul da Bahia. O Governo Temer aprovou orçamento ainda menor para a Ceplac neste ano. Caiu de R$ 17 milhões em 2016 para R$ 14 milhões agora. A redução no orçamento é uma das razões para que haja a junção das áreas e pesquisa e extensão no sul da Bahia. A junção está prevista, também, no decreto que rebaixou-a de órgão para departamento do Ministério da Agricultura.

CESSÃO DE IMÓVEL À UFSB

As dificuldades orçamentárias da Ceplac podem levá-la a ceder o edifício onde funciona o Centro de Extensão (Cenex), por até três anos, para a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), o que reduziria despesa com manutenção predial, reforma e energia elétrica, por exemplo. O prédio está em ruínas e a Ceplac, sem dinheiro para executar as obras. A cessão é defendida pela direção-geral da Ceplac, porém tem como adversários os pesquisadores e funcionários da área de extensão, em torno de 40 funcionários que ocupam área de aproximadamente 4 mil metros quadrados. Ontem, durante as festividades dos 60 anos da Ceplac, pesquisadores fizeram protesto contra a junção e a possibilidade de aluguel da área para a UFSB. A manifestação foi puxada pelo pesquisador Roberto Setúbal, que aponta ação unilateral da direção do órgão. Com informações do Pimenta.

COMPARTILHE

PF pede denúncia contra Lula e Dilma por ’embaraço ao avanço’ da Lava Jato

Foto: Reprodução/ Fato News

Um relatório da Polícia Federal acusa os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff de cometer obstrução de Justiça. O documento assinado pelo delegado de Polícia Federal Marlon Oliveira Cajado dos Santos, do Grupo de Inquéritos da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), também atribui ao ex-ministro Aloizio Mercadante os crimes de tráfico de influência e também obstrução de Justiça. A acusação sustenta que Dilma “embaraço ao avanço da investigação” ao nomear Lula para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil em março de 2016. No caso de Mercadante, a PF lembra a conversa gravada com o ex-chefe de gabinete do ex-senador Delcídio Amaral, na qual o então ministro tentou barrar a delação premiada de Delcídio. Como os inquéritos estão no STF, o relatório sugere o declínio da competência dessa parte da apuração para a Justiça Federal do Distrito Federal para que Mercadante, Lula e Dilma possam ser denunciados na primeira instância judicial. O material de 47 páginas foi encaminhado ao ministro do STF Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo, e ao procurador-geral da República Rodrigo Janot.

COMPARTILHE

‘Jacaré’: Geddel ganha novo apelido na PF, diz coluna

O ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima (PMDB), era identificado como “Babel” na lista da Odebrecht que supostamente organizava o repasse de propinas. Mas parece que a Polícia Federal criou um novo nome diferente para se referir ao baiano. De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, Geddel é conhecido pelos investigadores como “Jacaré”. O apelido seria uma referência ao doleiro Lucio Funaro, apontado como operador do PMDB no esquema investigado pela Lava Jato, que em delação disse que a “boca para receber” de Vieira Lima era comparada à do animal.

COMPARTILHE

“Levei mala de dinheiro para Lula”, diz Davincci

Um dos principais sócios da Camargo Corrêa, Davincci Lourenço, é o principal personagem de capa da revista IstoÉ desta semana. Davincci, entre 2011 e 2012, privou da intimidade da cúpula de uma das maiores empreiteiras do País, a Camargo Corrêa. Ele narrou a mais delicada das tarefas as quais ficou encarregado de assumir em nome de acionistas da Camargo Corrêa: o transporte de uma mala de dinheiro destinada ao ex-presidente Lula. “Levei uma mala de dólares para Lula”, afirmou à ISTOÉ. É a primeira vez que uma testemunha ligada à empreiteira reconhece ter servido de ponte para pagamento de propina ao ex-presidente.

COMPARTILHE

Mais um: Sobrinho de Otto Alencar ganha cargo na Assembleia Legislativa

Fotos: Gilberto Junior//Bocão News

Se ontem o presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, Ângelo Coronel (PSD), nomeou a sobrinho o senador Otto Alencar (PSD), Fernanda Alencar, na Escola Legislativa, nesta sexta-feira ele resolveu nomear mais um parente do senador. Filho de Carlos Alencar, Carlos Filho foi nomeado assessor especial na Procuradoria Geral da Assembleia. O salário é R$ 3.992. Na mesma edição do diário oficial, Carlos é exonerado do cargo de assessor de comunicação social.

Na edição de ontem do Diário Oficial, foi nomeada Fernanda Alencar, também sobrinha do senador Otto. Ao ser questionado pela equipe do Bocão News, Otto Alencar demonstrou indignação com a imprensa por ‘explorar’ o assunto. “É natural [a nomeação]. Ela reúne os pré-requisitos todos e não sei porque tem que ter esse patrulhamento por ser minha sobrinha. Se fosse outra pessoa, talvez, não tivesse esse patrulhamento todo”, sugeriu, ao Bocão News.

COMPARTILHE

Política: Imbassahy assumirá ministério deixado por Geddel

Foto: Reprodução

Resolvida a presidência da Câmara, o presidente Michel Temer assina nesta quinta-feira a nomeação do ex-líder do PSDB, Antonio Imbassahy, para a Secretaria de Governo. A nomeação deve sair no Diário Oficial da União dessa sexta-feira (03). Imbassahy assumirá no lugar de Geddel Vieira Lima, que deixou o governo no fim de novembro passado, após ser acusado de tráfico de influência. Geddel, que é muito próximo de Temer, teria pressionado o então ministro da Cultura Marcelo Calero a liberar uma obra em Salvador, onde já tinha comprado um apartamento. A nomeação de Imbassahy levou todo esse tempo para ser feita porque Temer resolveu esperar o fim da eleição na Câmara e evitar ser acusado de interferência na disputa. Imbassahy chegou a se movimentar para ser candidato à presidência da Casa. (O Globo)

COMPARTILHE

Política: Rodrigo Maia é reeleito para presidência da Câmara

Foto: Reprodução

Apesar da disputa jurídica que envolve sua candidatura, o atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), foi eleito para um mandato completo, de dois anos. Ele levou a disputa em primeiro turno, com 293 votos. Em segundo lugar, ficou Jovair Arantes (PTB-GO), com 105 votos. André Figueiredo (PDT-CE) teve 59; Júlio Delgado (PSB-MG) teve 28; Luiza Erundina (PSOL-SP) teve 10 e Jair Bolsonaro (PSC-RJ) teve 4 votos. Outros cinco deputados votaram em branco. Como 504 deputados votaram, Maia precisava de 253 votos para ser eleito no primeiro turno. No ano passado, quando foi escolhido para um “mandato-tampão”, Maia teve 120 votos na primeira votação –no segundo turno, ele bateu Rogério Rosso (PSD-DF) por 285 a 170. O político do DEM comandará a Casa até fevereiro de 2019. Apesar de o Palácio do Planalto não ter declarado abertamente, Maia era o nome favorito do presidente Michel Temer (PMDB) para o comando da Casa. O presidente reeleito ainda costurou uma aliança com ao menos 10 dos 26 partidos com representação na Câmara, o que também deixou sem força as candidaturas dos oponentes.

COMPARTILHE

Bahia: Ângelo Coronel monta chapa para eleição de chapa única na AL-BA

Fotos: Reprodução

Com a eleição a Assembleia Legislativa marcada para começar às 14h45 desta quarta-feira (1), o candidato único a presidência, deputado Ângelo Coronel (PSD), começa a montar a chapa. São ao todo nove cargos na Mesa Diretora. Para amealhar os votos necessários, Coronel garantiu três assentos a oposição no colegiado. Informações chegadas ao Bocão News dão conta de que Sandro Regis, que entrega a liderança da oposição a Leur Lomanto Junior (PMDB), ficara na 1ª secretaria; Carlos Geilson (PSDB), 2ª vice-presidência; Luciano Simões (PMDB), 4ª secretaria. Com informações do editor de política Luiz Fernando Lima.

COMPARTILHE